O governo brasileiro persegue os empresários e profissionais liberais a pauladas

- Continue depois da Publicidade -

0420

Perdura no Brasil uma cultura de que todo empresário é corrupto e que sempre quer explorar os pobres coitados trabalhadores. Em nome dessa política o empresário é explorado ao máximo, corrompido e transformado em corrupto-bandido, uma vez que é impossível seguir toda burocracia ou pagar a inominável carga tributária imposta pelo governo.

Tenho visto muita gente falar em distribuir riqueza, mas muito pouco em se produzir essa mesma riqueza. Os empreendedores são castigados ao máximo e números assustadores marcam o setor: 90% das empresas brasileiras fecham nos 5 primeiros anos de sua existência.

A Folha de S. Paulo traz uma ótima crônica de Luiz Felipe Pondé questionando essa inversão de valores e denunciando o desrespeito pelos empresários brasileiros:

Você também pode gostar!

- Continue depois da Publicidade -

“O governo brasileiro persegue esta classe de empresários e profissionais liberais a pauladas, cobrindo-os de obrigações tributárias impagáveis para que sejam obrigados a corromper o próprio governo. Um fascismo fiscal.

Por exemplo: por que alguém deve pagar 40% de multa do FGTS quando demite um funcionário? Qual a infração que mereceria esta multa de 40%? Eu digo qual: para a mentalidade jeca brasileira, dar emprego é crime, empregador é bandido que deve ser punido. Eis um exemplo de pauladas. No Brasil só bobo e quem não tem jeito dá emprego. Uma saída é exigir pessoa jurídica de todo mundo e enterrar todo mundo em centenas de tributos. Eis o fascismo fiscal.

- Continue depois da Publicidade -

Quero ver os bonzinhos, bonitinhos e melosos continuarem bonzinhos, bonitinhos e melosos quando tiverem que pagar a multa de 40% do FGTS (depois de 10 anos) quando quiserem demitir uma empregada que maltrata seu filho.

Pequenos e médios empresários e profissionais liberais é que fundam a riqueza de um país e enquanto os caçarmos, inclusive considerando-os bandidos, o Brasil não sairá da miséria. Adam Smith, e não Marx, deveria estar em nossas cartilhas.”

Leia matéria completa no site da Folha.

- Continue depois da Publicidade -

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

“Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda.” Tudo bem Mais detalhes