A volta dos vampiros

A volta dos vampiros

 
Trevas: maquiagem e trajes vitorianos compõem o visual fantasmagórico de herdeiros de Drácula como Kizzy Ysatis, Lua e Lord A. (a partir da esq.)

Inspirados em filmes e histórias de horror,
jovens retomam o culto aos mortos-vivos
 
Por Camilo Vannuchi

As criaturas da noite estão à solta. Caminham de sobretudo, freqüentam festas góticas e nutrem especial admiração por caninos pontudos. Em pleno século XXI, sites e blogs substituem as antigas sociedades secretas e abrigam caloroso debate sobre temas tão corriqueiros quanto os perigos da luz do sol e os novos filmes de terror. Segundo o livro Vampyres: quand la réalité dépasse la fiction (Vampyros: quando a realidade ultrapassa a ficção), do francês Laurent Courau, cerca de 15 mil herdeiros de Drácula perambulam hoje pelas grandes cidades. “Amsterdã, Paris, Nova York, Veneza e New Orleans são as preferidas”, cita o autor.

 Courau pesquisou a presença de “vampyros”
no Brasil e entrevistou Lord A., 28 anos. Veterano
na cena gótica paulistana, Lord A. trabalha como
webdesigner durante o dia e, por isso, prefere
manter em sigilo seu nome de batismo. “Há

quem pense que nós fazemos rituais satânicos”, justifica ele. Segundo o webdesigner, que dá
aulas sobre vampiros em um centro místico
de São Paulo, os fãs que reproduzem o visual e os hábitos dos mortos-vivos são chamados de “vampyros”, com y. “Livros de Anne Rice, como Entrevista com o vampiro, fizeram com que o personagem deixasse de ser um monstro para se tornar um ser com paixões e dilemas existenciais”, explica Lord A. Condenado à imortalidade, o vampiro busca entender a si mesmo e também aceitar a sua condição de imortal. De maneira análoga, os vampyros da vida real sentem-se bem ao exercer sua individualidade, mesmo que de uma forma aparentemente sinistra.

A volta dos vampiros

O príncipe romeno Vlad Tepes (1431-1476) inspirou a lenda de Drácula por empalar e beber o sangue dos inimigos para intimidá-los

Há quem não se contente em ler clássicos de
horror e desfilar em trajes vitorianos. O paulista Cristiano Marinho, 29 anos, por exemplo, alongou
os próprios caninos e, apaixonado pelo assunto, adotou o pseudônimo Kizzy Ysatis, com o qual assina Clube dos imortais, seu primeiro livro. Na obra, um jovem é assombrado por um vampiro enquanto seus amigos se unem para resgatá-lo e percorrem cenários sombrios da capital paulista. Antes mesmo de ser lançado, o livro arrebatou o prêmio Rachel de Queiroz de melhor romance, concedido pela Associação Brasileira de Escritores. “Quem embarca nessa viagem se transforma. Basta colocar a capa para que os gestos se modifiquem”, diz o escritor.

Entre as moças, espartilhos, botas e rendas desempenham a mesma função. “Tenho dois armários, um para as roupas convencionais, que uso de dia, e outro para as que uso à noite”, conta a também paulista Luana Ferreira, a Lua, 22 anos, dona de uma oficina de customização de moda. “Fui atraída a esse universo pelo visual dos personagens e pelo romantismo das histórias”, diz. Desde o clássico Drácula, escrito por Bram Stocker em 1897, livros e filmes sobre o assunto não param de despertar fascínio. Recentemente, foram anunciados dois novos filmes sobre Vlad Tepes, o príncipe romeno que inspirou a lenda do Conde Drácula. A Universal adquiriu o roteiro Dracula year zero (Drácula ano zero), de Matt Sazama e Burk Sharpless, e a Sony vai adaptar o romance biográfico The historian (O historiador), de Elizabeth Kostova, com filmagens previstas para 2007. Dentro e fora das telas, os vampiros nunca morrem.

A volta dos vampiros

A ótima atuação de Max Schrek como o Nosferatu de F. W. Murnau (1922) fez muita gente achar que o ator era de fato um morto-vivo

A volta dos vampirosEm 1992, ao filmar o clássico de Bram Stocker, Francis F. Coppola lançou um inesperado Drácula romântico, vivido por Gary Oldman

Fonte: Istoé Online

Publicação: 5 de abril de 2007

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
0709495
Ué, mas em desfile de miss não tinha que ter mulher pelada??

Marlene Mattos colocou diversos bailarinos seminus com corpos pintados na gravação do Miss São Paulo, que foi transmitido pela Band....

Fechar