Dia Internacional da Mulher - Origem, história e o futuro do feminismo

Dia Internacional da Mulher – Origem, história e o futuro do feminismo

Se você acha que o dia 8 de Março, o Dia Internacional da Mulher, é mais uma daquelas datas comemorativas criadas pele comércio, perfeita para  flores e homenagens às mulheres, celebrando sua beleza e feminilidade, está muito enganado!

Historicamente, esse dia existe por conta da luta de mulheres por direitos, e tem sua origem em uma série de ações femininas ao longo de muitos anos.

Portanto, conheça um pouco da origem e os fatos mais marcantes deste dia consolidado com muita luta ao longo dos anos.

 

 

  • Antes, nos siga no Google News para para saber tudo sobre Moda, Beleza, Famosos, Décor e muito mais. É só clicar aqui, depois na estrelinha 🌟 lá no News.

 

Qual a origem e história do Dia Internacional da Mulher?

 

 

 

As histórias que remetem à criação do Dia Internacional da Mulher alimentam o imaginário de que a data teria surgido a partir de um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas.

Sem dúvida, o incidente ocorrido em 25 de março daquele ano marcou a trajetória das lutas feministas ao longo do século 20, mas os eventos que levaram à criação da data são bem anteriores a este acontecimento.

 

 

 

Entre os marcos que originaram o Dia Internacional da Mulher está a grande passeata das mulheres em 26 de fevereiro de 1909, em Nova York.

Naquele dia, cerca de 15 mil mulheres marcharam nas ruas da cidade por melhores condições de trabalho. Pois na época, as jornadas para elas poderiam chegar a 16h por dia, seis dias por semana e, não raro, incluíam também os domingos.

Ali teria sido celebrado pela primeira vez o “Dia Nacional da Mulher”. Ou seja, com o maior número de mulheres que trabalhavam e sustentavam seus lares, mais elas procuravam aumentar suas vozes em busca de direitos.

Enquanto isso, na Europa também crescia o movimento nas fábricas. Em agosto de 1910, a alemã Clara Zetkin propôs em reunião da Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas a criação de uma jornada de manifestações.

 

 

Por que 08 de março?

 

 

Mas você sabe porque o dia 8 de março acabou sendo o Dia Internacional da Mulher? Bem, isso faz parte do que chamamos História das Mulheres. Então, vamos entender isso melhor?

Pois com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) eclodiram ainda mais protestos em todo o mundo.

Mas foi em 8 de março de 1917 (23 de fevereiro no calendário Juliano, adotado pela Rússia até então), quando aproximadamente 90 mil operárias manifestaram-se contra o Czar Nicolau II.

Elas lutavam contra as más condições de trabalho, a fome e a participação russa na guerra – em um protesto conhecido como “Pão e Paz”.  Assim, essa data se tornou mais tarde o marco do Dia Internacional da Mulher, em 1921.

Ou seja, apesar de agora muita gente associar a data a um momento de comprar chocolates, flores e presentes femininos, esta data não foi criada pelo comércio.

O Dia Internacional da Mulher já era celebrado desde o início do século 20. E se hoje a data é lembrada como um pedido de igualdade de gênero e com protestos ao redor do mundo, no passado nasceu principalmente através da luta por melhores condições de trabalho.

Ou seja, as mulheres começaram a sentir que poderiam ter voz ativa, a partir de quando começaram a ganhar seu próprio dinheiro. Mas não se engane, as mulheres sempre trabalharam fora de casa.

Porém somente no século XX começou a haver uma organização feminina dessa forma, pensando como iguais em busca de direitos.

 

 

 

Mulheres trabalham na linha de produção da fábrica de armamentos Brewery Road Works, em 1916, na Inglaterra. Via G1

Fonte: G1

 

Oficialização da data

 

 

Você sabia que somente em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres?

Sim! Somente no final da Segunda Guerra Mundial e quase na metade do século XX. Pois somente com o início da organização feminina e da pressão que as mulheres começaram a fazer, as coisas começaram a mudar, mesmo em termos de moda e cidadania feminina.

E isso foi possível pela grande representatividade feminina nos campos de trabalho durante a Segunda Guerra. Os homens foram para a frente de batalha, as mulheres para os postos de trabalho.

Inclusive, aquela famosa imagem da mulher com um lenço no cabelo e mostrando o braço em sinal de força, vem dessa época. Você sabia? Bem interessante!

 

 

Fonte: Pinterest

 

 

E mais tarde, nos anos 1960, o movimento feminista ganhou corpo.  Então, em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher, e em 1977 o “8 de março” se torna oficial pelas Nações Unidas.

Porém o objetivo de oficializar esta data não é somente a homenagem e a comemoração. Pois todo ano ocorrem diversas reuniões e debates onde as pessoas discutem os papéis das mulheres na sociedade.

Assim, são pensadas maneiras de acabar com o preconceito, a violência, o desprestígio e a desvalorização, também são pautas desses encontros realizados em diversos países pelo mundo inteiro.

 

 

Nos anos 1960, o movimento feminista ganhou corpo

  

Perceba a moda como vai mudando ao longo dos anos

 

 

Conquistas das Mulheres Brasileiras 

 

Então, podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira.

Pois nesta data se tornou lei o voto feminino. Assim a mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.

 

 

 

 

Marcos das Conquistas das Mulheres na História 

 

 

  • 1788 – o político e filósofo francês Condorcet reivindica direitos de participação política, emprego e educação para as mulheres.
  • 1840 – Lucrécia Mott luta pela igualdade de direitos para mulheres e negros dos Estados Unidos.
  • 1859 – surge na Rússia, na cidade de São Petersburgo, um movimento de luta pelos direitos das mulheres.
  • 1862 – durante as eleições municipais, as mulheres podem votar pela primeira vez na Suécia.
  • 1865 – na Alemanha, Louise Otto, cria a Associação Geral das Mulheres Alemãs.
  • 1866 – No Reino Unido, o economista John S. Mill escreve exigindo o direito de voto para as mulheres inglesas
  • 1869 – é criada nos Estados Unidos a Associação Nacional para o Sufrágio das Mulheres
  • 1870 – Na França, as mulheres passam a ter acesso aos cursos de Medicina.
  • 1874 – criada no Japão a primeira escola normal para moças
  • 1878 – criada na Rússia uma Universidade Feminina
  • 1901 – o deputado francês René Viviani defende o direito de voto das mulheres

Via Prefeitura de Itacaré

 

 

O Futuro do Feminismo

 

 

 

 

Assim, mesmo com a aprovação de leis que as defendam ou avanços no mercado de trabalho, a posição da mulher brasileira ainda é ambígua. Pois ainda há feminicídio, piores condições de emprego, violência, estupro ainda são uma realidade.

As mulheres lutam, o Dia Internacional da Mulher é para lembrar disso. Fazem questionamentos sobre seu lugar e papel na sociedade.

Elas se organizam em grupos sejam feministas ou para buscar o sagrado feminino. Vão a seminários e continuam lutando, não apenas por seus direitos, mas também por uma sociedade mais justa no que se refere à natureza, às minorias…

E em contrapartida, como está o homem? O que anda fazendo para atualizar seus valores?

Pois muitas vezes presos em armadilhas machistas, eles se perdem em toda essa gama de transformações. Por exemplo, depressão, suicídio e o aumento do assassinato e de violência contra mulheres são sintomas de que o modelo de virilidade entrou em falência.

Assim, para a francesa Olivia Gazalé, o futuro do feminismo depende da reinvenção da masculinidade. Então, deve-se repensar e atualizar o papel do masculino na sociedade.

Mas quais modelos estão sendo sugeridos e construídos para esse homem? E eles também precisarão de apoio e reflexão para encontrar seu lugar nessa nova ordem.

Então, grupos e discussões que tratem deste contexto podem pensar e buscar respostas a estas grandes questões sobre a virilidade. E cada vez mais se fala sobre masculinidade tóxica, e como ela se desenvolveu na sociedade.
Para finalizar, lembramos do que dizia Foucault: sempre que existir repressão haverá algum tipo de resistência.

 

 

 

E veja também: Semana da mulher: 5 Livros de moda e comportamento, de autoria feminina, que valem a pena ter na estante

comportamento femininoDia das mulheresDia Internacional da MulherFeminismofotos história da modaHistória da ModaMulheresReflexões & Comportamento