Viagem à era da Imagética – A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI

Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI

Pensando o futuro

“  Viajar, no grupo dos mais jovens, faz parte da educação;
no dos mais velhos faz parte da experiência.
Ele que viajou para um país antes de ter um contato com a língua,
foi para a escola e não viajou.”  ( Francis Acon)

Segundo Dicionário Aurélio, viagem é a ação de ir de um a outro lugar, em geral distante; percurso extenso; ou ainda uma gíria que significa alucinação causada por drogas.

O termo viajar também é utilizado em relação a idéias que não foram compreendidas ou que parecem não fazer sentido, porque são estrangeiras em nosso universo cultural.

Há também, o significado de viajar com a imaginação: “mas que viagens serão mais fascinantes e desafiadoras que aquelas que nos permitem transitar por diferentes tempos, em um mesmo momento, sem sair do lugar?” (Turismo; espaço e tempo)

Diante destes conceitos me pergunto: o que é viajar?  E as repostas estão sempre atreladas à fuga, a busca, ao desejo de mudança.  Para Douglas Foster, os motivos básicos, primitivos da Humanidade são o medo, o desejo, o amor e a cobiça, mas existe também a necessidade de estímulo através da mudança, excitação e novidade, realizando algo diferente. As viagens e o turismo podem fornecer esse estímulo fisicamente enquanto as viagens psíquicas estimulam os sentidos. Em resumo os dois tipos de viagens ajudam as pessoas a libertar-se das vidas normais e ampliar sua percepção do mundo e da vida.

Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI
Imagem via Tech 42 e Arte Viva Espírita

Mas o que é vida normal ? Vivemos num mundo onde tudo é permitido, num mundo em que para Jean Baudrillard é o mundo da pós-orgia: “A orgia é o momento explosivo da modernidade, o da libertação em todos os sentidos. Liberação política, liberação sexual, liberação das forças produtivas, liberação das forças destrutivas, liberação da mulher, da criança, do homem, das pulsações inconsciente, liberação da arte. Assunção de todos os modelos de representação e de todos os modelos de anti-representação.

Total orgia de real, de racional, de sexual, de crítica e de anticrítica, de crescimento e de crise de crescimento. Percorremos todos os caminhos da produção e da superprodução virtual de objetos, de signos, de mensagens, de ideologias, de prazeres. Hoje, tudo está liberado, o jogo já está feito e encontramo-nos coletivamente diante da pergunta crucial: o que fazer após a orgia?”. Será hora de organizar outra ordem, propor outro paradigma?

Perdemos nossos limites, em relação ao modelo antropocentrista moderno, não temos mais céu nem inferno, portanto estamos perdendo nossos tabus. O certo se confunde com o errado e a busca da verdade se tornou extremamente complicada, pois a ciência é instável e está à mercê de suas mais novas descobertas, seus valores são móveis e nos falta terreno sólido para nos agarrar. É como se o mundo, de repente estivesse louco!

E está! Ou pelo menos passa por um momento de transição, onde a mudança de valores é apenas um prenuncio de uma vida muito diferente desta que conhecemos, calcada num mundo físico e bem concreto.

Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI
Imagem via Academia de Ideias e Rarefecundo

Caminhamos ou estamos “viajando” para era da imagética, ocasião que segundo  Melinda Davis, “começamos a encarar coletivamente uma situação humana muito nova na qual a vida de cada um não se passa no universo papável e material, mas num universo do pensamento,  da imagem e da idéia. Esse fenômeno extraordinário fez com que a realidade interior passasse a ser mais premente e mais real do que a exterior  (o que antes seria uma definição bastante convencional de insanidade). A realidade em si passou a ser mental”.

Ainda segundo Davis, os avanços tecnológicos aceleram essas transformações, caso da Internet, que nos leva a desvincular do mundo físico de limites confiáveis e pontos fixos de referência para nos reunirmos em ambientes virtuais (Twitter, Orkut, MSN, Facebook). A Web leva uma massa significativa de pessoas para o espaço mental. O que não é diferente no caso da televisão ou mesmo da leitura, entre outros. Cada vez mais ficamos imersos, viajando por um mundo invisível de idéias e elétrons, que só existe e só pode ser vivido na imaginação humana – este é um mundo imagético!

Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI

Processo que começa a refletir na vida cotidiana das pessoas: ouve-se falar não mais de força física para enfrentar os obstáculos do dia a dia, mas de inteligência emocional, espírito de liderança, equilíbrio, etc. Os participantes desse mundo são intangíveis: forças poderosas, moléculas, micróbios, espíritos, campos de energia, tradições culturais, poder econômico, coragem de investidor, vírus, terroristas, fortunas virtuais que se fazem e desfazem na mesma velocidade da Web. “É um mundo cada vez mais imperativo de dados digitais bombardeando neurônios, de trabalho e inovação de conhecimento, de imagens e marcas, de uma nova visão física sobre o funcionamento do mundo, que lida com mecanismos infinitos demais ou pequenos demais para serem algo que não seja imaginado”. ( Melinda Davis)

Com este tema pretendo “viajar” em algumas viagens da mente humana, utilizando a riqueza  das imagens resultantes, como fonte de inspiração, que visa algo muito concreto – o embelezamento do corpo humano. Pois ainda acredito no equilíbrio entre corpo e alma, entre material e espiritual!

Leia também a parte 2: A nova cultura do Desejo – A beira da Loucura.

Por Denise Pitta de Almeida

Trecho do TCC, Trabalho de Conclusão de Curso, de  Denise  Pitta de Almeida na Faculdade de Moda da UNIP em 2004.

(Viagem na Era da Imagética  foi baseado no livro A Nova Cultura do Desejo de Melinda Davis, o corpo  do tema bem como demais conceitos do trabalho foram desenvolvidos através de resumos e transcrições das idéias deste livro que mais me tocaram, associadas  a pesquisas em alguns outros livros, Internet, discussões em família e minhas próprias reflexões. As ilustrações foram escolhidas de forma a inspirar cartela de cores, texturas e outros aspectos práticos da coleção para o desfile de formatura.)

Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI

Imagem via Espiritismo Comentado

Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXIViagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI
Imagem via Ulltra Downloads e Almazen

Viagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXIViagem à era da Imagética   A nova cultura do desejo, a realidade virtual e as motivações do comportamento humano no século XXI
Fractal – Imagem via aabele e Dicas de Estudos e Profissões

Leia também a parte 2: A nova cultura do Desejo – A beira da Loucura

Salvar

Salvar

DESCONTOS EXCLUSIVOS FASHION BUBBLES

Publicação: 9 de abril de 2011

AUTOR

Denise Pitta é digital Influencer e é editora do Fashion Bubbles. Estilista, formada em Moda e Artes Plásticas, atuou em diversas confecções e teve marca própria de lingeries, a Lility. Começou o blog em 2006 e está entre as primeiras blogueiras brasileiras da moda. Também desenvolve pesquisas sobre História e Identidade Brasileira na Moda e Psicologia Analítica. É apaixonada por filosofia, física quântica, psicanálise e política. Siga Denise no Instagram: @denisepitta e @fashionbubblesoficial

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
Estilista transforma noivas em princesas

Para quem achou que contos de fadas só existiam no cinema, o estilista Alfred Angelo desenvolveu uma linha de vestidos...

Fechar