História do Dia dos Namorados: entenda a celebração no dia 12 de junho!

História do Dia dos Namorados: entenda o porquê da celebração no dia 12 de junho!

Enquanto grande parte do mundo comemora o Dia dos Namorados no chamado Dia de São Valentim (Valentine’s Day), em 14 de fevereiro, no Brasil a data é celebrada em 12 de junho. Para entender essa diferença, conheça melhor a História do Dia dos Namorados.

 

Qual é a História do Dia dos Namorados?

Cartão Postal antigo de Dia dos Namorados. Fonte: Graphics Fairy.

 

Apesar de a data ter em si um sentido bonito por celebrar o amor, no Brasil a sua história está totalmente relacionada ao mercado e ao consumo.

Afinal, a escolha pelo dia 12 de junho foi pensada pelo publicitário João Dória, pai do governador de São Paulo João Dória Jr, como forma de subir as vendas em um mês mais fraco para o comércio.

Por sua vez, os Estados Unidos, a Europa e outros lugares do mundo comemoram o Dia dos Namorados no Dia de São Valentim, em 14 de fevereiro. Porém, essa data também está marcada por elementos um tanto obscuros.

Assim, para saber mais sobre o tema, conheça a História do Dia dos Namorados.

 

 

Cartão e flores de Dia dos Namorados. Crédito: Freestocksorg. Fonte: Pexels.

 

  • Enquanto isso, siga o Fashion Bubbles no Google News! Assim, você confere nossas matérias no seu celular. Basta clicar aqui e, logo depois, na estrelinha 🌟 lá no News.

 

Qual é a origem do Dia dos Namorados no Brasil?

 

Apesar de vários países do mundo celebrarem o Dia dos Namorados no dia 14 de fevereiro, a história no Brasil é distinta. Afinal, desde o final da década de 40 que o país adotou o 12 de junho para a sua celebração.

Ao que tudo indica, foi o publicitário João Dória, proprietário da agência Standart Propaganda, que escolheu o dia parar melhorar as vendas da loja Exposição Clipper no mês de junho. A justificativa? Essa era a véspera do Dia de Santo Antônio (13 de junho), amplamente conhecido como o “santo casamenteiro”.

Acima de tudo, se reconhece Santo Antônio como casamenteiro por suas pregações religiosas, nas quais sempre destacava a relevância do amor e do matrimônio. Desse modo, após ser canonizado, a fama das suas mensagens o concedeu esse título, que ainda o caracteriza.

 

 

Slogan de propaganda do Dia dos Namorados criada por João Dória. Crédito: texto de João dória, arte de Fritz Lessin. Fonte: BBC Brasil.

 

Uma questão de mercado

 

Em outras palavras, por ser um mês de fraco volume de vendas, a data foi friamente pensada para ajudar a impulsionar o mercado. Um das grandes inspirações para essa decisão foi o sucesso na instituição do Dia das Mães.

 

Publicidade antiga do Dia dos Namorados. Fonte: Acervo Globo.

 

Bom, está claro que a decisão funcionou!

Em uma história de êxito da publicidade, o slogan da primeira propaganda do Dia dos Namorados, divulgada em junho de 1948, trazia os dizeres “Não é só com beijos que se prova o amor!”. A chamada foi muito apelativa e, ainda que após alguns anos, repercutiu como pretendido. Como resultado, a publicidade foi julgada a melhor daquele ano pela Associação Paulista de Propaganda.

Por fim, em menos de uma década a data já havia pegado e se difundido pelo país. Como se diz, a propaganda é a alma do negócio.

 

 

Origem na tradição romana e católica

 

A história do Dia dos Namorados de São Valentim está rodeada por mistério e dúvidas, já que existem ao menos três santos martirizados na Roma antiga que se identificam com o nome.

Acima de tudo, o dia de São Valentim, como se conhece hoje em dia, contêm vestígios tanto cristãos como da antiga tradição romana.

 

Ilustração do festival Lupercália de Adam Elsheimer, século XVII. Fonte: Wikimedia commons.

 

Nessa mesma época, no dia 14 de fevereiro, se celebrava a festa Lupercália. A festa, que incluía sexo, violência e embriaguez, perdurou até a consolidação do cristianismo. Entre as suas atividades estava o sacrifício de animais e uma “loteria” para juntar casais durante a execução do festival.

Já a lenda conta que o bispo Valentim, depois reconhecido como santo pela Igreja Católica, teria desafiado as ordens do imperador romano Cláudio II (213-210) que proibiam a celebração de casamentos. Antes de mais nada, ele acreditava que os soldados teriam melhor desempenho se fossem solteiros. Ou seja, a proibição tinha como objetivo fortalecer o imponente exército de Roma.

Dessa maneira, contrariando a determinação, Valentim teria continuado a celebrar casamentos em segredo. Apesar dos seus esforços, o imperador acabou por descobrir a infração, tendo, como resultado, expedido a sua ordem de prisão e morte.

 

Ilustração representando cenas da morte de São Valentim. Crédito: Hulton Archive / Getty Images. Fonte: NPR.

 

O Dia de São Valentim

 

 

Cartão de Dia dos Namorados de 1883. Crédito: L. Prang & Co. / Library of Congress. Fonte: Wikimedia commons.

 

Nesse meio tempo, na prisão, o bispo recebeu diversas flores e cartas de seus apoiadores, que diziam continuar a acreditar no amor. Tendo sido executado no dia 14 de fevereiro, a data da morte do mártir católico e aquilo que ela simbolizava serviu para cristianizar a Lupercália romana – como aconteceu com muitas outras festas, entre elas, por exemplo, a de São João!

Em sua homenagem, a data passou a enaltecer o amor e os casais de namorados. Assim, a comemoração passou a ser feita no dia 14 de fevereiro na Europa e foi exportada para os Estados Unidos no século XVII.

Seja como for, a partir de 1969 a Igreja Católica deixou de celebrar a morte de São Valentim por duvidar da sua identidade. Entretanto, apesar desse desfecho, namorados ao redor do mundo continuam a comemorar a data como o Dia dos Namorados.

 

A História do Dia dos Namorados: um sucesso de marketing

 

Rosas de Dia dos Namorados. Crédito: Monstera. Fonte: Pexels.

 

Seja no Dia de São Valentim em fevereiro ou no Dia dos Namorados em junho, a tradição para celebrar o amor nessa data é a troca de presentes, flores, bombons e cartões comemorativos com mensagens bonitas.

Em resumo, na história do marketing, o Dia dos Namorados caiu tanto no gosto popular que se consolidou como a terceira melhor data para o comércio no Brasil – afinal, apenas perde para o Natal e o Dia das Mães.

Contudo, para fugir um pouco da lógica consumista, porque não apostar em outras alternativas para celebrar o amor? Assim, que tal preparar um piquenique surpresa ao ar livre, elaborar uma comida especial, ou mesmo fazer uma compilação das fotos mais icônicas do casal?

 

Casal em um piquenique de Dia dos Namorados. Crédito: Vlada Karpovich. Fonte: Pexels.

Símbolos na História do Dia dos Namorados

 

Imagens de cupidos de Dia dos Namorados. Fonte: Graphics Fairy.

 

Estamos todos habituados com os símbolos associados ao amor e, consequentemente, ao Dia dos Namorados. Mas, você já parou para pensar em como eles viraram um símbolo dessa data?

O Cupido (versão da mitologia romana do grego Eros): filho de Vênus, deusa do amor e da beleza (Afrodite para os gregos),  o Cupido aparecia sempre com o seu arco, que usava para disparar flechas no coração tanto de homens como de deuses. Acima de tudo, ele é a personificação da paixão e das muitas formas de manifestação do amor.

As flechas do Cupido: sendo o instrumento de preferência do Cupido, as flechas representam o desejo e a capacidade da paixão e do amor poderem atingir tanto os humanos como os deuses.

O coração: sendo um símbolo metafórico do amor, o desenho de um coração próximo a como o conhecemos pode ser rastreado ao menos até o século XV, quando apareceu ilustrado em um jogo de baralho. Com um formato muito diferente do coração verdadeiro, não existe um consenso sobre o porquê da sua eleição.

Afinal, há quem diga, por exemplo, que a importância do mesmo se dá por esse ser o principal órgão do corpo humano, outros que a imagem remete a partes do corpo feminino. Seja como for, esse é sem dúvida o símbolo mais usado para expressar o amor no mundo contemporâneo.

 

Imagem de corações. Crédito: Pixabay. Fonte: Pexels.

Fontes: BBC Brasil; Aventuras na História.

Por fim, leia também: 25 casais mais amados do Brasil.

Por Mariana Boscariol

 

Amorcultura brasileiraDia de Santo AntônioDia de São ValentimDia dos NamoradosFeriadoFeriadosFestas CatólicasFestas religiosasHistória do BrasilHistória do Dia dos NamoradosJoão Doriapropagandaspropagandas históricasRomanceValentine´s Day