O Cinismo e os Cinquenta Tons de Cinza, por Vinícius Moura

O Cinismo e os Cinquenta Tons de Cinza, por Vinícius Moura

Hermes só queria esbravejar, tinha motivos. Ela, pelo contrário, queria convencê-lo de que estava nervoso desnecessariamente, que daquele modo, concluiria os fatos de forma totalmente equivocada.

– Equivocado, eu? Era só o que me faltava! – Hermes respondeu ainda descontrolado.

Ela, muito segura, se defendeu.

– Você me chamou de cínica, aposto que não sabe o que isso vem a ser.

– O que há para saber, além daquilo que você é?

Mesmo com sua rispidez, ela foi adiante:

– Saiba que o cinismo foi uma corrente filosófica que pregava o desprendimento dos bens materiais e do mundo mundano.

– Hã? Do que ela estava falando? Pensou. Mas, ela continuava com seu tom professoral:

– Conforme a filosofia, só a pessoa ligada à natureza poderia alcançar a felicidade.

– Do que a vadia estava falando? – Ele pensou antes de bater a porta, para não lhe bater na cara. Em seu julgamento, ela bem que merecia. Hermes há dias estava a ponto de explodir: como podia uma desculpa tão esfarrapada? E ela ainda tinha coragem de ser irônica. Este era o fim, fim que Hermes não aceitava. Filosofia, de onde ela tirou isso? Aquilo não tinha nada a ver com filosofia, a filha da mãe, na maior cara de pau queria era se safar.

A indignação de Hermes contaminou suas rotinas: reclamava da jornada de trabalho excessiva, sob a sacana explicação de que a empresa esperava ainda mais dos colaboradores, para atravessar o momento de crise. Discutia com o balconista o tamanho e a aparência muito clara do pão. Reclamava com o síndico sobre o barulho que fazia o cachorro do vizinho… Todos com desculpas esfarrapadas – falava sozinho, visivelmente desequilibrado – nem ela, nem ninguém assume que, por baixo de toda justificativa, há a imprudência, a desfaçatez, a cara de pau, isso sim é cinismo. E não era disso que se tratava? Claro que é. Cinismo puro.

Há dois mil e quinhentos anos, um discípulo de Sócrates já discutia que a vida virtuosa consistia na independência que se obtinha através do domínio dos desejos e necessidades. Sendo assim, a felicidade dependia da renúncia aos desejos criados pela civilização e também de abandonar as convenções sociais. Faz algum sentido?

Aperreado como estava, conseguiu ver, sim, todo o sentido. Agora tudo fazia sentido. O que ela havia feito era justamente se apegar a desejos, descaradamente. Quanto às convenções sociais, isso ela havia rompido. Mas que felicidade é esta? Desejo menos convenção social é a equação perfeita para o resultado ser a safadeza. Só isso. Safadeza, nada mais. E não seria nenhum filósofo grego de nome Antístenes ou Diógenes que o convenceria do contrário.

– Põe mais uma – pedia a quinta dose ao barman.

– Com todo respeito senhor, cínico é você.

– Como assim? Hermes empurrou a cadeira para trás, violentamente, espantando o pileque. Sem demonstrar espanto, o barman se explicou:

– Depois de tanta confusão, o que o senhor quer mesmo é que esta mulher não te abandone. Mas, Hermes também se explicou:

– Onde já se viu? Fazer de uma leitura erótica, um tal  de “50 Tons de Cinza”, pretexto para a sacanagem com o primeiro desconhecido. Inabalável, o barman retomou:

O Cinismo e os Cinquenta Tons de Cinza, por Vinícius Moura
Foto: Marie Claire

– Se seu único intuito não fosse conseguir uma razão justificada para aliviar a culpa de estar querendo perdoar o imperdoável e assim continuar com ela, não estaria levando em consideração tanta tolice.

– Você é muito abusado! Coloca mais uma.

– Mas, senhor… Se ela lhe é tão importante…  – o barman se interrompeu, quantas vezes já não tinha presenciado a mesma cena? Esperava que o freguês estivesse interessado em ouvir o resto. E estava. Portanto, continuou: – Pelos cínicos de 2500 anos atrás, a felicidade é alcançada se desprendendo das convenções sociais, vaidades, orgulho e até mesmo do acúmulo de riquezas, não é isso? Por que duvidar que este não seja mesmo o caminho da felicidade?

Hermes apertou sua mão, deixou uma boa nota sob o copo e saiu sem dizer para onde ia. Nem precisava. Não havia surpresa, o barman já havia assistido a este mesmo desfecho centenas de vezes.

O Cinismo e os Cinquenta Tons de Cinza, por Vinícius Moura
Foto: YouTube

Foto de abertura: Meu mundo, meu caminho

Por Vinícius Moura

Publicação: 11 de outubro de 2012

AUTOR

Vinicius é empresário do setor de auto-peças.

Veja também...

O Fashion Bubbles possui cerca de 10 mil artigos, aqui as matérias geralmente aparecem aleatoriamente, aproveite para relembrar o que foi moda em outros anos, conhecer outros artigos ou ver a evolução do próprio site que começou em 2006 como um Blog.

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
gr_Oskar-Metsavaht_G-e1349797184308
Alpargatas, dona da Havaianas, compra 30% da grife Osklen

A Alpargatas, empresa dona da Havaianas, anunciou a compra de 30% da grife Osklen. Oskar Metsavaht, entretanto, continuará na coordenação...

Fechar