Moda Anos 50 e a Identidade Brasileira na Moda

A moda dos anos 50 é uma das mais recordadas de todos os tempos! Confira como o setor da moda tomou corpo no Brasil nos anos 50

  • 2
    Shares

- Continue depois da Publicidade -

A década de 50 começou em clima de democracia e com uma situação econômica mais favorável, que se traduziu em um grande desenvolvimento industrial e por tendências nacionalistas. Desse modo, a moda dos anos 50  estava embebida nessa atmosfera, trazendo um estilo mais vibrante que então se diversificava com a expansão do mercado nacional.  

 

Qual era a Moda dos Anos 50?

 

Modelos com a moda dos anos 50
Modelos dos anos 50. A moda dos anos 50 seguia muito feminina, trazendo uma cintura muito marcada e vestidos e saias volumosos na altura dos joelhos. Fonte: thefashionfolks.com

 

Após um longo período de crises e guerras, os anos 50 vieram com sede de festa, liberdade e celebração.

Em um momento econômico mais favorável, o estilo da roupa de homens e mulheres se tornou mais diverso e refinado, permitindo o surgimento de novos nomes e empreendimentos. Mas, acima de tudo, a moda dos anos 50 viu uma clara divisão de gênero.

- Continue depois da Publicidade -

Ou seja, enquanto que a moda masculina se movia para um estilo mais casual no dia-a-dia, a moda feminina dava prioridade à elegância e um estilo mais formal. Além disso, a tendência à época eram os acessórios combinados à perfeição com o look.

Todavia, de peças mais armadas, com muito tecido e exageradas, ao longo da década a moda foi dando espaço para modelos mais sequinhos e simples. Seja como for, a moda femina era mesmo um estilo feminino, elegante e delicado.

 

- Continue depois da Publicidade -

Audrey Hepburn nos anos 50
Audrey Hepburn em 1953. A atriz foi uma das grandes referência fashion dos anos 50. Fonte: Wikimedia commons

 

 

Os grandes estilistas da época

 

- Continue depois da Publicidade -

 Nesse meio tempo, o lançamento do “New Look” de Christian Dior no final dos anos 40 continuava a ser sentido.

Metros e metros de tecido eram então usados na confecção de um vestido, bem amplo e na altura dos tornozelos. A cintura era bem-marcada e os sapatos eram de salto alto, além de acompanharem luvas e outros acessórios luxuosos, como peles e joias (Cláudia Garcia).  

 

Modelo Givenchy anos 50
Modelo Gigi Terwalgne posando para a coleção Primavera de Givenchy, em 1952. Fonte: glamourdaze.com

 

Entretanto, por meio do trabalho de novos estilistas, a alta-costura vivia um forte impulso que suavizava as linhas muito marcadas e ultra-femininas. Dentre eles, por exemplo, Cristóbal Balenciaga, Hubert de Givenchy e Yves Sain Laurent.

O Brasil, ainda espelhado naquilo que se produzia na França, seguiu de perto essas tendências. Contudo, uma moda de fato nacional então começava a tomar mais corpo por meio do trabalho  de novos costureiros.  

 

Os Anos 50

 

Segundo Edgard Luiz de Barros, nesse período houve uma cultura modernizante do modelo desenvolvimentista, potencializado, sobretudo, na presidência de Juscelino Kubitschek. Esse novo ambiente induziu não só a comportamentos mais cosmopolitas, mas também a um novo estilo de vida nas cidades brasileiras.  

 

Juscelino e Sarah Kubitschek nos anos 50
Juscelino e Sarah Kubitschek, em 1956. As musas do cinema eram sem dúvida a principal fonte de inspiração do período, mas alguns dos nomes mais importantes do cenário político nacional também tiveram um grande impacto como ícones da moda no Brasil. Crédito: Arquivo Nacional. Fonte: Wikimedia commons

 

 Desde então, houve os chamados “anos dourados” da classe média, confirmando a extraordinária importância da mídia e da indústria cultural. Nesse sentido, houve importantes acontecimentos ao longos dos anos 50.

Dentre eles, por exemplo, a inauguração da primeira emissora de televisão do país: a Tupi. Em segundo lugar, a primeira Bienal de São Paulo. Além disso, foi iniciada a construção de Brasília com a moderna arquitetura de Oscar Niemeyer, o Brasil venceu o Campeonato Mundial de Futebol e o Museu de Arte Moderna foi inaugurado no Rio de Janeiro.

Por fim, a Bossa Nova surgia para revolucionar a música e influenciar a arte e moda do país.  

 

A indústria da moda nos anos 50

 

No Brasil, a indústria têxtil estava então a todo o vapor. Afinal, tinha muito o que celebrar com as suas exportações e a atividade fabril durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Dentre os seus principais produtos, estava o tecido de algodão.

Como explica Durand (1988 p. 67), essa “(…) era a principal fibra nacional, matéria-prima geradora de divisas e de um pano bem adaptado ao clima quente do país.”

Nessa época, as musas de Hollywood como Marylin Monroe, Jane Russel e Brigitte Bardot faziam a cabeça de homens e mulheres. Além disso, nesse meio tempo os EUA projetavam aquele que seria o queridinho da moda contemporânea: o jeans.  

 

Resistência ao produto nacional

 

Marilyn Monroe nos anos 50
Marilyn Monroe, em 1957. Então mirando para fora do país, as musas de Hollywood continuavam a ser uma grande inspiração para as mulheres brasileiras do período. Crédito: Milton H. Greene. Fonte: Wikimedia commons

 

 O desenvolvimento da indústria brasileira neste período foi bem descrito por Zuleika Alvim ao se referir ao Mappin: “O Mappin se inseria de forma nítida nesse esforço de afirmação da indústria nacional, algo que assume características ainda mais eloquentes por assinalar uma ruptura com relação ao que a loja representava no passado (…) em suas primeiras décadas de existência, a loja oferecia basicamente, artigos importados.”

E continuou a dizer, “(…) O consumidor da década de 50, na verdade, ainda detinha um arraigado preconceito contra a indústria nacional. Não foi tarefa simples convencê-lo de que poderia extrair os mesmos rendimentos dos produtos fabricados no Brasil” (Alvim, 1985, p. 152).  

 

 

Moda Anos 50 no Brasil

 

Na moda, o marco da década de 50 foi o aparecimento de butiques e costureiros nacionais. Acima de tudo, foram estes os fundadores de uma costura “de autor”, não colada nos lançamentos europeus.  

 

Vestido de Dener Pamplona de Abreu em desfile.
Vestido de Dener Pamplona de Abreu em desfile. Fonte: Fashionistas de Plantão

 

Nesse meio tempo, Gil Brandão apareceu como o modelista mais famoso do país. Entretanto, verificamos este fenômeno principalmente a partir do trabalho de Dener Pamplona de Abreu, o paraense que iniciou a sua carreira no Rio de Janeiro e depois se fixou em São Paulo.

Na década seguinte, Dener foi o estilista da futura primeira-dama Maria Thereza Goulart, que então já fazia sucesso ao lado do seu marido, o vice-presidente Jango. Para os brasileiros, Maria Thereza concorria com Jacqueline Kennedy em beleza e elegância.  

 

Maria Thereza Goulart acompanhada nos anos 50
Visita do casal vice-presidencial brasileiro João Goulart e Maria Thereza aos Estados Unidos, em 1956. Fonte: Wikimedia commons

 

Uma alta-costura brasileira

 

Desde então, Dener, com o seu trabalho e prestígio, favoreceu o aparecimento de outros nomes. Dentre eles, por exemplo, Clodovil Hernandez, Guilherme Guimarães e, futuramente, Markito e Ney Galvão (Braga, 2003). Antes de mais nada, esse foi o início da alta-costura no Brasil.

Foi então que tomou corpo a discussão sobre a autenticidade da moda brasileira, ou do que esta viria a ser. Nas palavras de Dener: “[…] a moda francesa dita a alta costura, enquanto a italiana influi nos modelos esportivos. Já a moda brasileira nasceu por necessidade climática […] nossa moda é tropical, com tecidos leves e estamparias mais vivas” (Dória, 1998, p. 131).  

 

 

O setor da moda nacional

 

Você também pode gostar!

Por fim, foi nos anos 50 que a moda eclodiu com uma profusão de eventos e fatos, como a realização de grandes desfiles. Além disso, foi nessa década que surgiram os primeiros questionamentos sobre a criação de uma moda de fato brasileira.

Nesse meio tempo, a Canadá de Luxe também foi pioneira com outra grande jogada do mundo da moda. Por iniciativa de Mena Fiala, a butique passou a apresentar em primeira mão as suas peças em um lançamento ao vivo às clientes.

Como isso era feito? Em desfiles de moda organizados pela Casa Canadá, meninas jovens que eram especialmente selecionadas e treinadas por D. Mena mostravam a elegância e beleza dos modelos disponíveis às possíveis clientes. Além disso, eles eram verdadeiros eventos sociais.

 

 Modelos se preparando para o desfile.
Modelos se preparando para o desfile. Fonte: Blog Intwo

 

Os desfiles da Casa Canadá

 

Dessa maneira, assim começaram os primeiros desfiles com manequins (as modelos da época) treinadas cuidadosamente na Casa Canadá por Mena Fiala.

Sendo um verdadeiro acontecimento, com ele se estimulou a cobertura das coleções pela imprensa emergente (por exemplo, a Revista Cruzeiro) e um maior apelo junto ao público alvo. Afinal, as pessoas queriam ver e também serem vistas!

 

 
Marta Rocha no concurso Miss Universo, 1954.
Marta Rocha no concurso Miss Universo, 1954. Crédito: Arquivo Nacional. Fonte: Wikimedia commons

 

Consequentemente, com a projeção que ganharam e o interesse que despertavam, os desfiles se tornaram super concorridos. Acompanhando a mudança das estações e, assim, das coleções, havia um total de quatro a cinco desfiles ao ano.

Nesse sentido, aos eventos atendiam não apenas as mulheres da alta sociedade brasileira, como diversos representantes da imprensa e outras personalidades curiosas.    

 

A indústria têxtil nos anos 50

 

Grupo de mulher na companhia Rhodia nos anos 50
Cooperativa de Consumo da Companhia Rhodianos anos 50. Nos anos 50, a indústria têxtil havia ganhado muito mais força e então buscava alavancar o mercado de moda o Brasil. Fonte: rhodia.com.br

 

Entre as grandes indústrias de tecidos estavam a Matarazzo, a Bangu e a Cia Brasileira Rhodiaceta. Antes de mais nada, elas precisavam conquistar uma maior aceitação de sua produção para um público que, até então, menosprezava o produto nacional.

Assim, passaram a convidar costureiros brasileiros reconhecidos, para produzir novas criações com os seus produtos. O objetivo era apresentar às sociedades paulista e carioca coleções de luxo feitas com tecidos nacionais.  

 

Modelos do Miss Bangu nos anos 50
Concurso Miss Bangu na década de 50. Fonte: avenidacopacabana.blogspot.com

 

Por exemplo, a Bangu criou a ‘Miss Elegante Bangu’, desfile que buscava promover os tecidos de algodão da empresa. Dessa maneira, também promovia a identidade nacional, numa época que era embalada pelos sonhos românticos de Hollywood, e em que os concursos de miss causavam comoção nacional.

Por fim, aproveitando o crescimento do setor, em 1958 Caio de Alcântara Machado criou a Fenit – Feira Nacional da Indústria Têxtil. Esse foi o primeiro salão de moda a reunir matéria-prima, maquinário e roupa, assinalando o amadurecimento do mercado.  

 

A imprensa nacional

 

Com os “anos dourados” da classe média, começou a ser dada grande importância à mídia e à indústria cultural. Assim, na onda desse crescimento também veio um interesse por parte da imprensa no setor da moda.

Nesse altura, a produção de revistas e jornais se intensificou, chegando a alcançar uma tiragem nacional. Em destaque estavam os colunistas de renome, que então passaram a exercer um papel importante na divulgação dos acontecimentos em torno do mundo da moda.

Antes de mais nada, até então a moda era ditada pelas colunas sociais e pelo gosto pessoal das mulheres da alta-sociedade – totalmente indiferentes à indústria nacional.  

 

“As Garotas de Alceu  Penna” e a moda dos anos 50

 

O ilustrador Alceu Penna foi um dos grandes nomes da moda nacional. Além de ter ajudado a construir a imagem do ícone Carmen Miranda, o artista foi o responsável pela coluna “As Garotas do Alceu”, publicada na revista “O Cruzeiro”.  

 

Ilustração de Alceu Penna nos anos 50
Ilustrações de Alceu Penna para a revista “O Cruzeiro”, em 1953. O ilustrador foi uma das principais referência da moda no Brasil dos anos 50. Fonte: Facebook Alceu Penna

 

Nesse época, a moda praia também ganhava cada vez mais projeção – dentro e fora do país. Desde a década de 40, essa publicação semanal era esperada por todas as brasileiras, que logo acudiam às respectivas costureiras para reproduzir aquilo que o que Alceu sugeria como moda.

Além disso, o ilustrador também criou roupas para os badalados concursos da época, como o Miss Bangu, patrocinados por essa indústria têxtil carioca. No evento, Gil Brandão aparecia como o modelista mais famoso (Braga, 2003).  

 

As publicações de moda nos anos 50

 

Capa de Gil Brandão da Revista Fon Fon, de 1953.
Capa de Gil Brandão da Revista Fon Fon, de 1953. Fonte: Blog Ilustração Portugueza

 

Já trabalhando como desenhista e ilustrador, Gil Brandão logo entrou para o seu primeiro trabalho no ramo da moda. O talentoso artistas começou a trabalhar como modelista para a Revista Fon Fon a partir de 1951.

Alavancada por essa diversificação, surgiu também a imprensa especializada em moda, então destinada aos profissionais do setor. De acordo com Joffily, Gil Brandão lançou nas páginas do Jornal do Brasil moldes prontos para roupa no ano de 1959.

O material foi revolucionário, já que propunha, acima de tudo, popularizar o uso de modelos com mais estilo pelas mulheres brasileiras.  

 

"Escolha seu modelo", ilustrações de Gil Brandão na Revista de Domingo, 1959.
“Escolha seu modelo”, ilustrações de Gil Brandão na Revista de Domingo, 1959. Fonte: Memoria BN

 

Gil Brandão começou a sua colaboração com o Jornal do Brasil logo no início de 1959, e a parceria duraria até 1967. Nesse meio tempo, ele foi o responsável pelas seções “Aprenda a costurar”, “Escolha o seu modelo”, “O modelo da semana”, “Nossas crianças” e “Interpretação de um modelo”.

O seu trabalho fez muito sucesso, e foi um estímulo para que  a década de 50 viesse com um verdadeiro boom de revistas especializadas em moda e tendências.  

 

Por Denise Pitta.

Editado e atualizado por Mariana Boscariol.

 

*Este é um trecho do relatório final da pesquisa Moda e Identidade Brasileira, feito por Denise Pitta de Almeida em 2003 à Faculdade de Moda da UNIP.

 

   

  • 2
    Shares

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

“Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda.” Tudo bem Mais detalhes