História da Roupa Infantil: a moda para crianças até o século XIX – Parte 1/2

Parece difícil de imaginar, mas a história da roupa infantil nem sempre se baseou em cores e padrões delicados e divertidos. Veja com mais detalhes como a moda para crianças evoluiu até o final do século XIX.

- Continue depois da Publicidade -

Atualmente existem tantas opções dentro da moda para crianças que fica difícil escolher qual o modelo mais bonito. Entretanto, essa não foi a realidade do setor até pelo menos meados do século XX. Assim, veja a história da roupa infantil e conheça a evolução dos trajes de meninos e meninas até o final do século XIX.

 

  • Depois, veja também  A Moda Infantil do Século XX: a evolução do setor ao longo das décadas – Parte 2 / 2

 

Quadro de Sir Thomas Lucy of Charlecote e sua família, incluindo meninos e meninas vestidos com a roupa infantil da época.
Sir Thomas Lucy of Charlecote and Family, c. 1625. Autor desconhecido. Fonte: Wikimedia commons.

 

Vestidos para todos?

 

Diferentemente de hoje em dia, antes do século XX as roupas para bebês e crianças pequenas tinham uma característica comum: até uma certa idade, não eram distinguidas pelo sexo. Ou seja, tanto os meninos como as meninas vestiam roupas iguais até por volta dos 6 anos.

- Continue depois da Publicidade -

De fato, pelo menos até o século XV era comum que homens e mulheres usassem algum tipo de túnica ou toga. A partir do século XVI isso veio a mudar, surgindo roupas cada vez mais distintivas entre os sexos.

Ainda assim, esse estilo de roupa continuava sendo o padrão para os mais pequenos.

- Continue depois da Publicidade -

Por exemplo, por meio de pinturas podemos ver como as crianças de famílias abastadas se vestiam. Afinal, não havia fotos e eram poucos os que podiam pagar por um retrato de família.

 

Pintura de Diego Velázquez ´As meninas`, de 1656–57.
Quadro ´As meninas`, de 1656–57. Crédito: Diego Velázquez / Museu do Prado. Fonte: Wikimedia commons.

 

Ou seja, os registros que temos da história da roupa infantil entre o século XVI e XVIII correspondem às famílias nobres e da alta burguesia, os únicos que podiam pagar por um retrato da família.

 

- Continue depois da Publicidade -

Pintura de Francisco Goya de Carlos IV da Espanha e sua família, onde se vê meninos e meninas com a roupa infantil da época.
Carlos IV da Espanha e sua família, 1800–01. Crédito: Francisco Goya. Fonte: Wikimedia commons.

 

A História da Roupa Infantil: a evolução de um estilo próprio

 

Até o século XIX, as calças eram usadas apenas por homens e meninos já maiores. Dessa forma, todas as meninas e meninos pequenos usavam vestidos ou túnicas.

Assim, a imagem do passado com crianças pode nos parecer um pouco confusa. Isso porque nós temos a falsa impressão de que os meninos se vestiam ´como meninas`.

Foto de Oscar Wilde criança com um vestido, por volta de 1860.
Oscar Wilde criança, por volta de 1860. Fonte: Wikimedia commons

 

Entretanto, a concepção da época é que as crianças pequenas se vestiriam da maneira apropriada à sua idade, não conforme o sexo. Dessa maneira, imperava uma questão mais pragmática e funcional do que estilística.

 

A História da Roupa Infantil: o uso de calças

 

A partir dos 6 anos, os meninos então passavam a adotar um traje ´de homem`. Ou seja, então vestiam camisa, casaco e calças – que até por volta dos 12 anos costumavam ser mais curtas e ajustadas ao corpo.

 

4. Retrato do Imperador D. Pedro II aos 12 anos. 1837. wikimedia commons.

 

Os estilos começavam a mudar a medida que as crianças cresciam, marcando cada vez mais a diferença entre homens e mulheres.

Todavia, o estilo de roupa para os bebês continuava a ser unissex. Eram basicamente vestido mais longos, com tecidos em cores claras, babados e bordados, muita vezes com um gorro na cabeça a combinar.

 

Pintura de Claude Joseph Barandier de Dom Afonso, Príncipe Imperial do Brasil, de 1845-1847.
Pintura de Dom Afonso, Príncipe Imperial do Brasil, de 1845-1847. Crédito: Claude Joseph Barandier. Fonte: Wikimedia commons.

 

Por volta dos 5 anos de idade, quando eram um pouco mais crescidas, as crianças passavam a usar um vestido mais curto com uma espécie de calças. As pantalletes eram calças mais soltas à altura dos tornozelos que, sendo unissex, eram então usadas por baixo dos vestidos tanto pelos meninos como pelas meninas.

 

Pintura de Johann Moritz Rugendas de Afonso, Príncipe Imperial do Brasil, filho mais velho de D. Pedro II, com a roupa infantil da época.
Pintura de Afonso, Príncipe Imperial do Brasil, filho mais velho de D. Pedro II, de 1846. Crédito: Johann Moritz Rugendas. Fonte: Wikimedia commons.

 

Esse estilo de roupa infantil foi o mais corrente para as crianças nesse faixa etária.Logo o modelo  se popularizou em vários países, só vindo a ser deixado de lado com a difusão do estilo marinheiro, no final do século XIX.

 

Mini adultos

 

Até o século XIX era comum que as crianças passassem a se vestir como mini adultos quando atingiam por volta dos 6 anos. Em outras palavras, os tecidos e o estilo da sua roupa eram muito parecidos à dos adultos.

Ou seja, a roupa confortável, alegre e ´infantil` não era nem de longe a realidade do período.

 

Pintura de Ferdinand Krumholz da Princesa Isabel do Brasil com 7 anos de idade, posando com um vestido azul e chapéus na mão.
Retrato da Princesa Isabel do Brasil com 7 anos de idade, em 1853. Crédito: Ferdinand Krumholz / Arquivo Nacional. Fonte: Wikimedia commons.

 

Por outro lado, a roupa das meninas do século XIX não mudava muito com o tempo. Dessa forma, o estilo da sua roupa apenas deixava de ser mais curto e discreto para passar a ser mais longo e trabalhado.

Assim, o modelo seguia sendo o mesmo: vestidos. As mulheres usavam vestidos desde bebês até quando fossem idosas.

 

Você também pode gostar!
Foto de Isabel, Princesa imperial do Brasil, posando com um vestido com babados aos 12 anos, em 1858.
Foto de Isabel, Princesa imperial do Brasil, aos 12 anos, em 1858. Crédito: Victor Frond. Fonte: Wikimedia commons.

 

Dessa maneira, era o corte e o estilo da peça que mudavam. Ou seja, nessa época, o principal diferenciador da roupa infantil feminina era o comprimento dos vestidos. Essa transformação acompanhava a sua entrada na vida adulta, vindo a diferir em estilo a depender do país.

 

A História da Roupa Infantil: a influência da Inglaterra

 

Foto das cinco filhas da Rainha Vitória, Alice, Helena, Beatrice, Victoria e Louise.
Foto das cinco filhas da Rainha Vitória, Alice, Helena, Beatrice, Victoria e Louise. 1862. Crédito: William Bambridge / Royal Collection. Fonte: Wikimedia commons

 

Na Inglaterra da segunda metade do século XIX, umas das principais referências do mundo de então, a moda era impulsionada pelo crescimento da revolução industrial e de uma classe trabalhadora. Como resultado, cada vez mais a sociedade se adaptava para incluir um estilo de roupa menos formal e  mais relaxado.

Como aconteceu com o vestido de noiva branco, a rainha inglesa Vitória foi uma grande influência para essa transformação. Por exemplo, ela começou a vestir os seus filhos com roupas de marinheiro e kilts (saias no estilo escocês), e a moda foi logo copiada por outras mulheres.

 

Foto de menino vestido com uma roupa de marinheiro no final do século XIX.
Menino vestido com uma roupa de marinheiro no final do século XIX. Crédito: Warwick Brookes. Fonte: Wikimedia commons.

 

Assim, foi apenas na segunda metade do século XIX que começaram a surgir outras opções e tendências de moda especificamente voltadas para o publico mirim. A história da roupa infantil completamente distinta da roupa dos adultos então começava a ganhar maior projeção.

 

‘Bertie vestiu o seu vestido de marinheiro, que foi belamente feito pelo homem a bordo que os faz para os nossos marinheiros. Quando ele apareceu, os oficiais e marinheiros que estavam no deck se espreitaram para ver-lhe, animados, e pareciam encantados.` Declaração da Rainha Vitória em 1846, quando  vestiu o seu filho Albert Edward, Príncipe de Gales, com um uniforme de marinheiro (Royal Museums Greenwich).

A roupa infantil com mais mobilidade e conforto

 

A segunda metade do século XIX marcou uma mudança em relação à funcionalidade das roupas das crianças. Além do trabalho nas indústrias e a rainha da Inglaterra, houve outras influências. Afinal, também a literatura e a arte tiveram um grande papel nessa transformação.

Em 1865, o clássico da literatura Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, inovou o mundo ao trazer como protagonista uma menina muito inteligente e alegre. A personagem, Alice, foi representada usando um vestido solto e cheio de movimento. Como resultado, o modelo virou uma grande referência e foi adaptado para a vida real.

 

Ilustração clássica de Sr. John Tenniel para o livro Alice no País das Maravilhas, de 1865.
Ilustração clássica de Sr. John Tenniel para o livro Alice no País das Maravilhas, de 1865. Fonte: Wikimedia commons.

 

Dessa forma, o vestido usado por Alice nas ilustrações de Sr. John Tenniel foram a inspiração para uma série de vestidos da época. O seu maior propósito e diferencial era dar mais liberdade às crianças. Assim, tanto meninos como meninas poderiam brincar à vontade sem deixar de estarem bem vestidos.

 

Um sociedade em transformação

 

O mundo estava em transformação, e essa realidade foi sentida de muitas maneiras. Em meados do século XIX houve uma grande mudança no papel das crianças dentro da sociedade. A imagem de meninos e meninas como seres inocentes, que deveriam ´ser criança` e brincar para que pudessem desenvolver, era recente.

Os pequenos já não eram empurrados com pressa à vida adulta, mas passavam a ser incentivados a desfrutar da sua ´pureza` e juventude.  Assim, também se deixava de lado a sua sexualização, principalmente das meninas.

Entretanto, a moda seguia sendo vestir ambos os sexos de maneira igual até quando fosse possível. Quando já tivessem certo tamanho, o apropriado seria que se vestissem como crianças, de maneira discreta e confortável, de acordo com o estilo de cada sexo.

 

Foto dos filhos da Princesa Dona Leopoldina de Bragança e do Príncipe Luís Augusto de Saxe-Coburgo-Gota: Dom Pedro Augusto, Dom José Fernando e Dom Augusto Leopoldo.
Foto dos filhos da Princesa Dona Leopoldina de Bragança e do Príncipe Luís Augusto de Saxe-Coburgo-Gota: Dom Pedro Augusto, Dom José Fernando e Dom Augusto Leopoldo. 1871. Fonte: Wikimedia commons.

 

Até o final do período moderno, era normal o uso de vestidos e saias para ambos os sexos. Também no que diz respeito às cores, a realidade era muito diferente da nossa.

Ainda que tenhamos como referência o azul para os meninos e o rosa para as meninas, no passado funcionava da maneira contrária. O rosa era uma cor muito comum entre os homens, e o azul entre as mulheres.

Claro, as cores poderiam ser usados por ambos os sexos. E assim foi por muito tempo, ao menos até bem entrado o século XX.

 

Retrato de uma criança em Pernambuco por volta de 1885 vestindo uma espécie de vestido e chapéu.
Retrato de uma criança em Pernambuco por volta de 1885. Crédito: Alfredo Ducasble / Instituto Moreira Salles. Fonte: Brasiliana fotográfica / Arquivo Nacional.

 

A História da Roupa Infantil em sintonia com a sociedade

 

Demoraria muito mais tempo, só na segunda metade do século XX, para que o setor voltasse a desenvolver roupas para crianças com um estilo mais similar ao dos adultos. Em outras palavras, por muito tempo, meninas e meninos pequenos deveriam ser vestidos conforme a sua idade.

 

Pintura As Filhas de Edward Darley Boit, de 1882.
As Filhas de Edward Darley Boit, de 1882. Crédito: John Singer Sargent / Museum of Fine Arts. Fonte: Wikimedia commons.

 

De qualquer forma, os vestidos se mantiveram como a opção mais comum para os bebês pequenos até a primeira metade do século XX. Por fim, o modelo usado por cada sexo mudava gradualmente com a idade, passando a ser completamente distintos com base no gênero.

Logo as meninas continuavam a usar vestidos e incluíam mais acessórios. Diferentemente dos meninos, que por volta dos seis anos trocavam os vestidos por calças curtas, jaquetas e coletes. Essa transformação acompanhava a evolução da criança à vida adulta. Entretanto, com o tempo passou a respeitar mais  a sua juventude. Como resultado, as calças e vestidos longos só passariam a ser usados pelos jovens com cerca de 12 anos.

A partir do século XX a mudança no estilo da roupa infantil passou a ser muito mais rápida, se adaptando de vez às transformações da sociedade.

 

Por Mariana Boscariol.

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

“Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda.” Tudo bem Mais detalhes