A Nova Ouro Fino

39

 73flajeano1.jpg

Tem muita gente querendo virar lajeano, mas, sorry, no hay vagas! Lajeano é o novíssimo substantivo da linguagem de publicitários no Brasil. E aquele que faz parte da Laje, o “shopping de criação” no teto da Galeria Ouro Fino. O espaço recém-inaugurado tem produtora de cinema, estúdio fotográfico, agência de comunicação, galeria de stickers, gravadora, consultoria de figurino… Todos os escritórios são independentes – mas têm sintonia na linguagem para serem complementares.

Dia desses na happy hour (que ali é por volta das 21 horas), havia The Kills rolando em alto som, e parte da gataria da Laje tomava uma cervejinha jogando bilhar no hall, enquanto a designer Flavinha Soares preparava uma parede de stickers para o lançamento de sua galeria Cubículo. Outros trocavam ideias sobre um projeto, debruçados na sacada com vistão para a Rua Augusta.

A Laje é coisa nova – tem dois meses de vida -, mas já é considerada um grande acerto dos cineastas Homero Olivetto e Sérgio Cuevas, que a montaram o lugar meio que sem querer.

Na volta de uma temporada de três meses no sertão da Paraíba, Homero foi procurado por Cuevas – com quem já tinha trabalhado na extinta SFilmes – para montar uma produtora enxuta. Por indicação da designer Francisca Botelho eles acharam um imóvel de 150 metros quadrados no topo da Ouro Fino. Mas o proprietário só alugaria o espaço se eles ficassem com todo o andar do prédio construído nos anos 60. Levaram! Mas o quefazer com o resto daquelas salas micadas, destruídas? “Começamos a oferecer para conhecidos e a idéia se espalhou no boca a boca”, conta Homero, que é filho do publicitário Washington Olivetto.

73flajeano2.jpg

Quando se chega lá, a impressão é de estar em casa de amigos – e de gente que é e está cheia de novidades. Francisca foi a primeira a instalar seu ateliê, onde está produzindo para a Barney’s de Nova York uma nova coleção ecologicamente correta de jóias, cobrindo de ouro folhas caídas das árvores de sua fazenda.

Você também pode gostar!

Vieram em seguida os produtores culturais Beto Lago e Chico Lowndes com o QG do Mercado Mundo Mix – que este ano chega à Espanha -, a jornalista Mónica Figueiredo, com a nova editora Salacadula, as figurinistas do Atelier 5 e as neo-estilistas ítalo-chinesas Carol e Clarisse Lu da M. Butterfly. Depois, a OLôko Records, de Biba Beujart. “Ela tem em mãos uma cantora que é uma loucura: a Lua, que tem uma voz poderosa e vai abrir o Pan. O disco é absurdo, feito com Lenine, BNegão e mais 52 músicos, e remixado por Bob Power, que faz músicas para Erykah Badu”, diz o diretor Rodrigo Pitta, da CriaLab, produtora de eventos multimídia. A interação entre os lajeanos é natural.

Eles abrem as portas para festas e produzem tudo. Para circular por lá, só by appointment. Mas a idéia é evoluir para centro cultural.

Por RG Vogue

Matéria do Mercado Competitivo.

Outras matérias interessantes dessa edição:

– AREZZO ABRIRÁ 300 LOJAS NA CHINA

-PARA ALUGAR BOLSAS DE GRIFES DE LUXO, BASTA CLICAR NO MOUSE

você pode gostar também