De olho no futuro

De olho no futuro
De olho no futuro
De olho no futuro
 

Grife de óculos Chilli Beans chega aos EUA. E já está à venda.

De olho no futuro
Por Christian Carvalho Cruz

O empreendedor paulista Caíto Maia é um sujeito que gosta de ir direto ao assunto. “Se tudo sair como eu planejei, volto a Campinas para ficar cuidando dos meus cachorros”,(…) o que o faz pensar em aposentadoria tão cedo (ele tem 37 anos): o primeiro ponto nos EUA da rede de lojas de óculos de sol que ele criou em 1997, a Chilli Beans.

O novo espaço, que abre as portas na terça-feira 11 e no qual foram investidos US$ 100 mil, terá apenas 40 metros quadrados – mais do que suficientes para impressionar o consumidor americano, garante Maia.

“Vamos fisgá-los pelo inusitado. Não há nada parecido com a Chilli Beans por aqui”, ele diz. “A começar pelo preço.

Nos EUA, não existe a faixa intermediária do mercado, que é onde nós atuamos, com óculos de US$ 30 a US$ 55.” Maia, que alugou uma casa em Los Angeles e estudou o varejo local nos últimos três anos, acrescenta: “Aqui, ou você compra óculos no camelô, pagando de US$ 3 a US$ 19, ou em lojas de shopping, onde os preços variam de US$ 80 a US$ 1 mil.”

De olho no futuro
  Caíto Maia, o dono: Seu plano é atrair uma grande rede varejista do Tio Sam.
De olho no futuro

Nascida em uma tábua apoiada sobre dois cavaletes em uma feira modernete de São Paulo, a Chilli Beans hoje tem 160 lojas e quiosques espalhados pelo Brasil.

São todas no sistema de franquia, um modelo diferente do adotado nos EUA, pelo menos inicialmente. A tática de Maia para o Tio Sam é ambiciosa.

Ele vai bancar mais quatro lojas próprias em Los Angeles, investindo US$ 600 mil do próprio bolso. “Com esses cinco pontos-de-venda eu me posiciono no mercado, faço o meu negócio acontecer”, acredita ele.

E depois? Depois vem aquela parte de voltar a Campinas, cuidar dos cachorros. “Aí eu vendo a master franquia para uma grande rede varejista local e saio da jogada.”

O empresário diz que não tem um comprador em vista e nem faz idéia de preço (…)

O modelo de loja criado pelo garotão brasileiro realmente chama a atenção. Em vez de óculos trancados em vitrines, balcões self-service. No lugar de produtos de marcas diversas, apenas uma marca própria — e relativamente barata.

Em vez de duas ou três coleções por ano, pequenas tiragens e óculos novos na prateleira a cada dez dias.

E no lugar de espelhos, um sistema de câmeras e monitores filma o rosto do cliente e o exibe em quatro ângulos diferentes para que ele aprecie melhor o modelo de óculos que está provando.

Segundo Bento Alcoforado, dono de uma distribuidora de acessórios ópticos e conhecedor do mercado, Maia é um visionário: “Enquanto as ópticas brasileiras tratavam óculos apenas como remédio, ele apostou no produto como item de moda e se deu bem.”

(…)

Matéria Completa Isto é Dinheiro

Publicação: 19 de julho de 2006

Veja também...

O Fashion Bubbles possui cerca de 10 mil artigos, aqui as matérias geralmente aparecem aleatoriamente, aproveite para relembrar o que foi moda em outros anos, conhecer outros artigos ou ver a evolução do próprio site que começou em 2006 como um Blog.

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
No mundo da moda, coincidências não existem…

O estilo é uma atividade da indústria da moda que extrapola as técnicas das outras áreas envolvidas. É preciso sempre...

Fechar