Logo

Considerações sobre o gênero ( masculino / feminino) e resposta a Vinicius de Moraes – Parte 1/2

Considerações sobre o gênero ( masculino / feminino) e resposta a Vinicius de Moraes   Parte 1/2

Por Ângela Rodrigues em referência ao 8 de março!

Que homens e mulheres são diferentes e que o abismo que os separa é abissal, ninguém discute. Mera questão de fisiologia, de hormônios, de gênero e porque não dizer de DATAS.

No que diz respeito a questões fisiológicas e hormonais deixemos para os especialistas…. Quanto ao gênero e às datas… me parecem convidativos.

O Gênero (masculino e feminino) é um conceito criado na década de 70 para explicitar que sexo social não é determinado pelo sexo biológico; ou seja, a sociedade imputa uma diferença cultural entre homem e mulher que resulta em uma cisão construída, independente portanto de determinações biológicas.

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, considera que o conceito de gênero refere-se a uma “categoria de análise das ciências sociais para questionar a suposta essencialidade da diferença dos sexos, a idéia de que mulheres são passivas, emocionais e frágeis; homens são ativos, racionais e fortes. Na perspectiva de gênero, essas características são produto de uma situação histórico-cultural e política; as diferenças são produto de uma construção social. Portanto, não existe naturalmente o gênero masculino e feminino.” (CASTILHO, 2008, http://pfdc.pgr.mpf.gov.br/eventos/campanhas/dia-da-mulher/verbet).

Portanto, muitas das diferenças entre homem e mulher não decorre da sua constituição natural, mas sim dos atributos que o gênero masculino e feminino incorpora do contexto cultural em que estão inseridos.

Considerações sobre o gênero ( masculino / feminino) e resposta a Vinicius de Moraes   Parte 1/2

Com base nessa definição, posições machistas e feministas correspondem a excessos injustificáveis, representam apenas que alguns homens e mulheres introjetaram uma dose maior que a devida de prescrições sociais historicamente construídas. Crer que o homem tem necessariamente que pertencer a um universo azul onde impera a racionalidade muitas vezes inexistente no universo rosa e ilógico do gênero feminino, nada mais obsoleto!

Uma outra conceituação de gênero que me parece inteligente está pautada na tese de que o conceito de gênero é apenas uma “divisão simbólica dos sexos”, não tem base biológica nem cultural, “é uma lógica de pensamento, emoções e representação da subjetividade íntima das pessoas.” (LAMAS citada por CASTILHO, 2008).

Considerando essa definição, podemos inferir que as diferenças de gênero podem nos ajudar na percepção daquilo das particularidades  que a constituição biológica confere ao homem e a mulher em termos de possibilidades, potencialidades, em termos de construção da identidade; me parece absolutamente sublime até ver o Outro como diferente…

Se pensarmos que o gênero masculino e feminino refere-se apenas à divisão simbólica, não há como negar, que as mulheres podem usufruir prazerosamente dessa divisão sem com isso comprometer sua independência, sua autonomia intelectual e sobretudo a sutileza que em muitos momentos ofuscam uma truculência que não precisa ser vista.

Certamente a delícia de um provedor, forte, racional, protetor, ativo (em seus sentidos literais ou figurados)  não pode ser comprometida pelo medo da submissão. Nada mais equivocado. A força de um não enfraquece o outro, a racionalidade masculina não subjuga a feminina, a proteção só exacerba o conforto, à atividade dele não corresponde a passividade dela.

Nada mais feminino que assumir isso! Portanto, sejamos modernas: acho discutível a comemoração de 8 de março, quase arcaico ….mas com toda feminilidade peculiar ao nosso gênero, recebamos as rosas, as homenagens, os afagos, o carinho e tudo o mais sem nenhuma culpa …

Que permaneça o encanto das diferenças que nos UNE! Sejamos apenas pares!

Talvez pensar que Vinícius de Morais compôs RECEITA DE MULHER  há bastante tempo e considerar que o que segue compus a partir da contemporaneidade, evidencie que há muito o 8 de março perdeu sua força, não mais precisamos de datas!!

Por Ângela Rodrigues

Receita de Mulher
Vinicius de Moraes
Composição: vinicius de moraes

As muito feias que me perdoem
Mas beleza é fundamental.
É preciso que haja qualquer coisa de flor em tudo isso
Qualquer coisa de dança, qualquer coisa de haute couture
Em tudo isso (ou então Que a mulher se socialize elegantemente em azul,
como na República Popular Chinesa).
Não há meio-termo possível. É preciso
Que tudo isso seja belo. É preciso que súbito
Tenha-se a impressão de ver uma garça apenas pousada e que um rosto
Adquira de vez em quando essa cor só encontrável no terceiro minuto da aurora.
É preciso que tudo isso seja sem ser, mas que se reflita e desabroche
No olhar dos homens. É preciso, é absolutamente preciso
Que seja tudo belo e inesperado. É preciso que umas pálpebras cerradas
Lembrem um verso de Éluard e que se acaricie nuns braços
Alguma coisa além da carne: que se os toque
Como no âmbar de uma tarde. Ah, deixai-me dizer-vos
Que é preciso que a mulher que ali está como a corola ante o pássaro
Seja bela ou tenha pelo menos um rosto que lembre um templo e
Seja leve como um resto de nuvem: mas que seja uma nuvem
Com olhos e nádegas. Nádegas é importantíssimo. Olhos então
Nem se fala, que olhe com certa maldade inocente. Uma boca
Fresca (nunca úmida!) é também de extrema pertinência.
É preciso que as extremidades sejam magras; que uns ossos
Despontem, sobretudo a rótula no cruzar das pernas, e as pontas pélvicas

No enlaçar de uma cintura semovente.
Gravíssimo é porém o problema das saboneteiras: uma mulher sem saboneteiras
É como um rio sem pontes. Indispensável.
Que haja uma hipótese de barriguinha, e em seguida
A mulher se alteie em cálice, e que seus seios
Sejam uma expressão greco-romana, mas que gótica ou barroca
E possam iluminar o escuro com uma capacidade mínima de cinco velas.
Sobremodo pertinaz é estarem a caveira e a coluna vertebral
Levemente à mostra; e que exista um grande latifúndio dorsal!
Os menbros que terminem como hastes, mas que haja um certo volume de coxas
E que elas sejam lisas, lisas como a pétala e cobertas de suavíssima penugem
No entanto, sensível à carícia em sentido contrário.
É aconselhavel na axila uma doce relva com aroma próprio
Apenas sensível (um mínimo de produtos farmacêuticos!).
Preferíveis sem dúvida os pescoços longos
De forma que a cabeça dê por vezes a impressão
De nada ter a ver com o corpo, e a mulher não lembre
Flores sem mistério. Pés e mãos devem conter elementos góticos
Discretos. A pele deve ser frescas nas mãos, nos braços, no dorso, e na face
Mas que as concavidades e reentrâncias tenham uma temperatura nunca inferior
A 37 graus centígrados, podendo eventualmente provocar queimaduras
Do primeiro grau. Os olhos, que sejam de preferencia grandes
E de rotação pelo menos tão lenta quanto a da Terra; e
Que se coloquem sempre para lá de um invisível muro de paixão
Que é preciso ultrapassar. Que a mulher seja em princípio alta
Ou, caso baixa, que tenha a atitude mental dos altos píncaros.
Ah, que a mulher de sempre a impressão de que se fechar os olhos
Ao abri-los ela não estará mais presente
Com seu sorriso e suas tramas. Que ela surja, não venha; parta, não vá
E que possua uma certa capacidade de emudecer subitamente e nos fazer beber
O fel da dúvida. Oh, sobretudo
Que ela não perca nunca, não importa em que mundo
Não importa em que circunstâncias, a sua infinita volubilidade
De pássaro; e que acariciada no fundo de si mesma
Transforme-se em fera sem perder sua graça de ave; e que exale sempre
O impossível perfume; e destile sempre
O embriagante mel; e cante sempre o inaudível canto
Da sua combustão; e não deixe de ser nunca a eterna dançarina
Do efêmero; e em sua incalculável imperfeição
Constitua a coisa mais bela e mais perfeita de toda a criação imunerável.

Considerações sobre o gênero ( masculino / feminino) e resposta a Vinicius de Moraes   Parte 1/2

Por Ângela Rodrigues

Ângela Rodrigues é graduada e mestre em Filosofia pela Unesp. Professora universitária há 8 anos na área de pesquisa científica em vários cursos superiores e pós-graduação dos quais se destacam Moda, Arquitetura e Urbanismo, Ciência da Computação entre outros. Além de ministrar aulas de métodos de pesquisa, foi orientadora de diversas monografias de final de curso de Moda. Ângela foi também co-autora de dois artigos científicos apresentados e publicados nos Anais do Colóquio de Moda da FEEVALE/RS em 2008. E mantém o blog Corpocomente no qual são postadas informações sobre moda, comportamento, fotografia, cinema e culinária. E-mail:angelamrodrigues@yahoo.com.br

Considerações sobre o gênero ( masculino / feminino) e resposta a Vinicius de Moraes   Parte 1/2

Ângela Rodrigues é graduada e mestre em Filosofia pela Unesp. Professora universitária há° 8 anos na área de pesquisa científica em vários cursos superiores e pós-graduação dos quais se destacam Moda, Arquitetura e Urbanismo, Ciência da Computação entre outros. Além de ministrar aulas de métodos de pesquisa, foi orientadora de diversas monografias de final de curso de Moda. ângela foi também co-autora de dois artigos científicos apresentados e publicados nos Anais do Colóquio de Moda da FEEVALE/RS em 2008. E mantém o blog Corpocomente (http://corpocomente.blogspot.com/) no qual são postadas informações sobre moda, comportamento, fotografia, cinema e culinária. E-mail:angelamrodrigues@yahoo.com.br

15 Comment

  1. [...] Considerações sobre o gênero ( masculino / feminino) – Parte 1/2 . [...]

  2. [...] bela ou tenha pelo menos um rosto que lembre um templo [...]

  3. é uma imundice ñ tirou as duvidas

  4. EU PRESISAVA DE INFORMACAO SOBRE GENERO E NAO ENCONTREI NADA DE ESPECIAL …… LOGO COPIEI QUASE ISTO TUDO NAO E KE EU ACHE ESTA INFORMACAO MUITO BOA MAS PRONTO FOI O MELHOR KE ENCONTREI

  5. A medida em que a ciência avança na área da genética, novos horizontes nos dão possibilidades para idealizarmos e até mesmo por em prática um projeto de reprodução humana do gênero feminino assexuado, quem sabe num futuro bem próximo.
    È imperativo que Geneticistas se interessem e se dediquem mais no aprofundamento em pesquisas da independência da procriação da espécie humana unicamente feminino, pesquisas recentes, Geneticista , Karim Nayernia (Espermatozóide feminino concebido a partir da célula trunco da medula óssea da mulher foi um sucesso.) com o qual serão gerados descendência somente com material genético da mulher, cópias excêntricas ,aí está
    Existem espécies na natureza como, por exemplo; os batráquios em que todos são fêmeas, e isso prova que é possível.: só com longos períodos esporadicamente nascem machos somente para continuar diversidade da espécie, cuja diretriz é exclusiva da natureza. Quero então enfatizar com isso que é expressão do curso natural da vida que haja mudanças e evoluções. Sabemos também que todos embriões antes do terceiro mês não têm sexo, cuja predominância é do gênero feminino.Então é mister pensar que não estamos violando ou ferindo nenhuma ética nem preceitos morais.
    Ainda que se vivermos num mundo com a qual ser capaz de se reproduzir totalmente de sua própria carga genética ou de outro semelhante seria o máximo!.Todavia pensando por outro lado, viver sem o sexo masculino não é tão difícil assim,visto que já estamos preparadas para isso! Basta ver que as estatísticas com pesquisas da população de gêneros masculino e feminino são assim distribuída:homossexuais homens são apenas 10% e 8% destes são travestis,enquanto na mulher são em 46% homossexuais da qual destes são 35% também bissexuais e ainda pesquisas recentes mostram que 67% todas as mulheres são hétero e bissexuais e estão ,incutidas sem necessidade de se manifestar, nos casamentos bem sucedidos sem nenhum problemas vivendo felizes com seus maridos em sociedade.
    No futuro o sexo talvez não seja tão importante, hoje mulheres famosas já optaram pela inseminação artificial, seja por problema de saúde ou por tentarem melhorar suas proles, cineasta de filme de ficção cientifica futuristas mostram sociedades matriarcais cujo sexo seria prática arcaica …Já pensou,a violência sexual praticada por homens seria extinta, para que delegacia da mulher?a lei Maria da Penha perderia o emprego e brigas conjugais entre marido e mulher então seria banida..etc..etc.
    O fato é que não existe atividade neste planeta em que seja coisa exclusivamente de homens e que as mulheres não possam fazer igual, ou melhor!!,a mulher está presente em todos os níveis da sociedade e em maioria,atendendo assim a auto-suficiência da espécie humana .

  6. Se também déssemos rosas, homenagens, poesias, e afagos ao invés de sempre esperarmos receber talvez fosse mais fácil não haver exarcebação, com machismos e feministas por aí.

  7. isso é muito bom

  8. isso ñ presta isso ñ explica nada

  9. puxa eu qeria alguma coisa qe falasse masculino e feminino…………………………………..

    aa-.-’ nãaao gostei mto

  10. isso e lindo eu amo copo humano

  11. esse é um otimo texto, eu gostei muito.

  12. Belo artigo, articulado e gostoso de ler e que ainda oferece mais, para alem do que está escrito nessa página.
    Parabéns.

  13. o texto é totalmente muito bem explicativo e retira de alguns poucos a ignorancia que tens sobre o tema ! adoreiiiiiiiiiii

  14. powcha isso nao nos ensina isso e burice

Your Commment

Email (will not be published)