Logo

Maria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus florido

Compartilhe...Maria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus florido

Maria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoAo volante de um microônibus branco, a atriz Adriana Bruno já chamaria atenção nas ruas da cidade. Afinal, não é comum ver mulheres dirigindo coletivos. Com o veículo florido, decorado com cortinas e almofadas de chita, piso revestido de carpete e repleto de bolsas penduradas, Adriana causa comoção. Estacionada em pontos estratégicos da cidade de São Paulo entre Pinheiros, Vila Mariana e Aclimação, a loja Maria Berenice – nome inspirado em sua avó – funciona dentro de um ônibus.

Aos sábados, Adriana chega cedo à rua Lisboa, em Pinheiros, São Paulo, bem próximo da Praça Benedito Calixto, onde ocorre uma feira de antigüidades e artesanato. Para atrair a clientela, ela só precisa abrir a porta do ônibus e ligar o som. Adriana lembra o dia de sua estréia, quando, acanhada, encostou o veículo numa rua próxima à praça, na Cardeal Arcoverde. “Quando me dei conta, tinha uma porção de gente do lado de fora dançando, enquanto esperava para entrar no ônibus”, diz.

Em um fim-de-semana movimentado, Adriana já chegou a vender 50 bolsas. Cada uma custa R$ 50,00. O carro-chefe são as bolsas do nó. Uma sacola de pano com alças compridas que pode se transformar em tira-colo, de mão, pochete, mochila e outros modelos.

Tudo começou no ano passado, quando Adriana desligou-se de um grupo de teatro e suas contas começaram a se desequilibrar. Para piorar, estava triste por ter se afastado da profissão.

Uma amiga e uma bolsa nova mudaram o rumo da história. “Eu gostei do modelo e disse para ela que ia fazer uma igual, mas em chita”, conta. Adriana fez o molde, cortou tecido e foi para a máquina de costura. “Quando a bolsa ficou pronta, mostrei para a minha amiga que na mesma hora pediu para eu fazer uma igual para ela.”

Daí por diante, as encomendas não pararam. “Vendi bolsas para todas as minhas amigas”, diz.

Depois das primeiras peças copiadas, que fizeram tanto sucesso, ela decidiu criar um modelo próprio. A mãe, que ajudou a fazer o molde, também foi quem lhe emprestou R$ 100 para comprar tecidos e aviamentos na rua 25 de Março, no centro da cidade.

“Eu não tinha nem R$ 1,00, mas com o dinheiro da minha mãe, fiz seis bolsas que se transformaram em R$ 300,00.”

Depois de vender para as amigas, Adriana decidiu ampliar o negócio. “Imaginei uma loja, mas seria preciso investir”, diz. “O que eu ganhava, dava para pagar as contas e só.”

Foi um vendedor de pamonhas à bordo de um Fusca que lhe deu a grande idéia. Ela não tinha um Fusca – o seu havia sido roubado meses antes – mas tinha um microônibus. “Quando saí do grupo de teatro, houve uma espécie de divisão e o ônibus ficou comigo”, diz. “Fiquei eufórica com a idéia de transformar ônibus em loja.”

Antes, porém, ela tratou de se informar. Descobriu que precisava ter carteira de motorista de ônibus e obter uma licença na Prefeitura. “Não queria ser ilegal”, diz. “Não iria para a rua, se tivesse de correr do ‘rapa’.”

Sem parar de produzir, Adriana fez auto-escola e tirou carteira de motorista. Nas horas vagas, trabalhava dentro do ônibus para transformá-lo em loja. “Com a ajuda de um amigo, eu lixei, pintei, coloquei as cortinas e carpete”, lembra.

Adriana está circulando com seu ônibus há poucos meses, mas já planeja a coleção de inverno e está empenhada em novos projetos.

******

Várias pessoas já pediram o contato da Maria Berenice, seguindo um post que fizemos aqui há algum tempo.

Olha, já tentei de tudo para conseguir um contato: google, mail para um site onde também fizeram uma matéria sobre ela… e nada…

Então, se alguém souber como encontrar a dita cuja, nossos leitores adorariam!

[eddie]

****

Gente!!!!!!!!

A Sônia mandou o contato da Maria Berenice….nossa que difícil!!!!!!!

Obrigada Sonia!

  1. Contato da Maria BereniceMARIA BERENICE – LOJA MÓVEL DE BOLSAS

    Tel: (11) 8323-7538 / 3207-8061

    mariaberenice.dri@gmail.com

    cONTATO: Adriana Bruno Nunes

    Comment by Sonia — June 27, 2006 @ 10:48 am | Edit This

Compartilhe...Maria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus floridoMaria Berenice, nova grife de bolsas, roda pela cidade em ônibus florido

35 Comment

  1. Conheci o ônibus da Maria Berenice na feira da torre em Brasílçia adorei!!!! Para béns pelo trabalho, vc adriana tem muita garra, sinônimo da mulher brasileira.

  2. Oi berenice como faço para te uma bolsa desta morro muito longe mim nande os preço por e-mail.

  3. O site dela é http://www.mariaberenice.com (sem o br mesmo)

    Abraços

  4. ola . sao lindas as bolsas, gostaria de saber maria berenice se seria possivel vc me passar o molde des sua bolsa.sou iniciante estou começando a fazer sacolas e quero aperfeiçor para ajudar na renda pois estou desempregada , e a sua bolsa e bem legal pois de um modelo pode ser feito varios , moro em sao gonçcalo rj. fico muito agradecida por sua atencao , abraços e boas vendas. aguardo respostas.

  5. vc nao tem site ou fotos das bolsas pra me enviar, sou logista e estou interessada em comprar suas bolsas e carteiras

    andrhea

Your Commment

Email (will not be published)