Diversidade garante expansão do mercado

Diversidade garante expansão do mercado
Por Mariana Perozzi
 
A diversidade étnica, econômica e cultural da sociedade brasileira, somada aos diferentes padrões de clima, informação e exigência dos consumidores, abre espaço para o surgimento de milhares de empresas (de micro-confecções a grandes indústrias de cosméticos) no país. O setor da beleza vem crescendo no Brasil, para atender a um público cada vez mais segmentado, refletindo as influências da moda, da mídia e dos movimentos sociais.

No ramo de perfumaria e cosméticos, inúmeras marcas, linhas de produtos, embalagens e preços visam suprir o gosto de cada consumidor, sendo os produtos para cabelos (crespos, lisos, ondulados, secos, oleosos, danificados etc) um exemplo. Além dos produtos étnicos, a indústria tem investido também em conceitos como bem-estar, relaxamento do corpo e contato com a natureza, por meio de óleos corporais, hidratantes etc. O desenvolvimento de produtos para retardar o envelhecimento da pele, principalmente a do rosto, também recebe forte investimento e aporte tecnológico. É um mundo de promessas, cor, jovialidade, inovação tecnológica e auto-estima.

Segundo a professora do Departamento de Economia da Universidade Federal Fluminense (UFF), Ruth Helena Dweck, os brasileiros estão entre os povos mais vaidosos do mundo, comportamento percebido pela produção brasileira da indústria de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. A preocupação com a beleza impulsiona ainda o setor de serviços, com a sofisticação dos salões e clínicas de estética e o quase desaparecimento das barbearias, afirma Ruth, que coordenou o estudo “O impacto socioeconômico da beleza – 1995 a 2004”, tornado público no início deste ano.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o setor apresentou, entre 2001 e 2005, um crescimento médio de 10,7% ao ano. No mesmo período, o PIB total brasileiro cresceu apenas 2,2% ao ano. Contribuem para essa performance a maior participação da mulher no mercado de trabalho; o interesse crescente dos homens por produtos de beleza; o aumento da expectativa de vida e a conseqüente “necessidade” de parecer jovem; os ganhos de produtividade decorrentes do uso mais intensivo de tecnologia, permitindo que os preços praticados pelo setor nos últimos cinco anos subissem menos que a inflação.

Os dados da Abihpec mostram a existência de quase 1.400 empresas fabricantes de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos em 2005. Do faturamento total, mais de 70% provêm de 15 empresas de grande porte, indicando razoável concentração.

Estima-se que, no ano passado, o setor tenha gerado mais de 2,8 milhões de oportunidades de trabalho, entre revendedoras, cabeleireiros, esteticistas e outros. “Devido à pouca qualificação exigida, o setor de serviços de beleza torna-se a grande porta de entrada para o trabalho urbano, principalmente para as mulheres, depois do trabalho doméstico. No entanto, vem crescendo o número de profissionais com nível universitário e do sexo masculino”, afirma a professora Ruth Helena Dweck. Os salários no setor continuam baixos – em média, 1,7 salários mínimos, enquanto a média nos serviços em geral é de três salários mínimos.

A professora da UFF destaca outra variável que ajuda a explicar o crescimento do setor de estética e higiene pessoal no país: o fato de a beleza ser fator de discriminação no mercado de trabalho. De acordo com os resultados de sua pesquisa, pessoas de “boa aparência” tem melhor aceitação – e, inclusive, melhor remuneração – em todos os setores da economia. “A maioria das mulheres e um percentual crescente de homens se preocupam com a aparência e compram produtos para melhorá-la. As mulheres de renda mais baixa comprometem, proporcionalmente, uma parcela maior de sua renda com cosméticos do que as mulheres de renda mais elevada”, adiciona.

Igualmente decisiva para ratificar a importância socio-econômica da beleza é a indústria da moda. Determinante das tendências de cores, estilos e padrões estéticos, a moda tem a seu favor o imaginário coletivo, um fetiche relacionado à elegância e as aspirações pessoais voltadas ao “ser belo”, conferindo aos fatores psicológicos um peso cada vez maior nas decisões de compras. 

As vitrines, por exemplo, têm função importante nessa construção psicológica. Nos shopping centers e nas butiques refinadas, as vitrines se caracterizam pela disposição de peças e acessórios na forma de conjuntos. Mais do que um produto, a loja vende um estilo, reforçado pela decoração e pela música do ambiente, cujo objetivo é aproximar o consumidor de sua privilegiada posição social. Já o grande comércio varejista distribui suas peças de roupas de forma aleatória, enquanto nos sacolões populares a vitrine muitas vezes nem existe. Predominam os produtos dispersos horizontalmente em grandes bancadas e os dispostos em araras. Ao contrário da idéia de conjunto, a desvinculação entre as peças visa desconfigurar os indicadores de uma posição social menos privilegiada.

Segundo Queila Ferraz Monteiro, professora dos cursos de moda da Faculdade Belas Artes, do Senac e da Universidade Anhembi Morumbi, aproximadamente 17.400 fábricas operam no setor têxtil brasileiro, gerando 1,2 milhões de empregos diretos. A participação é superior a 4% do PIB nacional. Para os próximos anos, a expectativa é de expansão, com a continuidade do aumento da produção de peças de vestuário.

A indústria nacional apresenta-se bastante fragmentada: cerca de 70% das empresas são de pequeno porte, tendo sua sobrevivência viabilizada por pela diversificação da demanda, com uma variada gama de tribos consumidoras de vestuário e agregados e o lançamento das coleções de moda rápida, que exigem flexibilidade na estrutura produtiva.

Leia matéria completa no site Comciência.

Diversidade garante expansão do mercado

Publicação: 26 de agosto de 2008

AUTOR

Queila Ferraz, Coordenadora Geral do Curso de Design de Moda da UNIP, foi professora da Universidade Anhembi Morumbi e dos cursos de pós-graduação de Moda do Senac. É historiadora de moda, especialista em processos tecnológicos para confecção e consultora de implantação para modelos industriais para a área de vestuário.

Veja também...

O Fashion Bubbles possui cerca de 10 mil artigos, aqui as matérias geralmente aparecem aleatoriamente, aproveite para relembrar o que foi moda em outros anos, conhecer outros artigos ou ver a evolução do próprio site que começou em 2006 como um Blog.

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
ninho02
Estética Pega-Vareta

É impressão minha ou essa estética "pega-varetas" está em toda parte??? Estádio Ninho de Pássaro, Beijing, China Peça dos Irmão...

Fechar