A História das Drag Queens – Parte 1

A História das Drag Queens – Parte 1

Atualmente é possível dizer que as drag queens são tão populares que quase beiram o mainstream. Elas estão nos teatros, no cinema, em festas e nas redes sociais, que o diga o brasileiro Pabblo Vittar, que vem se tornando um fenômeno e atualmente é a drag queen com maior número de seguidores nas redes sociais.

Quem popularizou ainda mais a arte, até mesmo para os leigos, foi RuPaul, com seu reality RuPaul’s Drag Race. Entretanto, poucos sabem como eram as drag queens antes dessa explosão de popularidade. Agora que tal conhecer um pouco mais da história das drags?

Saiba mais sobre este fenômeno em Reflexões sobre a Cultura TRANS, o Movimento Transexual e seu impacto na sociedade.

A História das Drag Queens – Parte 1

RuPaul e Pabblo Vittar vem popularizando a arte das drag queens e alcançando seu espaço na mídia e fora dela

A História das Drag Queens – Parte 1

A História das Drag Queens

A origem do termo “drag queen” é nebulosa, mas muitos acreditam que surgiu em meados de 1800 como uma forma depreciativa de designar os homossexuais. Nesse mesmo século surge Madam Pattrini, drag performática de Brigham Morris Young. Dizem os boatos que ele cantava tão bem, que muitas audiências nem sabiam que era um homem.

Mais tarde, ainda no século 19, o termo “drag queen” ganhou um significado mais específico, designando qualquer homem que se vestisse de mulher com propósitos teatrais. Ainda nessa época, um choque para a sociedade londrina: Frederick Park e Ernest Boulton começam a sair de casa como Fanny e Stella. Eles foram os primeiros homens a sair na rua vestidos de mulher – uma ousadia tão grande que a polícia abriu uma investigação minuciosa, do tipo que era feita apenas para criminosos extremos.

A História das Drag Queens – Parte 1

Homens vestidos de mulher no século 19

Com mais homens andando pelas ruas vestidos de mulheres, como não existia nenhuma lei que proibisse o cross-dressing, homens travestidos eram normalmente presos pelo “abominável crime de sodomia” ou mesmo por prostituição.

Por volta de 1880, homens vestidos de mulheres eram perfeitamente aceitos no ambiente teatral. Aliás, era muito mais respeitável um homem viver uma mulher em palco do que uma mulher de fato seguir a carreira de atriz.

Já na virada para o século 20 a performance drag virou um fenômeno próprio no teatro de variedades. Um nome que se destaca é Julian Eltinge, que brilhou na Broadway como comediante, mas foi nos teatros pequenos que ganhou seu público cativo com suas apresentações de drag. Na Europa, quem ganhava a cena era Florin, performer de Paris, onde a cena drag também conquistava seu espaço.

A História das Drag Queens – Parte 1Homens vestidos de mulher – e mulher vestida de homem – no século 19

Nessa época, um homem vestido de mulher era uma brincadeira bastante popular e não era associada à preferência sexual. Em 1920, entretanto, a arte começa a ficar mais alinhada com a comunidade LGBT, principalmente por conta dos “drag balls”, que eram festas gigantes nas quais a maioria dos homens ia vestida de mulher. Ao longo da década esses eventos ganharam mais e mais atenção, iniciando um período chamado “Pansy Craze”.

No final da década de 20, por volta de 1927, o movimento Pansy Craze já havia se instalado em Nova York, Paris, Londres e Berlim. Nesse período era possível ver shows como o de Vander Clyde, ou “Barbette”, seu nome artístico. Ele viajou pelos EUA e pela Europa com sua incrível performance aérea, na qual ele desafiava a morte no trapézio vestido de drag. Ao final de seu show, Barbette tirava a peruca e fazia poses masculinas. Enquanto os bailes davam mais ênfase no glamour e no estilo de vida drag, as audiências ainda valorizavam bastante as performances de comédia nos teatros.

Já no final da década de 30, ser drag requeria um certo investimento, já que os homens precisavam manter o estilo e a aparência tanto quanto uma mulher, gastando com maquiagens, perucas e roupas. Ser drag queen era considerada uma carreira cara.

Na passagem da década de 30 para os anos 40 as drags ainda tentavam achar seu lugar na sociedade, já que o cross-dressing eram uma ofensa que levava muitas drags para a prisão. Os bailes do Pansy Craze ficavam cada vez mais escondidos para evitar o aparecimento da polícia. Ainda que a homossexualidade crescia como um tabu e uma ameaça para a sociedade, drags mantinham seu lugar garantido no setor de entretenimento.

Leia também:

Confira fotos de homens vestidos de mulher e Drag Queens ao longo da história

A História das Drag Queens – Parte 1

 Frederick Park e Ernest Boulton – Fanny & Stella

A História das Drag Queens – Parte 1

 Homens vestidos de mulher – No teatro e por diversão

A História das Drag Queens – Parte 1

 Homens vestidos de mulher no teatro – Século 19

A História das Drag Queens – Parte 1

  Homens vestidos de mulher no teatro

A História das Drag Queens – Parte 1

 Florin, drag queen de Paris, e o novelista F. Scott Fitzgerald

A História das Drag Queens – Parte 1

 Drag balls – Os bailes em que homens de vestiam de mulher 

Leia também: História das Drag Queens – Parte 2

A História das Drag Queens – Parte 1

 Drag queens Rae Bourbon e Harry S. Franklyn 

A História das Drag Queens – Parte 1

 Vander Clyde, ou Barbette, e Frances & Lonas

A História das Drag Queens – Parte 1

 Drag queen Billy Richards e Drag Ball dos anos 30 

A História das Drag Queens – Parte 1

 Drag queens dos anos 40 

A História das Drag Queens – Parte 1

 Drag queens do final dos anos 40 

A História das Drag Queens – Parte 1

 Clube de performance drag queen 

A História das Drag Queens – Parte 1

Vivemos em uma sociedade TRANS. Nossos alimentos são TRANSgênicos, nossos brinquedos são TRANSformers. Pessoas TRANSitam entre os gêneros e sexos e até mesmo entre as cores das raças, como diria nosso querido ídolo, Michael Jackson. Entenda este fenômeno da sociedade contemporânea sob o olhar do filósofo Jean Baudrillard e da socióloga Melinda Davis:  Estamos em uma sociedade Trans? Reflexões sobre a Cultura TRANS, o Movimento Transexual e seu impacto na sociedade.

Leia também:

 

Fotos: Little Things e The Gaily Grind

 

Salvar

Salvar

Salvar

DESCONTOS EXCLUSIVOS FASHION BUBBLES

Publicação: 9 de outubro de 2017

AUTOR

Paulistana formada em jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo e com curso técnico de locução pela Rádioficina. Atuou como redatora e locutora no Grupo Bandeirantes de Rádio e também como repórter para um telejornal segmentado.

COMENTÁRIOS