Prêmio Sergio Motta anuncia programação do Seminário Internacional “Circuito e crítica da arte contemporânea pós mídias digitais”

Prêmio Sergio Motta anuncia programação do Seminário Internacional  “Circuito e crítica da arte contemporânea pós mídias digitais”
O 9º Prêmio Sergio Motta de Arte de Arte e Tecnologia realiza nos dias 1º e 2 de outubro, no Museu da Imagem e do Som de São Paulo – MIS-SP, o Seminário Internacional “Circuito e crítica da arte contemporânea pós mídias digitais”. Com curadoria de Giselle Beiguelman, esta edição conta com a participação dos críticos brasileiros Cauê Alves, Cristiana Tejo, Ivana Bentes, Priscila Arantes, Tadeu Chiarelli e Tiago Mesquita; e estrangeiros Brian Mackern (Uruguai), Jorge La Ferla (Argentina), Josephine Bosma (Holanda), Manuela Naveau (Áustria) e Tania Aedo (México).

No dia 1 de outubro, a partir das 11h30, o Instituto Sergio Motta oferece um brunch de boas-vindas aos participantes e ao público presente. Com abertura de Camila Duprat, superintendente do ISM, e Giselle Beiguelman, o Seminário prossegue com apresentações breves dos críticos e curadores convidados em uma mesa informal de debates sobre as questões que hoje envolvem a crítica e o circuito artístico contemporâneo pós mídias digitais, aberta à participação do público.

A edição 2011 do Prêmio Sergio Motta foi dividida em duas categorias. Em Início de Carreira, os indicados são: Alice Miceli, Claudio Bueno, Jeraman, mmnehcft & MANIFESTO21.TV, Pablo Lobato, Panetone, Ricardo Carioba e Vivian Caccuri. E em Meio de Carreira, Dias & Riedweg, Lucas Bambozzi, Raquel Kogan e Zaven Paré.

No dia 2 de outubro, a partir das 10 horas, os críticos participantes do Seminário trabalham em duplas, tomando como ponto de partida a leitura crítica dos portfólios dos 12 artistas selecionados para discutir a inserção da produção de arte e tecnologia no circuito de difusão e crítica de arte contemporânea.

Durante a realização do Seminário, os participantes farão uma introdução ao público sobre o artista analisado, situando criticamente sua produção frente ao cenário nacional e internacional.

Segundo Giselle Beiguelman, os portfólios selecionados pelo júri em suas duas etapas – Seleção e Premiação – indicam o esgotamento do termo arte e tecnologia para dar conta da produção artística contemporânea relacionada às ciências e às mídias. “Se cerca de dez anos atrás, como diz o professor André Lemos, discutíamos a desmaterialização da cultura, dando ênfase ao upload das práticas sociais, hoje estamos fazendo o download do ciberespaço”, atesta a coordenadora.

Biografias dos críticos e curadores
Brian Mackern (Montevidéu, Uruguai) é artista e compositor. Vem realizando exposições e diversos workshops e seminários internacionais pelos quais recebeu importante reconhecimento institucional.Professor de Digital and Electronic Arts no Instituto de Belas Artes da Universidade de la República Uruguay. É fundador e organizador do dorkbot.myd e coordenador/curador de New Media Art no Cme. Subte, Montevidéu. Esta atualmente desenvolvendo o programa “montevideo.ETC” no Espacio de Tecnología y Cultura em Montevidéu.

Cauê Alves (São Paulo) é mestre e doutor em filosofia pela FFLCH-USP e professor da graduação e pós-graduação da PUC-SP. É curador-adjunto da 8ª Bienal do Mercosul, curador do 32º Panorama da Arte Brasileira do MAM-SP e curador do Solo Projects: Focus Latinoamerica, ARCOmadrid 2012. Desde 2006 é curador do Clube de Gravura do MAM-SP. Realizou, a mostra Mira Schendel: Avesso do avesso (Instituto de Arte Contemporânea, 2010) e Quase líquido (Itaú Cultural, 2008).

Cristiana Tejo (Recife) é curadora independente. Atualmente, é co-curadora do 32º Panorama da Arte Brasileira do MAM- SP e curadora do Projeto Made inMirrors. Foi diretora do MAMAM (Recife, 2007-2008), curadora da Fundação Joaquim Nabuco (Recife, 2002-2006) e do Rumos Artes Visuais do Itaú Cultural (São Paulo, 2005-2006). Na X Bienal de Havana, fez a curadoria da Sala Especial de Paulo Bruscky, e, no Itaú Cultural, fez a co-curadoria de Futuro do Presente, com Agnaldo Farias. Publicou Paulo Bruscky – Arte em todos os sentidos (2009).

Ivana Bentes (Rio de Janeiro) é professora e pesquisadora de cinema, novas mídias, cultura e comunicação da Escola de Comunicação da UFRJ. Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFRJ, pesquisadora do CNPQ, coordenadora do projeto Midiarte e Estéticas daComunicação e coordenadora do Pontão de Cultura Digital da ECO/UFRJ e Laboratório Cultura Viva. Participa regularmente como ensaísta e conferencista em publicações e eventos relacionados às áreas de Comunicação, Artes Visuais, Cinema, TV e novas tecnologias da imagem e como curadora em cinema e arte.

Jorge La Ferla (Buenos Aires) é professor catedrático da Universidade de Buenos Aires, da Universidade de Cinema de Buenos Aires e da Universidade de Los Andes, Bogotá. Editou 30 livros sobre arte e mídia. Autor dos livros Video en la Puna: Los viajes de Valdez (Editorial Nueva Librería, 1994) e Cine (y) digital. Aproximaciones a posibles convergencias entre el cinematógrafo y la computadora (Ed. Manantial, 2009), entre outros. É curador de cinema, vídeo e novas tecnologias com ampla atuação internacional.

Josephine Bosma (Amsterdã, Holanda) é escritora e crítica de arte. Publicou Nettitudes – Let’s Talk Net Art [Nettitudes – Vamos falar sobre Artearte] uma compilação de ensaios (Editora NAi Publishers / Institute for Network Cultures), além de entrevistas, críticas e textos para catálogos, livros e revistas. Tendo como foco o trabalho com net art, arte sonora e cultura de rede, Bosma co-organizou eventos, como a seção rádio do festivalNext5Minutes (1996-1999), a newsletter CREAM (2001/2002) e o simpósio do festival GOGBOT (2010-2011).

Manuela Naveau (Linz, Áustria) é artista independente e curadora. Juntamente com Gerfried Stocker, é responsável, desde 2004, pelo festival internacional Ars Electronica. Seu trabalho pessoal tem como foco projetos cujo objetivo seja o de desafiar as formas de se perceber a arte visual. É doutoranda pela University for Art and Design, em Linz, e sua pesquisa trata de formas contemporâneas de práticas artísticas influenciadas pela internet.

Priscila Arantes (São Paulo) é pesquisadora, crítica e curadora. Mestre e doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e pós-doutora pela Unicamp. É diretora técnica do Paço das Artes e foi diretora adjunta do MIS-SP (2007-2011). É autora de Arte @ Mídia: perspectivas da Estética estética Digitaldigital (Senac/FAPESP), Conexões Tecnológicas (Imesp), Estéticas tecnológicas: novas formas de sentir (EDUC). Foi curadora das exposições I/legítimo: dentro e fora do circuito (2008), Crossing [Travessias](2010) eAssim é, se lhe parece (2011).

Tadeu Chiarelli (São Paulo) é professor junto ao Departamento de Artes Plásticas da ECA-USP e diretor do Museu de Arte Contemporânea da USP.

Tania Aedo (Cidade do México, México) é diretora do Laboratorio Arte Alameda. Em 1993, passou a trabalhar no Multimedia Center, do qual foi diretora entre 2005 e 2007. Nos anos 1990, como parte de sua prática artística, ela se dedicou ao desenvolvimento de simulações interativas tridimensionais (Realidade Virtual), de ambientes multiusuários e de pequenas comunidades na internet. Atualmente tem como foco de pesquisa o desenvolvimento de estratégias artísticas em contextos específicos, tecnologia e educação interdisciplinar na América Latina.

Tiago Mesquita (São Paulo) é formado em Ciências Sociais e mestre em Filosofia na FFLCH – USP. É crítico de arte desde a década de noventa e colaborou com Folha de S. Paulo, Novos Estudos CEBRAP, Revista +soma, Revista Reportagem, Jornal o Público, entre outros. Além de crítico de arte, mantém o blog do Guaciara e é letrista de música popular. Tendo composto com Rômulo Fróes, Maurício Takara e Rob Mazurek. Leciona História da Arte no curso de Arquitetura da Faam, atua como crítico e, ocasionalmente, como curador.

Giselle Beiguelman (São Paulo) é midiartista e professora universitária. Atua nas áreas relacionadas à criação e crítica de artemídia. Foi professora da pós-graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP (2001 a 2011) e é professora da FAU-USP. Foi curadora do Nokia Trends (2007 e 2008) e Diretora Artística do Instituto Sergio Motta (2008-2011).

Camila Duprat Martins (São Paulo) é superintendente do Instituto Sergio Motta. Museóloga e pós-graduada em História história da Arte arte pela ECA-USP. Foi diretora do Museu de Arte Moderna SP (1990-1992), diretora da Divisão de Artes Plásticas do Centro Cultural São Paulo (1993/2000), coordenadora de produção do Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia (2001/2004), coordenadora do projeto Museu Vivo da Secretaria de Estado da Cultura (2004/-2005) e coordenadora do curso de pós-graduação do SENAC SP “Gestão em Artes”(2007/-2008).

Instituto Sergio Motta
O Instituto Sergio Motta é uma OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, criado em 2000, que atua como um centro de projetos e debates, fomentando o uso criativo das tecnologias e a difusão de inovações nesse campo. Dentro da área artístico-cultural tem como sua principal realização o Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia, que neste ano distribui R$ 160.000,00 em premiações a artistas e criadores de todo o país.

Evento: Seminário Internacional “Circuito e crítica da arte contemporânea pós mídias digitais”
Local: Museu da Imagem e do Som de São Paulo – MIS SP
Dias e horários: 1o de outubro, das 11h30 às 15h30 / 2 de outubro, das 10h às 19h
Endereço: Avenida Europa, 158 – Jardim Europa – São Paulo – SP
Telefone: 11 2117 4777
Entrada gratuita
Sites: MIS e Instituto Sergio Motta

Iamgem de abertura: Hipermedula.org

Via Adelante Comunicação Cultural

Publicação: 22 de setembro de 2011

Veja também...

O Fashion Bubbles possui cerca de 10 mil artigos, aqui as matérias geralmente aparecem aleatoriamente, aproveite para relembrar o que foi moda em outros anos, conhecer outros artigos ou ver a evolução do próprio site que começou em 2006 como um Blog.

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
2011-09-21_160543
Parkas prometem ser hit no Inverno 2012

As parkas, casacos compridos com inspiração militar, fizeram sucesso nas décadas de 50 e 60 e ressurgem agora em diversas...

Fechar