SPFW 47 – Paulo Borges desvenda segredos de negócio por traz do sucesso da SPFW + História do evento

Paulo Borges, o idealizador e diretor criativo da São Paulo Fashion Week, desvenda os segredos do sucesso e a para a longevidade do evento, que já se consolidou como a maior semana de da América Latina e uma das maiores do mundo!

Na próxima semana, durante os dias 22 a 27 de abril de 2019, acontecerá a edição 47 no novo espaço ARCA, Vila Leopoldina, que recebeu o evento em outubro pela primeira vez e impressionou o público. A edição contará com desfiles de Lenny Niemeyer, Reinaldo Lourenço, Piet e outras novidades.

Para entender a importância do SPFW, segue uma breve história da semana de moda mais bombada do Brasil e também de negócios do Paulo Borges, idealizador do evento.

Como surgiu o SPFW?

O produtor de eventos Paulo Borges é o idealizador da SPFW, que nasceu em 1995, através de uma parceria com a marca de cosméticos Phytoervas para desenvolver um evento de moda que recebeu o nome de Phytoervas Fashion.

Paulo, desde o início, fazia questão de apresentar designers e criações 100% brasileiras, já que até então, as tendências brasileiras eram pautadas de acordo com os desfiles internacionais. A primeira edição contou com três desfiles, realizados em três dias, de nomes como Alexandre Herchcovitch, Walter Rodrigues e Sonia Maalouli. Este formato durou oito edições e evoluiu para o São Paulo Fashion Week que conhecemos hoje.

Atualmente, o SPFW está entre os maiores eventos globais: é a quinta maior semana de moda do mundo e a maior do Brasil, movimentando mais de R$ 5 milhões no mercado nacional. Números de dar orgulho em meio a tanta notícia ruim que temos ouvido por aí.

Alguns nomes como Gisele Bündchen, , , Naomi Campbell, Candice Swanepoel e Karolina Kurkova já desfilaram em solo brasileiro em edições do São Paulo Fashion Week.

Gisele Bündchen em desfiles para a no SPFW

Gisele Bündchen
Naomi Campbell
Karolina Kurkova
Paris Hilton
Candice Swanepoel
Candice Swanepoel

 Paulo Borges desvenda segredos de negócios do SPFW

Em uma coletiva direcionada aos jornalistas, Paulo Borges, o idealizador e diretor criativo da São Paulo Fashion Week desvendou os segredos do sucesso e a receita para a longevidade do evento, que já se consolidou como a maior semana de moda da América Latina.

Eu fico conectando pessoas e empresas. Não é a toa que hoje a Chilli Beans faz uma série de ações com protagonistas que participam da SPFW. Isso não é o acaso, não é o destino, é uma construção! Não é um acaso, que marcas como o Santander participem do evento – é uma elaboração estratégica, econômica e financeira.  O mesmo acontece com o Senai.

Existem conexões pensadas, e esse processo ocupa 70% do meu tempo. Eu fico colocando um ponto no outro, o tempo todo, isto é, juntando partes para que se fomentem outros negócios, que se crie outras conexões. Esse é sem dúvida, o sucesso do SPFW.” Revela Paulo Borges.

Related Post

“O meu trabalho é costurar um e outro. Por exemplo, a Braskem entrou em contato sobre um projeto: um polímero reciclado a partir do plástico e que depois vira um fio e eles precisavam que esse fio virasse um tecido para ir para passarela. Fui na Berlan para fazer o tecido, procurei a Patricia Bonaldi – tenho um projeto que é a sua cara, vamos tomar um café! – Senta todo mundo junto e aí eles fazem. E isso gera todo um novo negócio. É esse processo que eu faço e que alimenta o São Paulo Fashion Week.” Comenta Paulo.

Traduzindo, o grande segredo da energia do evento, que já passa das duas décadas de sucesso, é gerar negócio e visibilidade aos participantes, tendo como pano de fundo não só o da moda, mas toda uma sobre o novo na cultura.

Não é à toa que a semana de moda de São Paulo, dá um de sustentabilidade e mostra sua maturidade em tempos de crise, fazendo os ajustes necessários e explorando novos espaços e conexões. Com uma cultura mais acolhedora e menos competitiva, o evento atualmente está charmoso, mas não pretensioso.

 
Paulo Borges, Idealizador da São Paulo Fashion Week, Denise Pitta do Fashion Bubbles e Roberto Ethel da MKTMix

Sobre as Redes Sociais

Questionado sobre o impacto das redes sociais na moda, Paulo Borges, pondera:

“O mais bacana das redes sociais, é que ela deu um universo particular de estado de alma,  em que eu posso ter um negócio menor, pequeno. Por exemplo,  a minha ideia é tão importante que ela é relevante, mas eu não quero vender um milhão de peças, eu quero vender mil…

Aí eu vou entender se eu sobrevivo, se fico feliz com estas mil peças… Se não, agora eu quero vender 100 mil peças. Essa possibilidade de ajuste individual de cada negócio, atualmente é possível, porque você tem formas de se comunicar e você pode ir criando as suas próprias redes. ”

Alguns números da Moda

A cadeia produtiva da moda emprega 2 milhões de pessoas no Brasil e a expectativa é que esse mercado registre um crescimento anual, em média, de 2,6% em volume de recursos, até 2021. Os micro e pequenos empresários são parte fundamental do universo da moda, revela Guilherme Afif Domingos, presidente do Sebrae.

Por meio de eventos como o SPFW, marcas ganham visibilidade e perspectiva de alavancar novos negócios, já que as atividades realizada  visam fomentar a abertura de novos mercados, além de também inserir pequenos negócios no circuito de moda mais importante do país e fortalecer a rede de parceiros.

Instagram

 

Denise Pitta: Denise Pitta é digital influencer e empreendedora. Uma das primeiras blogueiras de moda do país, é idealizadora do Fashion Bubbles, e também CEO do portal que já recebeu mais de 110 milhões de visitas. Estilista, formada em Moda e Artes Plásticas, atuou em diversas confecções e teve marca própria de lingeries, a Lility. Começou o blog em Janeiro de 2006 e atualmente desenvolve pesquisas de Moda Simbólica, História e Identidade Brasileira na Moda e Inovação. Além de prestar consultoria em novos negócios para Internet. É apaixonada por filosofia, física quântica, psicanálise e política. Siga Denise no Instagram: @denisepitta e @fashionbubblesoficial