No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época – Parte 1

No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1

A música, de uma forma geral, sempre marca nossa vida de uma determinada maneira. Uma lembrança boa ou ruim, um momento, uma viagem, um acontecimento, um filme e até uma novela. E quantos de nós, os curiosos ou noveleiros de plantão, nos pegamos cantarolando aquele tema de abertura especial, uma trilha que marcou, ou mesmo pesquisando na internet um pouco mais sobre aquela banda que abre o seu folhetim favorito.

Como diz o ditado, “recordar é viver”, então o Fashion Bubbles selecionou algumas das trilhas sonoras das novelas que mais marcaram a história da televisão brasileira da década de 70 até os anos 2000.

Leia também: No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época – Parte 2

Anos 70

Dancin’ Days

Resumo: “Dancin’ Days conta a história de Júlia Matos (Sônia Braga). Acusada de atropelar e matar um guarda-noturno, a personagem é condenada a 22 anos de prisão. Depois de cumprir metade da pena, ela consegue sair em liberdade condicional. Júlia tenta de todas as formas levar uma vida normal e se livrar do estigma de ex-presidiária. O primeiro desafio da personagem é reconquistar o amor da filha, Marisa (Glória Pires). A menina foi criada pela irmã de Júlia, Yolanda Pratini (Joana Fomm), e o seu marido Horácio (José Lewgoy), um casal conhecido da alta sociedade. Mas Yolanda, com medo de perder a sobrinha, dificulta a aproximação entre mãe e filha. A rivalidade entre as duas irmãs é o tema central da trama”, segundo o Memória Globo.

Trilha sonora marcante: A abertura da novela com ‘Dancin’ Days’ de Nelson Motta e Ruban na voz das Frenéticas foi um marco nas telinhas e nas discotecas da época.

Anos 80
Plumas e Paetês

No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1


Resumo: “Osmar (Stepan Nercessian), depois de um ano morando longe da sua família, decide voltar para São Paulo com a sua noiva. Eles dão carona para a amiga Marcela (Elizabeth Savala), que está grávida e pretende começar uma vida nova na capital paulista. Na estrada, eles sofrem um acidente, e Marcela é a única sobrevivente. Ela decide assumir a identidade da amiga e começa a desfrutar do conforto que a família de Osmar lhe proporciona. A família do rapaz é comandada pela matriarca Bruna (Neuza Amaral). Ela é casada com Gustavo (José Lewgoy), um homem rico, com quem teve três filhos: Osmar, Edgar (Cláudio Marzo) e Melina (Sílvia Salgado). Na trama, o filho mais velho de Bruna, Edgar, acaba se apaixonando por Marcela. Mas a moça reencontra Renato (José Wilker), um antigo namorado, e começa a viver um triângulo amoroso, que só é resolvido no final da novela”. Leia mais no Memória Globo.

Trilha sonora marcante: O tema da personagem Marcela era a música ‘Meu Amigo, meu herói’ cantada por Zizi Possi, com destaque também para outras produções nacionais, entre elas ‘Nosso Estranho Amor’, de Marina e Caetano Veloso.

Roque Santeiro
No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: O canal

Resumo: “A trama de Roque Santeiro é desenvolvida como sátira à existência dos mitos, a necessidade de mantê-los e a fonte de renda que podem representar, sobretudo numa pequena cidade”, segundo o Memória Globo.

Trilha sonora marcante: De um modo geral, a trilha escolhida para a novela Roque Santeiro teve grande sucesso, mas em grande destaque tem a música ‘Dona’ na voz do grupo Roupa Nova e que era tema da viúva Porcina interpretada por Regina Duarte.

Vamp

No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: Rosebud é o treno!

Resumo: “Na fictícia Armação dos Anjos, cidadezinha no litoral do Rio de Janeiro, o capitão reformado da Marinha Jonas Rocha (Reginaldo Faria), viúvo e pai de seis filhos, se casa com a historiadora Carmem Maura (Joana Fomm), também viúva e mãe de seis filhos. Apaixonado, o casal vive em harmonia com sua grande família até a chegada da cantora de rock Natasha (Claudia Ohana) – para a gravação de um clip –, que acaba com o sossego de Armação dos Anjos e modifica a vida de todos os seus habitantes.

Natasha é uma vampira que conseguiu fama internacional como cantora após fazer um pacto com o líder máximo dos vampiros, o conde Vladimir Polanski, Vlad (Ney Latorraca), a quem ela agora planeja destruir para se livrar de sua maldição. A única arma que poderá ajudá-la a realizar seus planos é a Cruz de São Sebastião, que está escondida em algum lugar da cidade”, de acordo com o Memória Globo.

Trilha sonora marcante: O grande destaque é a música ‘Simpathy for the devil’ dos consagrados Rolling Stones na voz de personagem interpretada por Claudia Ohana.

Anos 90
Fera ferida
No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: Cesinha Tvnovelas

Resumo: “O enredo de Fera ferida foi inspirado no universo ficcional de Lima Barreto, mais especificamente nos romances Clara dos Anjos, Recordações do escrivão Isaías Caminha, Triste Fim de Policarpo Quaresma, Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá e em personagens dos contos Nova Califórnia e O Homem que Sabia Javanês. A história tem início quando o antigo prefeito da fictícia Tubiacanga, Feliciano Mota da Costa (Tarcísio Meira), acredita que a cidade esconde preciosas minas de ouro. Ao seu lado estavam os companheiros Major Emiliano Bentes (Lima Duarte), Professor Praxedes (Juca de Oliveira) e Numa Pompílio de Castro (Hugo Carvana). Para provar ao povo de Tubiacanga que está certo, Feliciano mostra uma enorme e brilhante pepita de ouro em plena praça pública, causando um rebuliço entre os tubiacanguenses” , leia na íntegra no Memória Globo.

Trilha sonora marcante: A novela tinha na sua abertura o sucesso de Roberto Carlos ‘Fera Ferida’ interpretada por Maria Betânia. Embora outra grande destaque da época fosse “Você é linda’ de Caetano Veloso, que era a música tema do casal Flamel (Edson Celulari) e Linda Inês (Giulia Gam).


Mulheres de areia

No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: Memoria Globo

Resumo: “A história de Mulheres de Areia se passa na fictícia Pontal D’Areia, cidade do litoral fluminense, para onde Ruth (Glória Pires) volta depois de passar algum tempo dando aulas na escola primária de uma fazenda. Ruth volta a morar com os pais, Isaura (Laura Cardoso) e Floriano (Sebastião Vasconcelos), e a irmã gêmea, Raquel (Glória Pires). Ao reencontrar Raquel, Ruth percebe que, apesar de fisicamente idênticas, suas personalidades são muito diferentes. Ruth é doce, calma e tem um bom coração. Já Raquel é egoísta, agressiva e má. Aproveitando-se da semelhança física com a irmã, Raquel planeja conquistar o namorado de Ruth, o bem-sucedido empresário Marcos Assunção (Guilherme Fontes), que se encanta com Ruth quando a conhece em Pontal D’Areia”, leia mais no Memória Globo.

Trilha sonora marcante: Rita Lee é sem dúvida um dos grandes nomes que marcaram a trilha sonora de mulheres de areia com a música “Ovelha negra”.

Quatro por quatro

No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: Memoria Globo

Resumo: “Quatro carros dirigidos por mulheres descontroladas se chocam no caótico trânsito do Rio de Janeiro. Assim se dá o encontro entre a dondoca Abigail (Betty Lago), a dona de casa Auxiliadora (Elizabeth Savala), a tímida secretária Tatiana (Cristiana Oliveira) e a manicure Babalu (Letícia Spiller). Elas acabam presas na mesma cela e bastam alguns minutos para que descubram que, naquele mesmo dia, todas haviam perdido o homem amado. Uma por todas, todas por uma, elas decidem se unir num projeto de vingança contra seus algozes, desejando a eles a mesma dor que sentiam. Os alvos são Gustavo (Marcos Paulo), Alcebíades (Tato Gabus Mendes), Fortunato (Diogo Vilela) e Raí (Marcello Novaes), par de cada uma, respectivamente”, leia mais no Memória Globo.

Trilha sonora marcante: Apesar da música da abertura ‘Picadinho de Macho’, interpretada por Sandra de Sá, nos remeter à novela, o grande destaque com certeza foi ‘Dança da Solidão’ nas vozes de Marisa Monte e Gilberto Gil, uma vez que era o tema das quatro personagens principais.

A próxima vítima

No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: Memoria Globo

Resumo: “A novela mistura uma intrigante trama policial com a história de Ana (Susana Vieira), amante de Marcelo (José Wilker) há vinte anos e com quem tem três filhos. Ana é uma mulher forte, batalhadora e dona de uma cantina italiana. Marcelo, por sua vez, é um aproveitador e mau-caráter. Ele é casado, por interesse, com uma mulher bem mais velha, a rica Francesca Ferreto (Tereza Rachel), mas vive um tórrido romance com a jovem, inescrupulosa e fogosa Isabela Ferreto (Cláudia Ohana), além de manter sua relação de anos com Ana. Sobrinha de Francesca, Isabela é noiva do rico e apaixonado Diego (Marcos Frota), que desconhece seu verdadeiro caráter”, segundo o Memória Globo.

Trilha sonora marcante: A novela em si é marcante pela sua trilha sonora, porém a música que merece certo destaque é ‘Vítima’ cantada por Rita Lee. A música intrigante e característica marcou a abertura da novela.

O rei do gado

No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: Memoria Globo

Resumo: “Dividida em duas partes, O Rei do Gado conta o conflito familiar de gerações entre os Mezenga e os Berdinazi, imigrantes italianos que fizeram fortuna no Brasil com criação de gado e plantações de café, respectivamente”, de acordo com o Memória Globo.

Trilha sonora marcante: Não é possível falar de “O rei do gado’ sem citar a clássica musica orquestrada em sua abertura, não é mesmo? Mas, uma boa referência seja ‘Admirável Gado Novo’ de Zé Ramalho.

Por Amor

No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: Memoria Globo

Resumo: “A história começa em Veneza, na Itália. Maria Eduarda (Gabriela Duarte) e sua mãe, Helena (Regina Duarte), viajam juntas, por motivos opostos: a jovem despede-se da vida de solteira, e Helena procura esquecer o fim de um namoro. Lá, elas conhecem o brilhante arquiteto Atílio (Antonio Fagundes), também brasileiro. Charmoso, galanteador, inteligente e romântico, conquista Helena de imediato.
– Enquanto isso, no Rio de Janeiro, o belo Marcelo (Fábio Assunção), filho predileto do casal Branca (Susana Vieira) e Arnaldo (Carlos Eduardo Dolabella), encanta as funcionárias da empresa onde trabalha e enlouquece a ex-namorada Laura (Viviane Pasmanter), que o persegue obsessivamente. O rapaz desperta as maiores inseguranças em sua futura esposa, Maria Eduarda, por quem é verdadeiramente apaixonado”, leia mais no Memória Globo.

Trilha sonora marcante: A abertura por si só já é um grande marco na memória de cada um, com Zizi Possi e a canção ‘Per Amore’, mas não podemos deixar de citar o clássico ‘Só você’ de Fábio Jr. O grande marco, porém fica para o tema da paixão entre Nando (Du Moscovis) e Milena (Carolina Ferraz), a música ‘Palpite’ de Vanessa Rangel.

Pecado Capital
No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: Memoria Globo

Resumo: “Remake da novela escrita por Janete Clair em 1975. A nova versão, assinada pela autora Gloria Perez, tinha novos personagens e tramas paralelas. Assim como no original, o cenário principal era o subúrbio do Rio de Janeiro, dessa vez o bairro de Marechal Hermes, mas havia também um núcleo na zona sul da cidade”, de acordo com o Memoria Globo.

Trilha sonora marcante: O tema da personagem Lucinha era ‘É preciso saber viver’, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, regravado pelos Titãs.

2000

O cravo e a rosa

No ritmo das novelas: As trilhas sonoras que marcaram época   Parte 1
Foto: Memoria Globo

Resumo: “Walcyr Carrasco estreava na TV Globo com uma comédia romântica inspirada no clássico A megera domada, de William Shakespeare. A novela se passa em São Paulo, em 1927, e narra o conflituoso romance entre o machista Petruchio (Eduardo Moscovis) e a feminista Catarina (Adriana Esteves)”, de acordo com o Memória Globo.

Trilha sonora marcante: A canção ‘Jura’ de Zeca Pagodinho foi o maior destaque de ‘O cravo e a rosa’, canção tema do casal Petruchio e Catarina.

Foto de abertura: Ego Globo

Publicação: 22 de novembro de 2010

Veja também...

O Fashion Bubbles possui cerca de 10 mil artigos, aqui as matérias geralmente aparecem aleatoriamente, aproveite para relembrar o que foi moda em outros anos, conhecer outros artigos ou ver a evolução do próprio site que começou em 2006 como um Blog.

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
IMG_5663
Olay – A marca global dos cremes mais vendidos no mundo, chegou ao Brasil em alto estilo

Com 50 anos de experiência e primeiro lugar na venda de cremes faciais nos EUA e Europa, Olay, da Procter...

Fechar