relógio horário de verão

Quando começa o horário de verão em 2022?

Está chegando aquele momento: o de ajustar o relógio colocando uma hora a mais no tempo. Isso mesmo, estamos falando do horário de verão. Mas,…

Compartilhe

Está chegando aquele momento: o de ajustar o relógio colocando uma hora a mais no tempo. Isso mesmo, estamos falando do horário de verão. Mas, quando começa o horário de verão em 2022?

O novo decreto em relação ao horário de verão em 2022 está chegando. Ainda este mês, o Governo Federal deve decidir sobre o seu retorno ou não este ano, como parte de um pedido especial, feito no último mês de agosto, do Ministério de Minas e Energia.

Embora o Ministério esteja fazendo estudos sobre essa possibilidade, a decisão vai caber exclusivamente ao Governo Federal, através do parecer oficial do presidente Jair Bolsonaro (PL) – atualmente concorrendo no segundo turno das Eleições de 2022.

relógio horário de verão
Saiba quando o horário de verão em 2022 começa! Créditos da imagem: Unsplash

Extinto em 2019 pelo atual governo de Jair Bolsonaro, o horário de verão, basicamente, consiste em uma medida para o aproveitamento máximo da luminosidade solar durante o dia a dia.

Desta maneira, com a aplicação da estratégia, é possível gerar uma redução do consumo da energia elétrica, já que ocorrerá a expansão do período de utilização da luz natural em relação aos aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos.

Neste post, você vai conhecer mais sobre o horário de verão, se ele ainda volta em 2022 e quando. Continue a leitura para saber mais!

O que é o Horário de Verão?

Estabelecido durante o governo de Getúlio Vargas, no mês de outubro de 1931, o Horário de Verão é uma determinação que segue os parâmetros do decreto número 20.466, que estabelece a hora de economia de luz no verão em todo o território nacional.

Contudo, a Constituição Federal também fundamentou a implantação desta medida em áreas, regiões e artigos específicos.

Apesar desta questão, o horário de verão não foi implementado em anos consecutivos, pois, ele chegou a ser cancelado em 1933 – embora tenha retornado no ano de 1949 (mais de uma década sem a medida no calendário brasileiro.

Além disso, outro importante ponto a ser ressaltado é que nem todos os estados do Brasil aderiram à medida, pois, segundo o Governo Federal, as competências estaduais foram autorizadas para que decidissem de maneira independente quanto à participação.

A partir de 2008, o horário de verão ganhou caráter obrigatório. Contudo, seu encerramento oficial aconteceu em 2019, quando foi pautado na neutralidade econômica do setor elétrico.

À época, o Governo chegou a realizar estudos que concluíram que o horário de verão não trazia resultados tão significativos para o consumo de eletricidade entre os brasileiros – embora criasse uma série de imposições aos trabalhadores, mas, principalmente, na indústria.

Quais são os efeitos do horário de verão nas pessoas?

De acordo com especialistas, o horário de verão, ou seu término dele, pode ser traduzido como o desajuste do relógio biológico do ser-humano.

Enquanto o organismo ainda não se adapta ao novo horário, a pessoa acaba se sentindo mais sonolenta, consequentemente, ficando mais cansada e menos atenta. Todos esses fatores ajudam a compreender status temporários na diminuição do rendimento no acadêmico, profissional e do cotidiano em geral. 

Existe uma estimativa que aponta que o prazo para que o organismo das pessoas se adapte ao horário de verão é de até uma semana.

Contudo, existem pessoas que não conseguem se adaptar ao relógio adiantado em 1 hora, medida prevista pelo horário de verão. Geralmente, essas pessoas são daquelas que pertencem aos grupos cujo maior rendimento acontece no período noturno.

O horário de verão volta em 2022? 

De acordo com a CNN, novos estudos do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apontam que o retorno do horário de verão neste ano não trará benefícios para a operação do sistema elétrico nacional. 

Extinto em 2019, a análise sobre a possibilidade de retomar o mecanismo foi feita a pedido do Ministério de Minas e Energia (MME) em agosto deste ano.

Contudo, apesar do apelo, a decisão sobre o retorno ou não da medida caberá ao Governo Federal. Por sua vez, os resultados da nova análise devem ser apresentados ainda na próxima reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), colegiado presidido pelo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida

O principal objetivo do estudo realizado pelo NME foi o de analisar quais seriam os efeitos de adiantar um pouco o pico de consumo elétrico do período noturno para um horário em que ainda tenha sol.

Desta maneira, a geração da luminosidade solar ajudaria na redução da necessidade de ativar outras fontes, como as redes elétricas, que poderiam custar mais caro aos setores que fizessem seu uso.

Assim que anunciarem vamos atualizar o post com essas informações!

Compartilhe

Notícias em Alta

Últimas Notícias