A Nova Ouro Fino

 A Nova Ouro Fino

Tem muita gente querendo virar lajeano, mas, sorry, no hay vagas! Lajeano é o novíssimo substantivo da linguagem de publicitários no Brasil. E aquele que faz parte da Laje, o “shopping de criação” no teto da Galeria Ouro Fino. O espaço recém-inaugurado tem produtora de cinema, estúdio fotográfico, agência de comunicação, galeria de stickers, gravadora, consultoria de figurino… Todos os escritórios são independentes – mas têm sintonia na linguagem para serem complementares.

Dia desses na happy hour (que ali é por volta das 21 horas), havia The Kills rolando em alto som, e parte da gataria da Laje tomava uma cervejinha jogando bilhar no hall, enquanto a designer Flavinha Soares preparava uma parede de stickers para o lançamento de sua galeria Cubículo. Outros trocavam ideias sobre um projeto, debruçados na sacada com vistão para a Rua Augusta.

A Laje é coisa nova – tem dois meses de vida -, mas já é considerada um grande acerto dos cineastas Homero Olivetto e Sérgio Cuevas, que a montaram o lugar meio que sem querer.

Na volta de uma temporada de três meses no sertão da Paraíba, Homero foi procurado por Cuevas – com quem já tinha trabalhado na extinta SFilmes – para montar uma produtora enxuta. Por indicação da designer Francisca Botelho eles acharam um imóvel de 150 metros quadrados no topo da Ouro Fino. Mas o proprietário só alugaria o espaço se eles ficassem com todo o andar do prédio construído nos anos 60. Levaram! Mas o quefazer com o resto daquelas salas micadas, destruídas? “Começamos a oferecer para conhecidos e a idéia se espalhou no boca a boca”, conta Homero, que é filho do publicitário Washington Olivetto.

A Nova Ouro Fino

Quando se chega lá, a impressão é de estar em casa de amigos – e de gente que é e está cheia de novidades. Francisca foi a primeira a instalar seu ateliê, onde está produzindo para a Barney’s de Nova York uma nova coleção ecologicamente correta de jóias, cobrindo de ouro folhas caídas das árvores de sua fazenda.

Vieram em seguida os produtores culturais Beto Lago e Chico Lowndes com o QG do Mercado Mundo Mix – que este ano chega à Espanha -, a jornalista Mónica Figueiredo, com a nova editora Salacadula, as figurinistas do Atelier 5 e as neo-estilistas ítalo-chinesas Carol e Clarisse Lu da M. Butterfly. Depois, a OLôko Records, de Biba Beujart. “Ela tem em mãos uma cantora que é uma loucura: a Lua, que tem uma voz poderosa e vai abrir o Pan. O disco é absurdo, feito com Lenine, BNegão e mais 52 músicos, e remixado por Bob Power, que faz músicas para Erykah Badu”, diz o diretor Rodrigo Pitta, da CriaLab, produtora de eventos multimídia. A interação entre os lajeanos é natural.

Eles abrem as portas para festas e produzem tudo. Para circular por lá, só by appointment. Mas a idéia é evoluir para centro cultural.

Por RG Vogue

Matéria do Mercado Competitivo.

Outras matérias interessantes dessa edição:

– AREZZO ABRIRÁ 300 LOJAS NA CHINA

-PARA ALUGAR BOLSAS DE GRIFES DE LUXO, BASTA CLICAR NO MOUSE

Publicação: 7 de agosto de 2007

Veja também...

O Fashion Bubbles possui cerca de 10 mil artigos, aqui as matérias geralmente aparecem aleatoriamente, aproveite para relembrar o que foi moda em outros anos, conhecer outros artigos ou ver a evolução do próprio site que começou em 2006 como um Blog.

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
leblon
A Oscar Freire do Rio de Janeiro

A passarela do Leblon Atores famosos, empresários poderosos, socialites, intelectuais e celebridades em geral se cruzam na Dias Ferreira, a...

Fechar