Cantoras do Rádio - As irmãs Batista

Cantoras do Rádio – As irmãs Batista

Quando a TV ainda não existia, a moda era ouvir as cantoras do rádio que animavam os dias e as noites. Marlene, Emilinha Borba, Dalva de Oliveira, Maysa, Dolores Duran e Elisete Cardoso, entre muitas outras, eram as rainhas que levavam a magia à imaginação dos brasileiros.

Linda e Dircinha, as irmãs Batista, foram duas cantoras que ganharam o merecido destaque durante a era do rádio. Conheça um pouco mais sobre a história dessas irmãs – a carreira precoce, o sucesso absoluto, o dinheiro, os vícios e o fim trágico.

As irmãs Batista

Dirce Grandino de Oliveira, a Dircinha Batista, nasceu em São Paulo em 1922 e subiu ao palco para cantar a primeira vez quando tinha apenas seis anos de idade. Ao lado do pai, o humorista e ventríloquo João Batista Júnior, Dircinha cantou “Morena cor de canela”, de Raul Roulien.

Com oito anos gravou seu primeiro disco, em 1930. No ano seguinte Dircinha entrou para o Programa Francisco Alves, da Rádio Cajuti. Cinco anos depois foi a vez de Linda estrear no mesmo programa. Depois disso a carreira das irmãs Batista não parou de crescer.

Há quem diga que Dircinha cantava melhor – tinha mais técnica e domínio sobre a voz. Linda Batista, entretanto, era mais popular. Chegou a ser chamada de “Maioral do Samba” e ganhou o primeiro concurso de Rainha do Rádio, promovido pela Associação Brasileira de Rádio em 1937. Tal título ela manteve por onze anos consecutivos.


Dircinha recebe a faixa de Rainha do Rádio da irmã Linda Batista e Dircinha na capa da Revista do Rádio. Fotos: Portal Luis Nassif

Viraram estrelas e foram chamadas de “patrimônio nacional” por Getúlio Vargas – que teria tido um caso amoroso com as duas em épocas diferentes. Foram campeãs de vendas de discos nas décadas de 40, 50 e início dos anos 60.

Com o sucesso, veio o dinheiro, que além de prover luxo e riqueza, também alimentou vícios perigosos, como o jogo e as bebidas. Lá pelo meio da década de 60 as irmãs Batista pararam de receber convites para cantar – a rádio Nacional estava sob intervenção militar e elas não eram escaladas pela amizade que sempre tiveram com Jango e Getúlio.

As duas não eram mais chamadas para fazer shows e precisaram gastar todo o dinheiro para cuidar da mãe com um câncer na garganta. Dircinha caiu em depressão e nunca mais saiu de casa. Linda estava doente e não comia, apenas bebia. Apenas um amigo cuidou, enquanto pôde, das irmãs Batista: José Ricardo.


Linda e Dirce Batista. Fotos: Famosos que Partiram e Portal Luis Nassif

“A cena era chocante e assustadora. No centro da sala, uma mulher gorda, o corpo coberto de feridas, os cabelos desgrenhados, dizia palavrões e ameaçava com uma espécie de borduna a todos que se aproximavam. Próximo, outra mulher, vestida com trapos, ria histericamente e dizia palavras desconexas. A um canto, encolhida e catatônica, uma terceira mulher extremamente magra permanecia calada, o olhar perdido. As três mulheres eram irmãs – e pelo menos duas tinham sido famosas: as cantoras Dircinha (63 anos) e Linda Batista (66)” – Trecho do livro “As Divas do Rádio Nacional”, de Ronaldo Conde Aguiar – Ed. Casa da Palavra.


Foto: Gol Emoção

Vídeos de Linda Batista

[http://www.youtube.com/watch?v=s0t8ssmMQVM]
Vingança – Linda Batista

[http://www.youtube.com/watch?v=mDqNvc_dAHk]
O maior samba do mundo – Linda Batista

Vídeos de Dircinha Batista

[http://www.youtube.com/watch?v=RPfiZEwEX2Y]
Minha terra tem palmeiras – Dircinha Batista

[http://www.youtube.com/watch?v=9gkW-b-njtQ]
Meio mundo – Dircinha Batista

Foto de abertura: Paralell Realities

O livro as “Divas da Rádio Nacional” é uma ótima dica de presente para quem gosta de música. O livro vem com um CD e conta a história das vozes da Era de Ouro da música brasileira. Perfeito para relembrar, conhecer ou se emocionar!

Por Samantha Mahawasala

cantoras do rádioera do rádioHistória da ArteHistória da Culturahistoria do rádiorádio