Empresas brasileiras de gemas participam de feira no exterior

159

Ao todo 34 empresas brasileiras de gemas participam da GJX Tucson 2020, uma das maiores feiras internacionais do segmento que acontece nos Estados Unidos. Apoiadas pelo Precious Brazil, as marcas mostram grandes expectativas para o evento. Principalmente porque abre o ano de vendas do setor de gemas e joias.

Peter Valicek, uma das empresas brasileiras na GJX Tucson 2020

O mercado americano

As pedras preciosas e os artefatos minerais são o carro chefe das exportações para os Estados Unidos. O país é considerado o principal mercado do projeto. As exportações das empresas apoiadas para o EUA somaram US$ 57,5 milhões entre janeiro e setembro de 2019. Esse número representa um crescimento de 15% em relação ao ano anterior. “O Precious Brazil vem intensificando as ações de valorização do produto. Quer adotando estratégias junto a formadores de opinião, quer como agregando maior valor pelo incremento do design”, explica Clarissa Maciel, coordenadora de Relações Internacionais do projeto. “Assim sendo a expectativa é que os números cresçam ainda mais”.

Empresas brasileiras de gemas na GJX Tucson 2020

Para Ronaldo Alves, da R & R Gemas, que participa do projeto há 18 anos, estar no Precious Brazil é sinônimo de prestígio. “Depois da parceria ficamos por dentro de todas as atividades relacionadas às feiras, o que facilita muito o nosso trabalho”, diz. “Para a GJX Tucson 2020 esperamos fazer bons contatos para negócios futuros e temos uma ótima expectativa de venda”.

Você também pode gostar!

Assim é também a percepção de Lilian Duarte, da Duarte & Bastos Ltda. “Essa feira abre o ano de vendas do setor de gemas e joias. Temos orgulho em apresentar uma coleção inigualável de águas-marinhas coradas, turmalinas azuis e verdes azuladas”, explica. Apoiada pelo projeto desde o início, Lilian ressalta sua importância não só para consolidação da sua marca no exterior como também na ajuda às promoções e no fortalecimento do grupo de exportadores de gemas.

 

Para Vitória Fiuza de Melo, presidente da Art Ouro, existe de fato um reaquecimento do mercado americano. Em sua opinião, houve um fortalecimento da imagem do país como produtor com o Precious Brazil. “É um importante marco na identificação do Brasil como exportador de gemas finas”, conta.

Há 10 anos no projeto, Peter Valicek, da empresa que leva o mesmo nome, acredita que o Precious Brazil fomente o interesse público pelas gemas brasileiras. “A GJX Tucson tornou-se o maior evento do calendário do setor de gemas e joias. É uma excelente plataforma internacional para a compra e venda”, diz e conclui: “Além disso, atua como termômetro para as tendências de mercado que prevalecerão no ano”.

 

Sobre a Apex-Brasil

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira. A Agência realiza ações diversificadas de promoção comercial, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais, e visitas de compradores estrangeiros e formadores de opinião para conhecer a estrutura produtiva brasileira.

Sobre o Precious Brazil

O Projeto Setorial visa apoiar e promover as empresas brasileiras dos segmentos de pedras, bijuterias e joias brasileiras que queiram exportar seus produtos, sejam elas iniciantes, exportadoras e internacionalizadas. Conduzido pelo IBGM – Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos em parceria com a Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – o projeto atende atualmente cerca de 150 empresas do setor.

você pode gostar também