6 provas de que a Gucci é uma marca disruptiva

Saiba mais sobre a Gucci e as estratégias de uma das maiores grifes de luxo do mundo!

- Continue depois da Publicidade -

Por muito tempo, as marcas de luxo conservaram padrões tradicionais de moda. Logo, manter condutas elitistas foi característica de suas ações por muito tempo. Todavia, nos últimos 5 anos esse cenário tem mudado, e a Gucci é um bom exemplo disso.

Criada por Guccio Gucci em 1902, em Florença na Itália, a marca tem em suas bases, o requinte e o fazer artesanal.

No entanto, no século XXI, diante das mudanças, sobretudo, pela globalização e tecnologias da informação, a label precisou se reposicionar.

Nesse sentido, a notória grife de malas e bolsas, tem criado ações e estratégias coerentes com o espírito dos novos tempos.

Confira!

 

- Continue depois da Publicidade -

As estratégias nada convencionais da marca Gucci

 

Gucci
Fonte: Metrópoles

 

- Continue depois da Publicidade -

  •  Enquanto isso, aproveite e nos siga no Google News para para saber tudo sobre Moda, Beleza, Famosos, Décor e muito mais. É só clicar aqui, depois na estrelinha 🌟 lá no News.

1. A vertente streetwear e jovem da Gucci

 

- Continue depois da Publicidade -

Nesse sentido, as campanhas da maison mostram sua estratégia de, pôr meio da imagem, comunicar sua transição de posicionamento. Logo, uma identidade mais atual.

 

  • Leia também: House of Gucci: amor, assassinato e moda. Veja o trailer do filme

 

Gucci
Fonte: Pinterest

 

2. O olhar plural quanto as imposições de usos e gênero na moda

 

Ao criar imagens que questionam a binaridade tradicional, a marca desmitifica o uso de produtos “femininos” e “masculinos”.  Assim, revela a coerência de suas ações com os debates modernos.

Nesse sentido, a ação com o cantor Harry Styles,  com o uso frequente da bolsa de ombro, convencionalmente usada pelo gênero feminino, marcam esta nova visão.

 

  • Leia também: A Moda do amanhã – 10 caminhos para pensar a trajetória da Moda de agora em diante.

 

Gucci
Harry Styles. Fonte: Gucci

 

3. Gucci aderiu à tendência de integração

 

A grife italiana privilegia, em suas coleções e desfiles, corpos antes à margem da moda, em especial a moda de luxo.

Como resultado, a maison apresenta campanhas com corpos pretos, amarelos, bem como pessoas com nanismo ou fora dos padrões que por muito tempo foram ditados pela moda.

 

 

 

Gucci
Campanha com modelo com Síndrome de Down realizada pela Gucci. Fonte: Pinterest

 

4. Modelos negras em suas campanhas e desfiles

 

Você também pode gostar!

A escolha recorrente de corpos pretos em suas campanhas e desfiles promove o empoderamento e a visibilidade de toda uma comunidade.

Sem dúvida, um trabalho em prol da diversidade e contra o racismo, fato que demonstra a capacidade da marca de interpretar o espirito do tempo (zeitgeist).

 

 

Gucci
Fonte: Gucci

 

5. Presença de modelos asiáticos

 

A presença de asiáticos nas últimas campanhas e a recepção às culturas menos eurocentradas, prova sua atualidade global. Além disso, há também uma tática de mercado, já que o público chinês, por exemplo, representa a maior alta de consumo no segmento de luxo.

Segundo uma pesquisa do Mercado e consumo (2020), “os clientes chineses responderam por 90% do crescimento constante do mercado em 2019, atingindo 35% do valor dos produtos de luxo”.

 

 

Gucci
Fonte: Metrópoles

 

6) O distanciamento de estéticas luxuosas estereotipadas

 

Sem dúvida, a visualidade de Gucci comunica o conceito de um novo luxo.

Mesmo assim, apesar de nas últimas coleções ter sido notório linguagens de moda mais abrangentes, os valores dos produtos continuam pouco acessíveis.

Mediante isto, fica claro que as ações de Gucci apontam que seus antigos valores estão sendo questionados, ou seja, revisitados à luz do século XXI.

Além disso, as manifestações disruptivas de Gucci, ou seja, que rompem com a norma em vigor, reforçam toda uma onda comportamental, social e histórico-cultural na qual vivemos.

Sendo assim, quanto mais cedo marcas e profissionais entenderem como interpretar as mudanças de condutas, crenças e gostos e assim aplica-los aos negócios e criações fashion, melhor.

Pautas aperfeiçoam a moda, tornando-se mais humana e atual.

Concorda?

Então, aproveite e acompanhe também todas as nossas dicas de moda e estilo e fique por dentro de todas as principais tendências do momento.

 

Quer aprofundar seus conhecimentos em consumo e tendências de moda?

 

Então, se inscreva no curso online SINAIS DE FUTURO: tendências e consumo de moda. Nele você aprenderá a identificar, analisar e aplicar as tendências através de um método autoral desenvolvido Carol Siq, que é resultado de mais de 15 anos de experiência e estudos na área.

Inscrições abertas, garanta sua vaga!

Mais informações pelo Instagram: https://sharesiq.com.br/sinais-de-futuro/

Ou pelo link: http://encurtador.com.br/rLZ48

 

Sobre a colunista: Carol Siq, professora universitária, de cursos livres e, mentora de negócios de moda. Possui experiência de mais 15 anos no mercado de moda, com expertise em consumo, branding, tendências e cultura/história da moda.

Na área acadêmica é doutora em História pela UEM, com estudo sobre a Moda brasileira no século XXI. Também é autora/organizadora de livros e capítulos de livros na área, como “Linguagem visual”; “História, Moda e Meios de comunicação” (2018); e autora do capítulo: A influência da mídia de moda e a identidade de modelos negras” do livro: Indumentária e moda: caminhos diversos (2014).

Insta Profissional: @share.siq

 

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

“Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda.” Tudo bem Mais detalhes