Sonoplastia: o som, a história e a peça

121

sonoplastia

A sonoplastia é hoje o design do som, a grafia do som que age como uma sutil rubrica para o público ouvir. E as técnicas hoje são várias sendo não somente prégravadas, mas masterizadas, mixadas, e disparadas com temporizador da reprodução.

Hoje a importância dos ruídos ou das melodias é a mesma e a definição do som do espetáculo é diferente para cada diretor teatral. Muitas vezes este decide historicizar o espetáculo datando o som de acordo com a datação criada pelo texto ou pelo estilo da representação.

Mesmo que não se decida por utilizar um som colhido na história da música como paralelo para o texto e o estilo do espetáculo, não é louvável de um ponto de vista culturalista a incongruência histórica. Por exemplo: que estranho soou o trecho do oratório Messias de Händel ao final de uma Antígona. Foi um final sonoro que perdurou após fecharem-se as cortinas da boca de cena enquanto o público deixava a sala.

Você também pode gostar!

Possivelmente a expectativa da direção é de que haveria um clima de glória após o texto grego e que nada melhor do que a glória barroca. Sem historicismos, tal sonoplastia soou, felizmente, absurda somente para os ouvidos informados. A incongruência foi optada provavelmente pela eterna necessidade de um final grandioso, espécie de ascensão cristã para um momento pagão.

antigona
Apresentação do espetáculo Antígona, em São Paulo

sonoplasta

você pode gostar também