Logo

Reflexões sobre o certo, o errado e o enigma

Compartilhe...Reflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigma

Reflexões sobre o certo, o errado e o enigma

Recebi um email com uma pergunta simples e muito objetiva:
–  É errado beijar um e transar com outro?

Suzana tem dezessete anos e me parece que sua pergunta traz um pedido de autorização.

Tanto o errado quanto o certo são apenas pontos de vista. E sempre fazemos o que fazemos porque dentro do nosso contexto, parece o certo. Só descobrimos que é errado quando o resultado não nos foi favorável. Ninguém de “saída” faz errado de propósito, temos sempre nossas próprias justificativas para agir como agimos.

A dúvida de Suzana é fantástica porque o que parece simples demais, na verdade traz um perturbador embate moral: “sou ou não sou uma garota fácil?”, “O que vão pensar de mim?”. A cada embate, uma resposta vem de encontro com aquilo que queremos, como: “Ninguém tem nada a ver com o que faço da minha vida” ou “Sou eu quem pago minhas contas.”, etc.  No fim, estes confrontos internos de respostas positivas e negativas convergem para o que desejamos mais intimamente.

Reflexões sobre o certo, o errado e o enigma

Entretanto, a dúvida de Suzana é uma questão de entendimento do dilema. Por que alguém faria algo com um, e outra coisa com outro? Simples. Nenhum dos dois é realmente importante para ela, não o suficiente… Assim fazer parte com um, parte com outro parece complementar uma deficiência.

A coisa começa a se complicar se pensarmos em qual das partes está realmente deficiente. Alguém completo não olha para o lado, não se interessa por outro alguém a todo o momento, não se anima com uma cantada barata, simplesmente porque se está completo!

Não há como preencher o vazio se a mudança não partir daquele que está à procura. Não tem como encontrar fora o que está faltando dentro de si. Toda vez que nos afastamos de nós mesmos, na esperança de encontrar no outro o que nos falta, encontramos sempre alguém tão alquebrado quanto nós. A parte boa é que o inverso também é verdadeiro.

Com isso Suzana, pontuar o certo ou errado na sua questão vai refletir apenas o que está dentro de cada um. Haverá pessoas que compartilham com você o “sim” e outras que completamente reprimidas farão o sinal da cruz, como vê é apenas um ponto de vista. Entender o enigma é a verdadeira saída.

Reflexões sobre o certo, o errado e o enigma

Por Vinícius Moura

Compartilhe...Reflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigmaReflexões sobre o certo, o errado e o enigma

Vinicius é empresário do setor de auto-peças.

3 Comment

  1. essa garota de 16 anos caiu na armadilha milenar.
    a ideia de que é pra grudar em um até o inferno congelar.
    garota:
    teu real marido é o dinheiro.
    trata de aprender a ganha-lo.
    e depois que vc estiver cheia de dinheiro,
    namora TODOS os que vc quiser.

  2. Olá Vínicius, caí de paraquedas no site fashionburbles e li seu texto: ‘Reflexões sobre o certo e o errado.’
    É interessante, todos temos dilemos, mas os dilema amorosos sempre pesam mais. E nós somos os únicos seres capazes de expressar e conhecer o amor em todas as suas formas, porém, ainda é muito difícil sê-lo e fazê-lo.

    O fato de estar completo e encontrar alguém completo foi o que me chamou atenção. Hoje falava com uma pessoa sobre nossos fracassos emocionais, e ela perguntou porque algumas pessoas insistem em relações destinadas ao fracasso. Sabe aquelas que se definham diariamente, onde ambas as partes sofrem… colapso total? É disso que estavámos palavreando, e o ‘X’ da questão é esse, é como em Comer, Rezar e amar – você precisa estar alheio de tudo, e mergulhar dentro de si, conseguir se amar, e se conhcer para então ser feliz com outra pessoa. A questão de estar completo.
    Nos corrompemos diariamente por outros e perdemos nossa essência, o que nos tornaria verdadeiramente completos…

    E quanto ao dilema, de fato o que é certo pra mim, pode ser o errado pra você.
    Mas a questão da mocinha é: o que a sociedade vai dizer? como irão me encarar? E principalmente – os homens, se eu sair de primeira com o cara e tiver uma relação, casual, qual será meu rótulo? Fácil, promíscua?

    Esses meandros das relações são bem delicados, mas porque hoje ainda temos essa repulsa? Porque os homens tem mais liberdade?

    Não é que eu seja feminista, mas todos os homens com quem falei sobre isso foram extremamente machistas, e se não houvesse esse embate social-tradicional como seriam as coisas?

    • Olá Aninha

      Obrigado pela sua resposta e pela sua leitura.

      Os dilemas pessoais vão nos acompanhar a vida inteirinha.
      Quando estamos sozinhos, estamos infelizes,
      quando estamos acompanhados parece que era melhor estarmos sozinhos.

      Oh! mundo cruel! rsrs

      Mas, porque é que eu nao consigo ficar sozinho e nem acompanhado?
      Pq tanto uma coisa quanto a outra incomoda tanto?
      A resposta (se possível) é um assunto fantástico.

      Sobre o rótulo de fácil, promiscua, etc (num relacionamento casual)
      estamos numa sociedade em constante e rapida mudança,
      Até aqui, os homens são garanhoes, mulheres com a mesma política (ainda) são vadias.

      O fato é que estamos contagiados pelo sentimento machista,e esta ainda é nossa sociedade.
      Como se resolve isso? como se muda isso?
      A resposta é a mesma para a pergunta sozinho/acompanhado.
      Dificil, né?

Your Commment

Email (will not be published)