A História das Drag Queens – Parte 2

A História das Drag Queens – Parte 2

Em 1947 o Flamingo Club em Los Angeles era uma das principais casas de shows para as drags, que atraíam tanto o público gay quanto o público hétero. Apesar de um grande crescimento conservador nos EUA uma drag queen ainda conseguia agradar grandes públicos – se fosse com motivos de entretenimento, a sociedade aceitava homens vestidos de mulheres; mas para satisfação pessoal a prática ainda era extremamente condenável.

Na virada para a década de 50 os shows de drag queens já não eram tão mainstream, mas algumas casas e performers conseguiram sobreviver. Já o público hétero precisava ir sem ser visto na audiência, uma vez que isso poderia causar fofoca na vizinhança. Nos anos 50 a arte continuou a evoluir, assim como a qualidade das maquiagens encontradas no mercado. Drag queens profissionais deveriam realmente parecer com mulheres quando montadas. Foi na segunda metade dos anos 50 que as imitações de celebridades começaram a ficar populares entre as drags. A celebridade mais imitada, sem dúvida, era Marilyn Monroe.

Ainda na década de 50 surge a Casa Susanna, um resort em Nova York que funcionava como um lugar seguro para homens se vestirem de mulheres livremente, apenas por satisfação pessoal, sem fins de entretenimento. Era um refúgio da sociedade conservadora.

Nos anos 60 a Casa Susanna ainda era um sucesso, ainda mais se considerarmos que essa década foi cheia de mudanças e revoluções, principalmente nas questões sexuais. As drags começaram a se reunir com mais frequência e os EUA viu o surgimento dos primeiros bares gays, como o Stonewall Bar em Nova York. A arte drag começa a evoluir para uma forma de expressão de homens gays. Era menos uma forma de ganhar dinheiro e mais uma maneira de criar uma comunidade.

Já no final da década de 60 a comunidade gay começa a lutar pelos seus direitos. As manifestações, muitas vezes violentas, contra a polícia aconteciam no Stonewall. Há relatos de que as drags tiveram uma forte participação nos protestos, como drags jogando moedas ironizando os policiais, ou uma drag que vandalizou um carro da polícia usando sua bolsa de mão.

A partir daí, com a comunidade gay se organizando e lutando cada vez mais pelos seus direitos e com o nascimento das paradas gays na década de 70, as drags começam a ganhar mais destaque com o público em geral. Tiveram seu grande sucesso durante os anos 80 e 90 e hoje despertam a fama mais uma vez.

A História das Drag Queens – Parte 2
No cinema temos Harris Glenn Milstead, mais conhecido como a drag queen Divine, que abraçou a contracultura dos anos 60 e se tornou a grande  inspiradora do cineasta John Waters. Ela atuou em seus filmes, fazendo parte do Dreamlanders – elenco e equipe de regulares que John Waters usava nos filmes. Eles incluíram os chamados  “garotos maus suburbanas” entre outros. Divine estrelou uma série dos primeiros filmes de Waters, tais como Mondo Trasho (1969), Multiple Maniacs(1970), Pink Flamingos (1972) e Female Trouble (1974).

Os filmes se tornaram clássicos cult, com Divine tornando-se particularmente conhecida por interpretar o papel de Babs Johnson, em Pink Flamingos.

Divine manteve-se uma figura de culto, especialmente dentro da comunidade LGBT, e forneceu a inspiração para personagens de ficção, obras de arte e músicas. Vários livros e documentários dedicados a sua vida também foram produzidos, incluindo Divine Trash (1998) e I Am Divine (2013).

Atualmente é possível dizer que as drag queens são tão populares que quase beiram o mainstream. Elas estão nos teatros, no cinema, em festas e nas redes sociais. Quem popularizou ainda mais a arte, até mesmo para os leigos, foi RuPaul, com seu reality RuPaul’s Drag Race.

Leia também:

A História das Drag Queens – Parte 2RuPaul, com seu reality RuPaul’s Drag Race

Mais fotos de Drag Queens ao longo da história

A História das Drag Queens – Parte 2Drag queen começam a imitar celebridades na década de 50 

A História das Drag Queens – Parte 2
Casa Susanna – Um resort para homens se vestirem de mulher sem fins de entretenimento 

A História das Drag Queens – Parte 2

  Casa Susanna – Um resort para homens se vestirem de mulher sem fins de entretenimento 

Leia também: A História das Drag Queens – Parte 1

A História das Drag Queens – Parte 2

  Casa Susanna – Um resort para homens se vestirem de mulher sem fins de entretenimento 

A História das Drag Queens – Parte 2

  Casa Susanna – Um resort para homens se vestirem de mulher sem fins de entretenimento 

A História das Drag Queens – Parte 2

  Casa Susanna – Um resort para homens se vestirem de mulher sem fins de entretenimento 

Leia também: A História das Drag Queens – Parte 1

A História das Drag Queens – Parte 2

 Homens se vestem de mulher em festa de aniversário 

A História das Drag Queens – Parte 2

 Divine – A drag queen mais famosa e importante da década de 80 

A História das Drag Queens – Parte 2
RuPaul – Drag de sucesso dos anos 90 

Leia também: A História das Drag Queens – Parte 1

A História das Drag Queens – Parte 2

 Bianca Del Rio e Jujubee – Drags que ganharam a fama depois de RuPaul’s Drag Race 

A História das Drag Queens – Parte 2

 Latrice Royale e Alaska Thunderfuck – Drags que ganharam a fama depois de RuPaul’s Drag Race 

A História das Drag Queens – Parte 2

 Adore Delano e Pandora Boxx – Drags que ganharam a fama depois de RuPaul’s Drag Race 

Leia também:

A História das Drag Queens – Parte 2

Vivemos em uma sociedade TRANS. Nossos alimentos são TRANSgênicos, nossos brinquedos são TRANSformers. Pessoas TRANSitam entre os gêneros e sexos e até mesmo entre as cores das raças, como diria nosso querido ídolo, Michael Jackson. Entenda este fenômeno da sociedade contemporânea sob o olhar do filósofo Jean Baudrillard e da socióloga Melinda Davis:  Estamos em uma sociedade Trans? Reflexões sobre a Cultura TRANS, o Movimento Transexual e seu impacto na sociedade.

Leia também: A História das Drag Queens – Parte 1

Fotos: Little Things e The Gaily Grind

 

Publicação: 3 de março de 2016

AUTOR

Paulistana formada em jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo e com curso técnico de locução pela Rádioficina. Atuou como redatora e locutora no Grupo Bandeirantes de Rádio e também como repórter para um telejornal segmentado.

COMENTÁRIOS

Leia o post anterior:
O truque dos decotes profundos – Veja o que as famosas fazem para não mostrar o que não deve

Descubra o segredo do decote das divas no Red Carpet Assistimos ao empoderamento feminino e nada mais simbólico que destacar...

Fechar