Traje Gótico: história e características do estilo medieval - Trajes Históricos

Traje Gótico: história e características do estilo medieval – Trajes Históricos

Acima de tudo, o Traje Gótico trouxe um novo sentido de sofisticação para a moda europeia. Desde então, houve uma nova forma de valorizar o corpo com o uso de tecidos, ainda que o estilo se tenha tornado mais simples e fechado devido à religião.

Assim, sendo parte de uma série que busca trazer os Trajes Históricos mais marcantes da história da moda ocidental, conheça melhor as características desse estilo.

 

 

O que é o Traje Gótico?

 

 

Cristina de Pisano apresentando o seu livro à rainha da França Isabel da Baviera, entre 1410 e 1414. Crédito: British Library. Fonte: Wikimedia commons.

 

Antes de mais nada, o termo gótico se refere a um estilo ligado à arquitetura e arte do período medieval ou tardo medieval. Esses dois campos então davam destaque à estrutura, à simplicidade e à formas mais graciosas.

Do mesmo modo, seguindo essa tendência estética, as roupas também passaram a enfatizar a proporção, o drapeado delicado e a simplicidade. Ou seja, detalhes e adornos mais fortes ou exagerados foram deixados de lado.

Em primeiro lugar, o traje gótico surgiu em um período crucial da criação da Europa Ocidental moderna. Afinal, foi nessa época que se urbanizaram as cidades e que a economia capitalista e os distintos países começaram a tomar corpo para se constituir.

Além disso, nesse período houve a forte ascensão da fé católica no continente, o que influiu na arquitetura e vestuário de vários países.

 

 

  • Aproveite e nos siga no Google News para para saber tudo sobre Moda, Beleza, Famosos, Décor e muito mais. É só clicar aqui, depois na estrelinha 🌟 lá no News.

 

 

A Arquitetura Gótica

 

 

Catedral de Notre Dame de Paris. Crédito: P e z i. Fonte: Wikimedia commons.

 

 

O principal expoente do período gótico foi sem dúvida a arquitetura. Não sendo um fenômeno exclusivo de nenhum país, esse estilo arquitetônico se difundiu por diversas regiões da Europa. Acima de tudo, o seu principal espaço de manifestação são igrejas católicas espalhadas em distintos países.

Com base no pensamento escolástico então em vigor, cada peça da construção do espaço religoso possuía um sentido particular. Em primeiro lugar, as paredes representavam a base espiritual da Igreja; por sua vez, os seus pilares simbolizavam os santos; e, por último, os seus arcos tão marcantes indicavam o caminho de Deus.

 

 

Interior da igreja Sainte Chapelle, na França. Crédito: Oldmanisold. Fonte: Wikimedia commons.

 

 

Além disso, temos que considerar que nessa época eram poucos os que sabiam ler. Dessa maneira, os vitrais, afrescos e pinturas que decoravam a igreja serviam para, de maneira didática, passar a mensagem ao povo. Ou seja, tinham o papel de não apenas decorar, mas ensinar de forma clara as histórias e relatos contidos nas Sagradas Escrituras.

De modo geral, esse se trata de um estilo mais sóbrio, bem delineado e com construções feitas em pedra. Antes de mais nada, os dois avanços arquitetônicos que mais marcaram o estilo gótico foram o arco em ogiva e a abóbada cruzada, os quais inovaram ao permitir um novo modo de construir.

 

 

Em que período se usou o Traje Gótico?

 

 

Codex Manesse, UB Heidelberg, Cod. Pal. germ. 848, fol. 371r, entre 1305 e 1315. Fonte: Wikimedia commons

 

 

O traje gótico foi utilizado durante a chamada Baixa Idade Média, entre os séculos XI e XIV. Além da influência trazida da cultura bizantina, em parte pelas cruzadas, cada um dos países da Europa passou a adaptar um estilo próprio.

Primeiramente, foi nesse período que se consolidaram alguns ofícios, dentre eles o de alfaiate. Apesar de até então a confecção de roupas ter sido uma tarefa quase exclusiva de mulheres, desde então  cada vez mais homens passaram a se dedicar ao ofício.

 

 

Maria, Duquesa de Borgonha, por volta de 1477. Fonte: Wikimedia commons

 

 

Além disso, outra grande característica da época foi a ascensão de uma moda mais individual. Em outras palavras, a moda então assumia a sua função de definidora de status e identidade social. Afinal, começou a surgir uma classe de ricos que não apenas podia, mas queria consumir artigos melhores e exclusivos.

Desse modo, apareceram novos materiais, cores e padrões de individualização na confecção de trajes tanto femininos como masculinos.

 

 

  • Em seguida, leia também As Deusas Gregas: uma inspiração para o mundo da arte e da moda.

 

 

Qual é o estilo do Traje Gótico?

 

 

“O Casamento” de Nicolo da Bologna, por volta de 1350. Fonte: Wikimedia commons

 

 

Como dito antes, o estilo gótico se expandiu por toda a Europa. Contudo, ele não era homogêneo. Ou seja, em cada região e grupo social surgiram elementos específicos, ainda que mantendo a mesma base.

Nessa época também houve um grande avanço nas técnicas de tecelagem. Como resultado, surgiram tecidos mais variados, mais finos e de melhor qualidade. Acima de tudo, como os detalhes do traje gótico se tornaram muito mais simples, o desenho passou a ser o seu principal aspecto.

 

 

Tacuina sanitatis, século XIV. Fonte: Wikimedia commons

 

 

Entretanto, a grande parte das pessoas se vestia de maneira muito simples e mais ou menos igual. Os tecidos comuns não eram nobres e nem coloridos, mas sim funcionais. Essa pouca variedade no estilo de roupa das pessoas comuns foi a regra ao menos até o século XIV.

De maneira geral, elas usavam os mesmos trajes tanto no inverno como no verão, esses sempre muito cobertos e mais soltos. Além disso, para cobrir o corpo, era como o uso de um manto longo e solto ao corpo.

 

 

Imagem do cotidiano no período medieval. Fonte: Wikimedia commons

 

 

Qual a origem do termo Gótico?

 

 

A palavra “gótico” foi a princípio usada de maneira pejorativa, sendo sinônimo de “bárbaro”. Afinal, essa foi a maneira que alguns escritores renascentistas encontraram para criticar a arte medieval. A razão? Eles a tinham como menos refinada do que a arte clássica romana.

Mas, qual a origem do termo? O saqueio de Roma por tribos góticas no princípio do século V, episódio que marcou a decadência do mundo clássico romano.

O termo se popularizou a partir de 1530 por meio do artista e escritor italiano Giorgio Vasari. Para ele, o estilo da época que os precedeu era bárbaro e uma aberração.

A eles se seguiram muitos outros críticos, e o termo pegou de vez.

 

 

Alguns itens do Traje Gótico

 

Ainda que as escolhas de vestimenta fossem muito limitadas, havia grandes diferenças entre as classes sociais e os sexos. Por exemplo, o traje gótico masculino dependia da sua classe e tipo de trabalho. Para as mulheres mais ricas havia roupas mais elaboradas, como vestidos longos e feitos de tecidos pesados.

O tecido mais popular no traje gótico era a lã. Entretanto, também havia outros tecidos que podiam ser usados, a depender da condição do indíviduo. Dentre eles, por exemplo, o linho, além de vários tipos de peles e, mais raramente, a seda.

 

 

  • Em seguida, aproveite para ler mais sobre o Linho e a Seda: dois dos tecidos mais importantes da nossa história!

 

 

Parte de uma ilustração do manuscrito francês “A Consolação da Filosofia”, cerca de 1450. Fonte: costumesociety.org.uk

 

 

Seja como for, o estilo variou muito ao longo desses séculos e nos diferentes países. Por exemplo, em alguns o estilo de chapéu pontiagudo estava mais em vigor, já em outros era mais comum um estilo feito de tecido mais baixo e solto.

Em seguida, veja alguns dos itens que compunham o traje gótico:

 

Brasões

Os soldados muitas vezes traziam seus brasões familiares nos capacetes ou escudos. Essa era, acima de tudo, uma maneira de serem identificados em batalha.

Bliaut

Túnica de manga comprida muito marcante, que de maneira geral ia até os joelhos para os homens e até os pés para as mulheres.

Pallium

Uma espécie de manto que era preso pela frente com um grande broche.

Ermine

Um tipo de pele que forrava o traje.

Manto

Tipo de capa solta e presa sobre a cabeça.

Chaperon

Um tipo de chapéu ou capuz feito em tecido.

Calçados

O sapato pontiagudo surgiu no período medieval, sendo um símbolo de status social: os plebeus usavam o modelo mais curto, já os nobres uma versão muito mais comprida.

 

 

Fragmento da pintura “Betrothal of Ursula”, doséculo XIX. Crédito: The Morgan Library Museum. Fonte: costumesociety.org.uk

 

 

O Traje Gótico, uma inspiração muito atual

 

 

Por fim, vale ressaltar que a moda desse período segue sendo muito explorada pelo mundo das várias artes. Afinal, entre o cinema, as séries de televisão, histórias em quadrinho e a moda, volta e meia aparecem novas versões do traje gótico.

Claro, todo o ar místico e romântico que rodeia o período medieval são mesmo chamativos! Por exemplo, podemos encontrar muito dessa influência nos filme da série “O Senhor dos Anéis” e nos desenhos Disney.

É só observar com mais atenção que você com certeza verá vestígios do traje gótico em algum lugar!

 

 

As fadas Fauna, Flora e Primavera, do filme “A Bela Adormecida”. Fonte: Wikimedia commons

 

 

Em seguida, leia também sobre outros Trajes Históricos:

 

 

 

Arquitetura GóticaArte GóticaEuropaHistória da ModaHIstória do TrajeHistória do VestuárioHistória Medievallincoln lincolnshireModa Medievalnotre dame paris franceparedesTraje góticoTrajes Históricos