Em um esforço para conter o aquecimento global, os engenheiros da Purdue University criaram a tinta mais branca de todos os tempos.

Os prédios revestidos com essa tinta podem resfriar-se o suficiente para reduzir a necessidade de ar-condicionado, dizem os pesquisadores.

A brancura da tinta também significa que é a mais fria já registrada. Usando equipamentos de leitura de temperatura de alta precisão chamados termopares, os pesquisadores demonstraram ao ar livre que ela pode manter as superfícies 10 graus Celsius mais frias do que o ambiente.


tinta branca


Em outubro, a equipe criou uma tinta ultra branca que ultrapassou os limites da aparência da tinta branca. Agora eles superaram isso. Não apenas a mais nova é mais branca, mas também pode manter as superfícies mais frias do que a formulação que os pesquisadores haviam demonstrado anteriormente.

Isso é mais poderoso do que os condicionadores de ar centrais que a maioria das casas usa.



Os pesquisadores acreditam que este branco pode ser o equivalente mais próximo do preto mais preto, “Vantablack”, que absorve até 99,9% da luz visível.

A nova fórmula de tinta mais branca reflete até 98,1% da luz solar, em comparação com 95,5% da luz solar refletida pela ultra branca anterior dos pesquisadores, e envia o calor infravermelho para longe de uma superfície ao mesmo tempo.

O artigo de pesquisa da equipe mostrando como a pintura funciona é destaque na capa da revista Applied Materials & Interfaces.

Essa tinta branca é o resultado de seis anos de pesquisa baseada em tentativas que datam da década de 1970 para desenvolver tinta de resfriamento radiativo como uma alternativa viável aos condicionadores de ar tradicionais.



Como funciona a tinta?



  • Confira também: Papel de parede: quais os tipos, como colocar e onde usar

Duas características conferem à tinta sua brancura extrema: primeiro, a alta concentração de sulfato de bário, um composto químico usado para tornar brancos os papéis fotográficos e cosméticos, e, em segundo lugar, os diferentes tamanhos de partículas do composto.

A quantidade de luz espalhada por cada uma dessas partículas depende de sua magnitude, “portanto, uma faixa mais ampla no tamanho das partículas faz com que a tinta espalhe uma porção maior do espectro da luz solar”.