Síndrome de Estocolmo: por que amamos nossos algozes?

O que é a Síndrome de Estocolmo em termos simples? Qual é a história deste termo? Quais são as causas?

- Continue depois da Publicidade -

A Síndrome de Estocolmo é um fenômeno psicológico em que a vítima começa a sentir simpatia por seu agressor, tirano, estuprador.

Até recentemente, essa síndrome era considerada apenas no contexto do surgimento de emoções positivas entre os reféns em relação a seus captores. Mas hoje esse termo também se aplica a situações cotidianas, relações entre um homem e uma mulher.

Na maioria das vezes, o papel da vítima em um relacionamento é desempenhado por uma mulher, embora não em 100% dos casos.

Mas o que é a Síndrome de Estocolmo em termos simples? Qual é a história deste termo? Quais são as causas da Síndrome de Estocolmo? O que é a Síndrome de Estocolmo no nível familiar?

Neste artigo encontraremos respostas a essas perguntas e, a partir de exemplos da vida, analisaremos esse fenômeno psicológico!

- Continue depois da Publicidade -

Síndrome de Estocolmo: o que é em termos simples?

ilustração mulher refém chorando
Foto: Freepik

- Continue depois da Publicidade -

A síndrome de Estocolmo é baseada no princípio das relações de dependência. Desse modo, a essência da síndrome é que a vítima começa a sentir simpatia, sente dependência emocional e psicológica, protege seu tirano aos olhos de outras pessoas.

Então simplificando, é uma mudança de ódio e medo por simpatia, compreensão, simpatia e amor.

A compreensão moderna do fenômeno da síndrome de Estocolmo é muito mais ampla e mais complexa.

- Continue depois da Publicidade -

“A Síndrome de Estocolmo não é uma síndrome propriamente dita, nem uma doença ou transtorno mental no sentido usual da palavra. Esta é uma variante da defesa psicológica, ou estratégia de enfrentamento para lidar com o estresse excessivo que se desenvolve em uma situação traumática.”

A síndrome de Estocolmo tem aspectos característicos. Eles podem se manifestar em violência física e psicológica:

  • A vítima tenta justificar seu algoz.
  • Ela o protege de todas as maneiras possíveis.
  • Não está totalmente ciente do que está acontecendo e como isso parece aos olhos dos outros.
  • Convence quem está tentando ajudar de que não conhece o quadro completo e que de fato tudo está em ordem.
  • Às vezes, esconde os traços de espancamentos e tortura.

Onde ocorre a Síndrome de Estocolmo?

A síndrome de Estocolmo pode ser observada nas seguintes áreas da atividade humana:

  • Relações familiares e vida cotidiana;
  • Relações políticas;
  • Relação estudante/professor.

O primeiro exemplo é provavelmente o mais difundido. Principalmente a versão padrão, quando o marido bate na mulher, e ela perdoa tudo e ao mesmo tempo o justifica.

Assim, além das áreas indicadas onde a síndrome se manifesta, ela ainda pode ser encontrada na religião, em alguns rituais e até no terrorismo.

Relacionamento entre marido e mulher

mulher agredida
Foto: violência doméstica

Infelizmente, quase todos sabem de um caso, no qual o marido levanta a mão contra a esposa (menos frequentemente a esposa contra o marido). E mesmo apesar de todas essas surras e bullying moral, as mulheres permanecem em um relacionamento com o agressor.

As mulheres justificam sua decisão pelo fato de:

  • Não quererem deixar seus filhos sem pai;
  • Não podem ir embora porque não têm para onde ir;
  • Dependem financeiramente do agressor.

As mulheres não repelem o agressor, não chamam a polícia (mesmo que estejam gravemente feridas), protegem os maridos inventando histórias “Andei, caí, fiquei com o olho roxo”, etc.

Relacionamento entre pais e filhos

criança agredida
Foto: Freepik

É o que acontece quando um pai humilha e insulta publicamente um filho, em casa o insulta e se perguntarem a criança se ela ama seu agressor, ela responderá que sim com segurança.

Mas via de regra, as crianças com síndrome de Estocolmo nunca reclamam dos pais abusivos, elas também justificam suas ações e procuram as causas dos problemas em si mesmas.

Síndrome de Estocolmo na área corporativa

Esta forma de dependência psicológica aparece na relação entre os patrões, a alta administração e os trabalhadores comuns, subordinados.

Mas nesse caso, a síndrome de Estocolmo se manifesta como um sentimento constante de culpa de um funcionário comum diante de seus superiores: pouco fez, não cumpriu o prazo e etc.

As principais causas da síndrome de Estocolmo

Por que existe uma relação entre o agressor e a vítima? O fato é que eles ficam sozinhos por um longo tempo, então suas conversas se tornam mais francas, abertas e emocionantes com o tempo.

O refém e o agressor de repente começam a perceber que têm interesses comuns: tanto o agressor quanto sua vítima assistiram ao mesmo filme, preferem um gênero musical específico, têm uma visão de mundo semelhante, já estiveram nos mesmos lugares, etc.

Ao comunicar-se com o agressor, a vítima repentinamente começa a entender por que ele age dessa forma e não de outra forma, mostra sincera simpatia pelo agressor e concorda com as suas convicções.

  • Veja também: Insônia: sexo como remédio eficaz para a insônia? Estudo confirma!

Fatores que contribuem para o desenvolvimento da síndrome

casal sentado
Foto: Freepik
  • Suprimir as emoções dos reféns vendando os olhos, amordaçando ou trocando de guarda com frequência.
  • A ausência de crueldade, intimidação, coerção contribui para o surgimento de sentimentos calorosos.
  • Barreira do idioma – a falta de comunicação verbal torna difícil formar simpatia mútua.
  • A sociabilidade do refém, sua abertura à comunicação e o contato possibilitam a mudança do comportamento do invasor.
  • Diferentes tendências religiosas e valores culturais das partes podem influenciar o desenvolvimento da síndrome de diferentes maneiras – para oprimir ou estimular mudanças correspondentes no comportamento da vítima, justificando a crueldade do agressor.
  • A síndrome se desenvolve após 3-4 dias a partir do momento das ações ativas do agressor. Assim, durante esse tempo, a vítima reconhece o agressor, começa a entender os motivos da violência e a justificar as travessuras do tirano.

Uma vítima da síndrome de Estocolmo pode ser ajudada?

Você também pode gostar!

Não só é possível, mas também necessário! Aqui estão algumas dicas para ajudá-lo a tirar alguém com Síndrome de Estocolmo de um relacionamento doloroso e viciante.

Psicoterapia como tratamento

Pacientes com síndrome de Estocolmo são indicados para psicoterapia. Desse modo, a psicoterapia visa o retorno do indivíduo ao bem-estar interior, ao alcance de metas e à eliminação do desânimo e da ansiedade, no uso efetivo de suas capacidades.

Assim, os psicoterapeutas identificam as peculiaridades do psiquismo e do comportamento das pessoas com essa síndrome. Eles lhes ensinam novas ações e maneiras de tomar decisões.

Os métodos psicoterapêuticos corrigem desvios emocionais e comportamentais, otimizam a situação atual, ajudam a superar a depressão e o medo. Em resumo, estas são as principais áreas de trabalho de um psicoterapeuta com uma pessoa que sofre de síndrome de Estocolmo.

  • Veja também: Ansiedade: 5 alimentos que causam ansiedade

Ouça, mas não julgue

Para que a vítima de um abuso seja capaz de ativar o pensamento racional e perceber sua posição, ela precisa se livrar das emoções negativas acumuladas, contar com honestidade e sinceridade suas experiências a um ouvinte atento e sensível.

Síndrome de Estocolmo: a história de um fenômeno psicológico

homem fazendo mulher de refém
Foto: Freepik

A primeira pessoa a notar esse fenômeno único foi o famoso psiquiatra Nils Beyerut. Assim, foi ele quem foi convidado para controlar as negociações quando, em 1973, Jan-Erik Olsson invadiu um banco e fez como reféns quatro pessoas: três mulheres e um homem.

Uma pequena agência “Creditbanken” em uma das ruas tranquilas de Estocolmo instantaneamente se transformou em um centro de hostilidades. De toda a cidade, não só a polícia inteira chegou, mas todos os jornalistas, e o silencioso perdedor Jan-Erik Olsson instantaneamente se tornou o principal criminoso do país.

Em primeiro lugar, exigiu que seu amigo Clark Oloffson, que naquele momento cumpria pena na prisão, fosse entregue imediatamente no banco. Este requisito foi cumprido, após o que começou um cerco de vários dias à agência do banco.

De vez em quando, jornalistas e policiais entravam em contato com os criminosos e suas vítimas.

Jan-Erik Olsson
Foto: Daily News

Poucas horas depois, ficou claro que algo estranho estava acontecendo no depósito de dinheiro, onde os ladrões e reféns haviam se barricado.

Nem nas fotos nem por telefone as vítimas mostraram o menor medo dos homens armados, mas com lágrimas imploraram à polícia para não lançar um ataque a gás e não tomar o prédio de assalto, porque neste caso morreriam definitivamente.

Assim, após vários dias de cerco, a polícia ainda atacou o prédio do banco. Os criminosos imediatamente libertaram os reféns e se entregaram à polícia.

  • Confira também: Esquizofrenia: jamais negligencie os sinais e o tratamento

Todos os reféns se recusaram a testemunhar contra Olsson e Oloffson

O mais interessante começou depois desses eventos: todos os reféns se recusaram a testemunhar contra Olsson e Oloffson no tribunal e (de acordo com relatos não confirmados) pagaram advogados para eles.

Esse caso teria continuado a ser um incidente engraçado na história da criminologia e da psicologia, descrito em apenas alguns artigos científicos, se tais histórias não tivessem acontecido em todo o mundo.

  • Siga o Fashion Bubbles no Google News para poder acompanhar tudo sobre saúde direto no seu smartphone. É só clicar aqui, depois na estrelinha 🌟 lá no News.

Síndrome de Estocolmo – Exemplos

Embora a Síndrome de Estocolmo receba o nome do infame assalto a banco em 1973 na Suécia, eventos semelhantes já ocorreram antes.

Mary McElroy (1933)

Nas quatro décadas anteriores ao assalto a banco em Norrmalmstorg, quatro homens sequestraram Mary McElroy (Mary McElroy). Os sequestradores a libertaram depois de receber o resgate de $ 30.000 que exigiram.

Embora Mary McElroy concordasse que seus captores deveriam ser punidos, ela simpatizou com eles e até os visitou na prisão.

Patty Hirst (1974)

Em 1974, os terroristas políticos do Exército Simbionista de Libertação sequestraram a neta de um bilionário, Patty Hirst, de 19 anos.

Por 57 dias, a menina ficou em um quarto de 2 metros por 63 centímetros. Ela passou os primeiros dias amordaçada, vendada, abusada física e sexualmente.

Os conspiradores planejaram trocá-la por dois prisioneiros de seu grupo, mas esse plano falhou e Patty ficou com eles. A menina não só não buscou se libertar, mas também integrou o grupo, participando de invasões e assaltos a bancos. Ela estava apaixonada por um dos terroristas.

Natasha Kampusch (1998)

Em 1998, Natasha Kampusch, de 10 anos, foi raptada em Viena. Por 8 anos ela foi mantida presa pelo maníaco Wolfgang Priklopil.

Todo esse tempo, a garota estava em um porão à prova de som. Ela só conseguiu voltar para casa em 2006. Mas a garota falou de seu sequestrador com simpatia, alegando que ele a mimava mais do que seus pais. Acontece que, quando criança, ela não tinha amigos, seus pais se divorciaram e ela se sentia sozinha.

Conclusão

A Síndrome de Estocolmo é uma reação psicológica rara ao cativeiro e, em alguns casos, ao abuso.

Sentimentos de medo, horror e raiva em relação a um invasor ou abusador podem parecer mais realistas para a maioria das pessoas. No entanto, em situações extremas, uma pessoa pode desenvolver sentimentos positivos em relação ao sequestrador como um mecanismo de enfrentamento quando sente que seu bem-estar físico e mental está em jogo.

Embora a Síndrome de Estocolmo não seja oficialmente reconhecida por especialistas como um transtorno mental, pessoas abusadas, traficadas ou sequestradas podem vivenciá-la.

Pessoas com Síndrome de Estocolmo podem apresentar sintomas de ansiedade e depressão.

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

“Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda.” Tudo bem Mais detalhes