Tribos Urbanas – Comunidades de Sobrevivência Afetiva

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva 

Os movimentos de cultura de moda, que envolvem o vestuário dos adolescentes nas cidades contemporâneas, têm sido identificados como movimentos que se reconhecem como Tribos Urbanas.

Veja a seguir as matérias que o Fashion Bubbles já publicou sobre tribos urbanas:

Moda e Tribos Urbanas

“Os movimentos de cultura de moda, que envolvem o vestuário dos adolescentes nas cidades contemporâneas, têm sido identificados como movimentos que se reconhecem como Tribos Urbanas.

É importante compreender as tribos como “comunidades de sobrevivência afetiva” (Elias-1996) dentro da vida urbana. Cada uma destas tribos se estetiza através de seu vestuário e se organiza em torno de um líder espiritual distante, um ídolo musical ou esportivo que, reúne projetos momentâneos e anseios de curto prazo dos membros da tribo.”

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva

Românticos

“O movimento romântico foi mais do que uma nova maneira de vestir, mais do que uma aparência; foi a manifestação de uma visão de mundo que dominou a cultura européia durante o século XIX. É difícil fixar uma data exata do momento em que uma moda aparece, como também sua paternidade.

Moda total, o Romantismo era um traje, uma estética uma fisionomia, uma sinfonia de cores, um sistema de mitos e idéias feitas, um panteão de heróis reais e imaginários, mas também um modo de vida que se imiscuía em todos os atos e legislava sobre todos os assuntos.”

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva

Tecktonik

“Aqui nas ruas da Europa, la nouvelle vague (a nova onda) é o Tecktonik que começou como uma marca de roupas e agora é um conjunto de moda e dança.

A dança (para mim ainda estranha) mexe muito mais os braços que as pernas, a moda está sempre associada: é indispensável uma calça ultra-skinny (mega-justa), jaqueta curta estilo biker e cabelos com moicanos mais largos que o usual na cabeça.”

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva

Punks e Rockers

“O sonho havia acabado, e foi duro acordar dele e deparar com um mundo, onde o jovem sequer tinha o que sonhar. Este foi o mundo mostrado tão magnificamente pela sétima arte, por Kubrick, em A Laranja Mecânica. Que soco, que podre, que horror, era preciso correr, tudo ficou dark, punk e skinhead, e de repente, sem submarino.

Punk foi o movimento de estilo jovem, que nasceu em 1977, em Londres. A palavra significa podridão, sujeira, insanidade. O movimento levantou a bandeira da desilusão, sendo seu lema: No future. Surgiu durante a crise econômica inglesa da década de 70, com o desemprego e as novas formas de pobreza. Existe até hoje e é movimento típico de países ricos que não abrem espaço para absorver a jovem mão-de-obra com pouca escolaridade e baixo nível tecnológico. O universo punk é composto pelos Rockabillys, Skinheads, Heavy, Hastas e Grunges.”

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva

Sobre Dândis e antimoda masculina

“Foi no século XIX, que o vestuário passou a significar dissidência. A figura crucial nesta transformação foi o dândi. O dandismo estabeleceu padrões mais rígidos de masculinidade ao introduzir um traje novo, moderno e urbano. Também, apontava para o vestuário como forma de revolta.

O vestuário masculino do século XIX era uma adaptação do traje de campo e esportivo do séc. XVIII. Foi o dândi que o transformou em estilo dominante, impondo uma estética que se opunha ao exagero de rendas, brocados e pó-de-arroz dos aristocratas pré-Revolução Francesa. Para Beau Brummel, seu criador, o novo estilo significava nada de perfumes. O papel do dândi implicava numa preocupação com o eu e a apresentação pessoal; a imagem era tudo.”

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva

Punk

“O movimento punk chega aos 30 anos em 2007. O curso examina os principais fatos, eventos e artistas do punk e questiona se o movimento é um divisor de águas da cultura pop ou o continuador de uma atitude de rebeldia jovem muito mais antiga. Os encontros vão abranger desde a pré-história do movimento e o que dele decorreu, sua estética na música, no visual, na moda, no jornalismo, na literatura e no comportamento jovem em todo o planeta.”

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva

Paradise Kiss – Mangá Fashion

“ParaKiss, como também é conhecido, é um mangá que mistura moda (…) e as tendências das mais diferentes tribos japonesas (Gothic Lolitas, Punks, e por aí vai) e cultura urbana, tratando ainda dos dramas típicos da adolescência, a entrada na faculdade e o mundo adulto.”

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva

FRUiTS

As fotos de Aoki mostram adolescentes e jovens que criaram uma excêntrica subcultura baseada na reinvenção de elementos típicos japoneses misturados com elementos ocidentais e peças de segunda mão que resultaram em ousados e inesperados modos de se vestir; uma busca, talvez desesperada, por diferenciação individual em uma sociedade cada vez mais planificada e homogênea. Em meados dos anos 90 estes jovens espontaneamente passaram a se reunir no bairro de Harajuku tornando-o, durante muito tempo, o centro dessa efervescência e laboratório ao ar livre de expressão social através de uma moda independente e única.”

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva

Visual Kei

Visual kei (visual kei/bijuaru kei?, “linhagem visual” ou “estilo visual”), ou visual rock, é um movimento musical que surgiu no Japão na década de 1980.

Consiste na mistura de diversas vertentes musicais como rock, metal e até música clássica. Uma das peculiaridades desse movimento é a ênfase no visual de seus artistas, muitas vezes extravagante, outras vezes mais leve, mas quase sempre misturada com a androginia, e shows chamativos. No visual kei a música anda sempre ao lado da imagem e vice-versa.

Tribos Urbanas   Comunidades de Sobrevivência Afetiva 

Otaku, uma tribo de bitolados gastadores, dita tendências no Japão

“É possível vê-los no amplo bazar de produtos eletrônicos Akihabara (cidade eletrônica). Eles são do tipo bitolado, dedicam-se a construir seus próprios computadores pessoais e frequentam lojas que vendem mangás (gibis japoneses) ou brinquedos clássicos no centro de Tóquio, onde não é raro alguém desembolsar US$ 1.400 por uma versão da Rika-Chan (a Barbie japonesa) do começo dos anos 70.”

Publicação: 7 de março de 2008

Veja também...

O Fashion Bubbles possui cerca de 10 mil artigos, aqui as matérias geralmente aparecem aleatoriamente, aproveite para relembrar o que foi moda em outros anos, conhecer outros artigos ou ver a evolução do próprio site que começou em 2006 como um Blog.

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
John Galliano Spring 2008 RTW

Fechar