A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas – ID Fashion 2018

 

A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018

ID Fashion 2018 – Você sabia que o Paraná é a capital nacional da moda bebê e também do boné? E que tem produção e exportação de seda, a única das Américas? Confira um retrato completo da moda paranaense + painel de tendências WGSN para 2020 e números da indústria têxtil. Confira!

A quarta edição do ID Fashion ( @idfashionpr) apresentou nos dias 25 e 26 de setembro de 2018 a moda plural e contemporânea do Paraná.  Gratuita e aberta ao público, a programação teve palestras e bate-papos interativos, bem como números da indústria e discussões sobre a moda na atualidade.

A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018

Desfile do Vale da Seda – Foto: Créditos Inove Fotografia

Entre os destaques, o ID Talk, bate-papo interativo, com o objetivo de provocar reflexões sobre temas importantes ligados ao setor, trouxe a comunicadora e escritora, Cris Guerra ( @eucrisguerra ) que fez uma viagem biográfica por suas escolhas de moda e seus desafios com a autoestima. Mudou seu olhar sobre ela mesma, e, depois de passar por fases de consumismo compulsivo, cada vez mais percebeu o poder de se vestir de dentro para fora. Suas roupas foram um apoio para enfrentar as dificuldades da vida. Foi assim que criou o primeiro blog de looks do dia, o que acabou fazendo com que conhecesse mais seu corpo e sobre moda. O exercício de observação, segundo ela, a fez entender que não precisava engolir padrões e desejos alheios.

Já o estilista Ronaldo Silvestre ( @ronaldosilvestre13 ), que faz os próprios tecidos pela união de fitas e também com o uso de teares manuais, apresentou questionamentos sobre sustentabilidade e moda colaborativa. O trabalho do estilista, além de singular, também tem preocupação social, o que lhe rendeu o prêmio mais importante da moda sustentável. Ronaldo desenvolveu um formato de trabalho bem sucedido, transformando mulheres desempregadas e sem renda, em costureiras e empreendedoras do ramo têxtil.

A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018 A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018
Exposição do Ronaldo Silvestre que faz os próprios tecidos pela união de fitas e também usa tear manual

Macrotendências para 2020

O Luiz Arruda, diretor do WGSN, apresentou macrotendências para 2020:  ” O ano de 2020 marca o fim de uma década turbulenta e o início de outra ainda mais nebulosa, mas que promete transformações significativas e definitivas.” Pra ele, três grandes mudanças impactarão o contexto político, social e cultura dos próximos anos:

  • As novas vozes do consumidor e cada vez mais grupos historicamente silenciados terão voz. Assim como ascensão da Geração M e a queda da White America: “A identidade dos EUA está mudando. Até 2020, mais da metade dos americanos com menos de 18 anos pertencerá a minorias, e haverá mais brancos envelhecendo do que nascendo. Isso significa que, até 2040, os caucasianos serão a minoria no país. Mas não são só os EUA que presenciam uma revolução étnica: a Europa está se tornando etnicamente e racialmente mais diversa. O número de casamentos inter-raciais tem aumentado ano após ano em diversos países.”
  • A força da Internet 5G: “A forma como consumimos irá se transformar drasticamente: cada vez mais veloz, fluida e otimizada. E a experiência, mesmo que online, será mais importante que nunca. É o nascimento do M-commerce.”
  • Capitalismo Comunitário:” A economia compartilhada (sharing economy) chegou para ficar. Com uma estimativa de crescimento global de US$ 335 bilhões até 2025. É o capitalismo comunitário (crowd-based capitalism)”

O estudo do WGSN está disponível e vale a pena conferir aqui.

 A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018 A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018
Catwalk Leveza do Ser, presente deste a primeira edição do ID Fashion, está entre as mais queridas – Créditos: Gelson Bampi

Principais Polos Confeccionistas do Paraná

Luciana Bechara,  Coordenadora do Conselho do Vestuário da Federação das Indústrias, expôs um quadro com os principais polos produtores de moda no Paraná:

  • O grande destaque é a produção do fio da seda, que inclusive é a única da Américas. O Vale da Seda exporta a maior parte de sua produção e tem entre seus clientes nomes luxuosos como a Hermès que produz lenços com a seda brasileira.
  • Cianorte é muito forte em jeans.
  • Apucarana é a capital do boné. Tem a maior concentração de empresas no território nacional que fabricam boné, por exemplo, todos os bonés da Copa do mundo e das Olimpíadas realizadas no Brasil foram feitos em Apucarana e não vieram da China.
  • Terra Roxa é considerada a capital nacional da moda bebê, pois tem a maior concentração de indústrias deste segmento;
  • Curitiba se destaca por um estilo muito forte de moda autoral, com empresas menores.
A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018

Backstage da Marca Soraya da Piedade, um dos desfiles mais aplaudidos do ID Fashion!

Números da Moda Paranaense

Bechara também apresentou os números da indústria do vestuário paranaense referentes ao primeiro semestre de 2018:

Entre as indústrias têxteis e de confecção são gerados no Paraná cerca de 5 mil empregos.

No vestuário, o Paraná possui 55 mil trabalhadores, se for acrescentado o ramo têxtil  e do couro, são quase 70 mil trabalhadores. O setor do vestuário alcançou o segundo lugar em geração de empregos no estado, perdendo somente para a agropecuária. É uma cadeia muito significativa e algumas cidades dependem 80% a 90% da receita deste setor – explica Luciana –  que é o caso da Terra Roxa, a capital do bebê, onde 80% da receita do município, vem das indústrias de confecções da moda bebê.

Já em relação aos números de venda,  o vestuário do Paraná em 2018, está com percentual de 1,8 % a mais em relação ao ano passado, dados referentes somente ao primeiro semestre de 2018. Luciana Bechara, explicou ainda, que a recuperação do setor, estava indo um pouquinho melhor  e chegou a alcançar quase 3%, quando veio a greve dos caminhoneiros e a Copa do Mundo, o que ocasionou uma certa queda no vestuário.

O estado do Paraná já chegou a ter 100 mil empregos entre os setores de vestuário, couro e têxtil em 2013. Desde então teve altos e baixos, dando uma reagida no setor, pois chegou a cair para 50 mil e este ano de 2018 teve uma melhora.

A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018

Desfile Six One

 Os pilares do ID Fashion

O ID Fashion se caracteriza por ser um evento democrático: Se inscreveu? Vem participar, vem opinar!

As marcas oferecem produtos com venda para o público final. É o conceito do “See now, buy now”, isto é, vejo agora, compro agora. Inclusive é solicitado para as grifes que tragam alguns modelos da passarela para serem vendidos. Gostou? Pode sair do desfile e já comprar.

Luciana Bechara, da Federação das Indústrias, explica que objetivo do evento é a percepção da indústria, do seu produto, conversando direto com consumidor. Trazendo feedbacks para as marcas e demonstrando se é uma grife conhecida ou não, como ela  é percebida pelo seu consumidor: pelas modelagens? Pelo tecidos?

Desde a primeira edição do evento, foram desenvolvidas formas de avaliar as marcas participantes e este material é disponibilizado para a indústria. Há inclusive um coquetel com as marcas para dizer quais foram as mais queridas, as mais reconhecidas, entre outros aspectos.  Explica ela.

A quarta edição do ID Fashion teve patrocínio do Sesi Paraná, Senai Paraná, Caixa Econômica Federal e Grupo Morena Rosa.

A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018

Créditos Inove Fotografia

Living Lab & Store no ID Fashion – Espaço de exposição interativa e comercialização das coleções das marcas participantes. Uma ação que proporciona aos empresários a oportunidade de relacionamento e feedback de consumidores, formadores de opinião e de especialistas do setor.

 

O critério de seleção das marcas

Evento é feito pela Federação das Indústrias, mas é apoiado pelos 11 sindicatos patronais do vestuário. Quando as marcas são convocadas, os sindicatos regionais divulgam na região. As grifes precisam preencher um relatório, mandar uma peça, descrever o que eles pretendem mostrar na passarela e o tema da coleção.

Uma banca com profissionais da moda organizada, geralmente possui: 4 professores de moda, 4 consultores, 4 jornalistas que farão uma avaliação. Cada profissional vai pontuando as marcas em diferentes critérios, como modelagem, criatividade e outros.

As marcas que obtiveram maior pontuação são selecionadas. No máximo 20.  É uma seleção também muito democrática e por isso entra tanto marcas grandes como marcas pequenas.

Confira os desfiles em: ID Fashion 2018 – Confira o que rolou nas passarelas da moda paranaense.

A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018

A marca Transmuta, por meio do upcycling refinado, trabalha a reciclagem de tecidos, bordados e aviamentos. Upcyclig, também conhecido como reutilização criativa, é o processo de transformação de produtos indesejados ou resíduos em produtos de melhor qualidade ou com maior valor ambiental.

 

Cobertura

A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018

Jornalistas e influencers de todo o Brasil foram prestigiar o ID Fashion

Look do Dia

A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018 A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018

Denise Pitta do Fashion Bubbles apostou em look com Kimonopara o primeiro dia do ID Fashion

  A Moda Paranaense em marcas, números e polos confeccionistas   ID Fashion 2018

E perfume retro com saia godê e blusa de poá para o segundo dia

Confira os desfiles em: ID Fashion 2018 – Confira o que rolou nas passarelas da moda paranaense.

 

 

 

Publicação: 2 de outubro de 2018

AUTOR

Denise Pitta é digital Influencer e é editora do Fashion Bubbles. Estilista, formada em Moda e Artes Plásticas, atuou em diversas confecções e teve marca própria de lingeries, a Lility. Começou o blog em 2006 e está entre as primeiras blogueiras brasileiras da moda. Também desenvolve pesquisas sobre História e Identidade Brasileira na Moda e Psicologia Analítica. É apaixonada por filosofia, física quântica, psicanálise e política. Siga Denise no Instagram: @denisepitta e @fashionbubblesoficial

COMENTÁRIOS

DESCONTOS EXCLUSIVOS FASHION BUBBLES

Leia o post anterior:
Afinal, quem é a Geração Z. Confira 4 dicas para conquistá-los

Estudo da WGSN apresenta a Geração Z e suas nuances comportamentais, segmentada em dois grupos: o voltado para o individual...

Fechar