Bubbles in the City – Ho-ho-ho!

51

Bubbles In The City Getty Images Natal Fashion

Dezembro, pra mim, é um mês meio tumultuado. Gosto de ter nascido nele, não sei por quê. E ainda bem que nasci no começo, porque à medida que a passagem de 24 pra 25 se aproxima, as pessoas ficam bem doidas. E coisas malucas acontecem…

Uma histeria toma conta do povo. De repente, a gente tem que comemorar o Natal com todo mundo. É caixinha pro lixeiro, porteiro, faxineira, manicure, gerente do banco que nunca viu você mais gordo, dentista, médico… É amigo secreto da equipe. É festa de fim de ano da firrrrma. E dá-lhe panetone, cartão virtual, garrafa de vinho, sacolinha de presente que a amiga pede pra dar pra instituição que ela ajuda. Os prédios todos decorados de maneira esdrúxula, segundo o gosto (???) do síndico e graças ao malabarismo do porteiro que, de repente, tem que dar uma de eletricista. E as luzinhas nunca funcionam direito: tem sempre uma parte falhando!

O trânsito fica mais infernal. Estacionar no shopping? Esquece, fia: dê uma de Angélica e vá de táxi, que é menos pior. E as lojas se esquecem que “menos é mais”, né? Ainda que você compre algo muito, muito pequeno, se for “pra presente”, envolvem em “papel seda”, enfiam numa supercaixa, que vai numa supersacola. E que sustentabilidade, que nada! O que vale é o “impacto”.

Outro dia, tava procurando um cartão pra colocar numa das famigeradas “sacolinhas”. Gente! As mensagens eram todas do tipo “Boas festas. Espero que você ganhe muuuuitos presentes”. Nenhum falava: que você seja feliz, saudável, equilibrado, realizado, pleno, cheio de amigos verdadeiros, que tenha tempo pra ir à academia, que leia um livro ótimo, que assista a um filme maravilhoso, que descubra uma música incrível ou coisa do tipo.

Natal perfeito era quando eu era criança. Mesmo tendo me comportado mal o ano todo, ganhava exatamente o presente que queria (sempre fui mimada, sorry). O ápice foi quando ganhei a casa (mansão) da Barbie, toda mobiliada, mais o carro, salão de beleza e a piscina. De quebra, ganhei um namorado lindo, sarado, rico e inteligente (hã?): o mais novo Ken da época, com roupa de tenista. Tudo de bom!

Presentes Embaixo da Arvore de Natal GettyImages

Você também pode gostar!

Mas tem uma coisa que ainda me emociona e empolga em tempos de jingle bell: decoração natalina. Adoooro árvore de Natal bem grande e gorda, cheia de enfeites. Amo Papai Noel que canta, renas simpáticas etc. Morei numa casa enorme, durante alguns anos, e gostava de decorá-la lindamente. Parecia comercial de Natal da Coca-Cola. Dava um trabalhão, mas eu adorava. Todo mundo ajudava: minha mãe, os dois irmãos, as empregadas. O Astor, meu labrador, ficava olhando com cara de “ué, o que vocês tão fazendo?”. Decorar a casa era um ritual e um evento. Todo dia, chegava do trabalho, acendia as luzes e borrifava aroma de baunilha pela casa… Era meu momento mágico.

Ainda vou voltar a decorar a casa com entusiasmo – e espaço. Só pra materializar a empolgação que sinto dentro de mim. Porque, no fundo, meu melhor Natal acontece todo ano, tirando o que há de melhor das possibilidades que tenho no momento. Sempre com minha mãe, meu pai, os dois irmãos. Esse ano, tem também um sobrinho e uma cunhada. Sem a decoração (espaço) que eu gostaria. Mas com o coração que eu tenho. E ele bate saudável – pasmem! – o suficiente pra dizer: ano que vem, vai ser melhor e mais bonito. Pra mim e, claro, pra você.

Feliz Natal! Ho-ho-ho!


Imagens: GettyImages


Por Mila Brito

você pode gostar também