A evolução do tecido na antiguidade – Parte 1

108

PALAVRAS CHAVE: TECIDO, CULTURA E HISTÓRIA RESUMO

A história do tecido documenta a evolução das culturas humanas do seu estado nômade para a formação das comunidades civilizadas que fizeram nascer os grandes impérios da antiguidade.

O volume dos tecidos, seu luxo e a procedência das fibras, sempre foram sinônimo de status e poder.

Nos antigos impérios, os trajes reais, os sacerdotais e as vestes dos guerreiros, marcam esta condição, que está bem registrada no nosso primeiro documento, que é a Bíblia.

Nele, podemos ver para além da função, o valor de sagrado impresso no tecido.

INTRODUÇÃO

Você também pode gostar!

Sou profissional da área de moda. Nasci numa família em que as mulheres criaram os filhos confeccionando roupas para filhos de outras mulheres – ou seja, cresci e me profissionalizei dentro de um mundo familiar que se dedicava ao segmento de vestuário para crianças, à roupa infanto-juvenil.

Como confeccionista, vivi as grandes mudanças da moda e de seus modos de produção, neste país, durante vinte e cinco anos. Nos anos noventa, do século passado, sucumbindo às inúmeras reviravoltas dos nossos planos econômicos. Exatamente naquele momento, estávamos mudando de governo e as fronteiras nacionais abriam-se à entrada do mercado internacional de moda. Era o momento em que todo o mundo estava em polvorosa com o avanço e a competitividade dos Tigres Asiáticos. No Brasil, o setor têxtil-confecção se ressentiu de imediato, devido à tecnologia obsoleta.

Faltava-nos também mão-de-obra qualificada, tanto para operar equipamentos modernos, quanto para criar produtos que oferecessem a possibilidade de dialogar com um mundo que já convivia com a moda quase totalmente globalizada.

Digo quase, porque o grande marco daquela fase foi a imposição, ao mundo internacional da moda, da atitude modalizada e modalizadora dos orientais, marcada tanto pela presença maciça do fenômeno “made in China”, quanto pela criação revolucionária dos estilistas japoneses, representados pelos “quatro fantásticos” : Issey Miyake, Yohji Yamamoto, Kenzo e Rei Kawakubo.

Como dar conta dessa empreitada? perguntava-se, apavorado, o fabricante brasileiro. Num momento de grandes transformações políticas e econômicas, a resposta veio rápida: Faculdades de Moda, com cursos que pudessem formar engenheiros, criadores, gestores, compradores e todo tipo de técnicos e tecnólogos necessários para suprir a cadeia de profissionais capazes de responder pela criação, desenvolvimento e comercialização, dentro desse contexto já inteiramente globalizado. Tecidos, máquinas, aviamentos, estilos e modelos de comercialização tinham de obedecer ao padrão dinâmico e funcional norte-americano, às exigências vanguardistas inglesas, ao padrão elegante e sofisticado italiano e ao inovador universo minimalista japonês. Esse foi o tempo das grifes e, também, do surgimento vanguardista das modas rebeldes para os jovens, que começavam a se impor como usuários. Fabricando suas próprias modas, eles acreditavam ser muito, mas muito diferentes de seus pais – àquela altura, nós, a geração dos fantásticos anos pós-JK. Hoje sou professora. Ainda atuo no setor de confecção: tenho trabalhado como consultora de estilo e gerência de produção de modas juvenis, conhecidas como modas teen ou modas de tribos urbanas. Mas apaixona-me investigar os meios que a cultura utiliza para divulgar seus padrões de elegância, que determinam a prática diária dos mais diversificados tipos de profissionais envolvidos com a moda, um dos setores mais produtivos da sociedade.Parte deste meu discurso é, obviamente, um fragmento amoroso e, antes de tudo, decorrente de uma condição particular de vida e de atividade profissional. Porém, como professora de cursos de moda nas disciplinas de História da Indumentária, Teoria da Moda, Tecnologia da Confecção e Evolução do Design de Moda, tenho observado o encantamento dos alunos dos cursos de pós-graduação em design têxtil com a relação antropológica da evolução têxtil com as culturas que as fazem brotar.

A EVOLUÇÃO DO TECIDO NA ANTIGUIDADE – Parte 2

Queila Ferraz Monteiro é estudiosa de História da Moda, é consultora de design e gestão industrial para confecção e Professora de História da Indumentária e Tecnologia da Confecção em cursos de moda e Faculdades, também é professora de pós-graduação em Universidades como o Senac.

[email protected] .

Para ver o perfil da Queila

você pode gostar também