Logo

Um desabafo sobre Eliana Tranchesi

Um desabafo sobre Eliana Tranchesi

É impressionante como uma notícia pode gerar tantos e distintos sentimentos.

Hoje, ao ler que Eliana Tranchesi havia falecido, fiquei triste. Lembrei imediatamente das vezes que estive perto dela. A primeira e mais marcante foi quando fui procurar um vestido branco para minha irmã usar em seu casamento. Cheguei tarde a Daslu pois havia pego muito trânsito. Para minha surpresa, ela em pessoa me atendeu durante toda visita a loja.

Outras pessoas não sentiram ou sentirão sua perda. O que choca mesmo são as atitudes e depoimentos como “Bem feito! Foi tarde! Bandida! Deveria ter morrido na cadeia!”. Essas afirmações me preocupam muito.

Uma das coisas que as pessoas negativas tendem a esquecer  é que Eliana Tranchesi foi o principal rosto de um time empreendedor que levou um negócio de família iniciado informalmente a um dos maiores casos de negócios brasileiro – um império de luxo chamado Daslu. Poucos sabem ou se lembram, mas a Daslu foi pioneira em trazer e disseminar marcas de luxo no Brasil.

Foi Eliana Tranchesi e seu time que pediram, e até mesmo imploraram pelo voto de confiança no mercado e público brasileiro, comprovando a potencialidade de clientes daqui. Quando o Brasil possuía uma barreira tarifária e de impostos maiores do que as atuais e um protecionismo com os produtos internos… foi a Daslu que se empenhou para que isso fosse, aos poucos, revertido.

Outro fato que comprova o pequeno grau de observação analítica dos fatos pela maioria negativa, foi a Operação Narciso de 2006. Aquele esquema cinematográfico, midiático e hilário de policiais federais para prender quatro pessoas? O que a Eliana e os condenados fariam? Fugiriam com o helicóptero suspenso da loja? Engraçado é que para traficantes de armas e/ou drogas, comerciantes de artigos falsificados e políticos corruptos… esse esquema é inédito até hoje.

Alguém se recorda dos escândalos políticos do Mensalão e dos Sanguessugas? Coincidentemente aconteciam na mesma semana em que Eliana e seu time fora detido. Pergunto: alguém, além de mim, tem a certeza absoluta de que a operação cinematográfica chamada Narciso contra a Daslu foi somente algo para reverter a atenção e abafar um pouco a operação do Mensalão e dos Sanguessugas? Isso ninguém se lembra. Na semana seguinte, o Mensalão e o Sanguessugas não eram mais mencionados na mídia.

Um desabafo sobre Eliana Tranchesi

A Daslu e seus responsáveis receberam a penalidade que lhes cabiam e a justiça foi feita. Receberam suas sentenças pelos crimes atribuídos pela loja. Se respondem em regime de Hábeas Corpus ou não, em prisão domiciliar, isso é um problema da justiça que concede essa possibilidade. Não concorda com isso? Vire jurista e mude a lei. Qualquer advogado que faz jus às atribuições da lei consegue o mesmo. Não culpem os bons advogados.

Alguns ainda vão pensar: “Ela deveria pagar pelo crime que cometeu. Bandida!”. Com a maior calma do mundo eu replicaria: ela e os envolvidos pagaram – e ainda estão pagando – por sua sentença. Nenhum cliente era obrigado a comprar na Daslu. Então se você era ou ainda é consumidor da loja e se sentiu lesado em qualquer momento… lamento.

Chocam-me os comentários de ódio. De verdade. É uma falta de humanidade muito grande. Seis anos de batalha contra o câncer não foram fáceis para ela, para os familiares e amigos. É uma doença muito séria, avassaladora, triste e que deve ser vista com compaixão por todos. O mesmo diria de uma mãe que deixa três filhos.

Defendo a empresária, mãe, entusiasta e singular brasileira. Se não a respeitam como profissional, respeitem-na como ser humano, mãe, amiga e mulher.

Sinto pelo seu falecimento. Meu sincero apoio para os familiares e amigos que ela deixou. Fique com Deus, Eliana, e finalmente descanse com a paz que lhe é devida.

Um desabafo sobre Eliana Tranchesi

Leia também:

Eliana Tranchesi, ex-dona da Daslu, morre aos 56 anos

Daslu – Um pouco da história da loja que mudou o mercado de luxo do Brasil

Daslu em números

Fotos: Veja

Um desabafo sobre Eliana Tranchesi

Fábio Lemes-Coimbra é Internacionalista e Empresário. Possui MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela Fundação Instituto Administração – FIA – USP e MA em Negócios Internacionais pela Université Pierre Mendès, na França. O interesse pela moda é hereditário: é filho de mãe estilista e colecionadora de moda. Escola São Paulo, Ecole Lesage, Central St. Martins são instituições de ensino por onde já passou. Presta consultorias nas áreas de exportação e desenvolvimento de produto para marcas de moda e acessórios. Possui paixão por culturas internacionais, fotografia e moda como arte.

11 Comment

  1. A lembrança sobre o momento político e o espalhafato em torno do acontecido é muito pertinente.
    Independente da doença, não se deve julgar os outros.
    Os pessoalmente prejudicados podem externar sua opinião pessoal, mas o ódio, a inveja pura e simples é que fala pela boca da maioria das pessoas e é de um ridículo e de uma maldade atrozes.
    Foi um pensamento delicado da sua parte; as pessoas são multifacetadas e não se deve cometer o erro de julgar alguém por uma única coisa.

  2. É lamentável que ainda existe pessoas que perdem seu tempo desejando o mal a própria especie. Que Deus A receba e que fique em paz. Julgar fica por conta do juiz de todos os juizes, e não a nós pecadores de todos os momentos do dia, e que Deus tenha compaixão de nós também……

  3. Fábio,
    Mais do que um desabafo, me parece um relato escrito com sentimento, parabéns.

    A pessoa da Eliana representa muito mais do que “uma comerciante que sonegava” Isso por si só, não justifica o ódio expresso de algumas pessoas. Ela foi a materialização da diferença social no país, por isso gera tantos conflitos de opiniões.

    • Seria Inveja Vinicius? Creio que o fato de ver alguem prosperar possa incomodar certas pessoas.
      Obrigado pelo comentario.

  4. Fico feliz que ainda existem pessoas pensantes e humanas.
    Obrigado pelos comentarios.

  5. Excelente “desabafo”…faço minhas palavras todo conteudo desse imapagável texto.

    A esses cidadãos que a denominam “bandida”, continuem fieis escudeiros da etica, da JUSTIÇA e fiquem atentos e EXIJAM a prisão dos MENSALEIROS E COMPANHEIROS, expondo na midia da mesma forma que expuseram a Operação Narciso.

    Cadê???? Sr. ex Ministro Jose Dirceu e toda sua patota…

    e também ELLE!!!! O grande cumpanheiro…ELLE!!!

    Descanse em paz, sra. Eliana Tranchesi

  6. Isso Mesmo, um ser humano trabalhador, o resto nao e da conta de ninguem, apenas foi usada pela midia por que era famosa para mostrar servico da policia federal.

  7. Excelente reportagem que lembra de forma clara o verdadeiro papel da Daslu na sociedade e como Eliana e familia contribuiram para colocar o Brasil no cenario internacional. Infelizmente a ignorancia de alguns, ou porque nao dizer inveja, pensam que bom mesmo e’ ter um pais que vive de mensaloes e “coisinhas” do genero. Assim, acredito que todos os crimes devem ser punidos… pobre pais que nao tem consciencia nem para enxergar o proprio umbigo quem dira’ para saber quem foi Chanel!

  8. Eliana e a turma do Mensalão ou dos Sanguessugas, todos eles são ratos da sociedade! Já vai tarde!

    • Lamentavel seu comentario. Acho que nao entendeu meu posicionamento. Espero que nunca passe pela experiencia cancer e que quando algum ente querido se parta da sua vida, as pessoas nao repitam a mesma coisa que acabara de repetir: “Ja vai tarde”. Sem mais.

      • Esse artigo de desabafo,na minha opinião,foi bem interessante.É algo pra se pensar.

Your Commment

Email (will not be published)