Pelo direito de não usar salto alto

Pelo direito de não usar salto alto

O meu papel como consultora de estilo vai muito além de ensinar as regrinhas e tudo que pode ou não pode para as minhas clientes.

É claro que tem aquelas que gostam de seguir regras para se sentirem mais seguras (nem que sejam as minhas regras, já que esse trabalho me dá um status de “juíza”). Existem eventos e situações onde respeitar as regras é importante, mas na maioria deles, não é necessário tanta preocupação com o que vestir. Exemplo: Você precisa obedecer o dress code da empresa onde trabalha, mas pode usar o que quiser para ir ao shopping com as suas amigas, ou no jantar de família na casa do seu namorado.

Nesse final de semana vimos atrizes como a Julia Roberts e a Kristen Stewart chegarem descalças ao Festival de Cannes, em protesto ao fato de algumas convidadas que assistiriam ao filme “Carol” terem sido barradas na edição do ano passado por não estarem usando salto alto.

Pelo direito de não usar salto alto

Essa questão não é tão simples quanto a gente pensa, pois como se trata de uma festa de gala, existe toda uma regra de vestimenta por trás disso, mas não podemos negar que podemos estar tão elegantes usando sapatilha e rasteirinha quanto em cima de saltos altíssimos e nada confortáveis. Já estamos vendo exemplos disso no tapete vermelho do Oscar, que segue o mesmo dress code e é ainda mais tradicional. Ao mesmo tempo, vimos a figurinista Jenny Beavan deixar de ser aplaudida por muitos ao receber o prêmio de melhor figurino pelo longa Mad Max e estar usando jaqueta de couro sintética ao invés de um vestido longo, item esperado em eventos Black Tie.

Pelo direito de não usar salto alto

Também essa semana vimos o caso da Nicola Gavins, que denunciou a empresa onde trabalha, no Canadá, por forçar as funcionárias a usarem salto alto, e por ter visto uma amiga perder uma unha durante o expediente e ainda assim não poder trocar o sapato por uma sapatilha, tendo que trabalhar com os pés sangrando.

Pelo direito de não usar salto alto

A verdade é que quanto mais a gente se afasta da regra, mais a gente se aproxima da nossa essência e do que é importante para gente. Eu tenho 1,56m e não uso salto alto em 98,9% dos casos, e quando uso, a minha opção é sempre por saltos mais grossos ou por Anabela, pelo conforto que me proporciona. E num mundo onde a gente está cada vez mais questionando o que é realmente importante, fica aqui o meu pedido por regras menos rígidas onde elas não precisem ser. Afinal, a gente pode estar elegante e confortável ao mesmo tempo sim!

Gostou? Curta nossa página no Instagram: @fashionbubblesoficial

Por Priscila Citera

(Priscila Citera é consultora de estilo e Psicóloga e usa seus conhecimentos para unir duas paixões (Moda e Pessoas) e empoderar as mulheres, incentivando o autoconhecimento e falando de como se pode usar a forma como se veste a favor da autoestima!)

[email protected]

Pelo direito de não usar salto alto

 

Publicação: 17 de maio de 2016

AUTOR

Denise Pitta é digital Influencer e é editora do Fashion Bubbles. Estilista, formada em Moda e Artes Plásticas, atuou em diversas confecções e teve marca própria de lingeries, a Lility. Começou o blog em 2006 e está entre as primeiras blogueiras brasileiras da moda. Também desenvolve pesquisas sobre História e Identidade Brasileira na Moda e Psicologia Analítica. É apaixonada por filosofia, física quântica, psicanálise e política. Siga Denise no Instagram: @denisepitta e @fashionbubblesoficial

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
Óculos de grau fashion – Para ver e ser visto melhor

Se antes os óculos de grau eram trocados pelas lentes de contato ou usados somente quando ninguém estava vendo, hoje...

Fechar