Movimento Queer, o que é? Teoria, significado e características

A Teoria Queer, consolidada por Judith Butler na obra Problemas de Gênero, é representada por indivíduos “estranhos” ou fora dos padrões sociais. Para conferir todos os detalhes desta jovem corrente ideológica, confira o texto a seguir!

Fonte: Canva.

No âmbito da sexualidade, o Movimento Queer tem tido bastante relevâncias graças à sua na luta por direitos da comunidade LGBTQIA+.

Em suma, trata-se de um movimento recente, iniciado na década de 1980 através de estudos acadêmicos sobre gênero, sexualidade e corpo.

Apesar de ainda estar em desenvolvimento, poucas pessoas conhecem realmente seu objetivo.

 

Entendendo alguns conceitos importantes

 

 

Fonte: Canva.

 

Qual a origem do termo Queer?

 

Existem alguns conceitos que devemos explorar para a melhor compreensão do Movimento Queer. Primeiramente, o termo Queer em si.

Antigamente, a palavra Queer, característica em países de Língua Inglesa, possuía um tom pejorativo, o equivalente a “bicha” em português.

Related Post

Agora, o significado da palavra Queer varia conforme a perspectiva adotada em cada estudo.

Mas, de forma geral, o conceito serve como um termo guarda-chuva para abarcar as orientações sexuais que se desviam da heteronormatividade.

 

LGBTQIA +

 

Fonte: Canva.

 

A sigla LGBTQIA+ surgiu nos Estados Unidos durante a década de 1970, claro que não com as siglas atuais.

Inicialmente, seu objetivo era unificar orientações sexuais e identidades de gênero, criando um senso de comunidade. Nesse contexto, também criou-se a bandeira Queer.

Por consequência, houve a criação da sigla GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes), que não compreendia uma diversidade tão ampla de orientações e identidades.

Posteriormente, ela foi modificada para LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) e,  gradualmente, o Q (Queer), o I (Interssexual) e o A (Assexual) foram incorporados.

 

 

Sexo biológico

 

Fonte: Canva.

 

Embora o significado de sexo biológico pareça óbvio, fazer esse tipo de conceituação é primordial para evitarmos conflitos com outros termos importantes.

Dessa forma, existem apenas dois sexos: masculino e feminino, designados e não passíveis de escolha, já que estão ligados à biologia.

Em outras palavras, o sexo biológico está associado aos cromossomos passados para o embrião ainda na fecundação.

Entretanto, o Movimento Queer o enxerga como uma imposição que, por vezes, discorda de uma série de questões identitárias.

 

  • Veja ainda Gucci Fest: A semana digital que revolucionou a moda internacional.  A grife estabeleceu sua nova estratégia celebrando a diversidade.

 

Gênero

 

Fonte: Canva.

 

Em resumo, ele inclui questões como os papéis sociais, comportamentos e características individuais.

Segundo o Movimento Queer, ele pode ou não estar alinhado ao sexo designado no momento do nascimento.

 

  • Depois, veja também ótima matéria para entender Identidade e Gênero – As diferenças entre corpo biológico, gênero, orientação sexual e expressão de gênero

 

Cisgênero, transgênero e genderqueer

 

Fonte: Canva.

 

Quando há o alinhamento da pessoa ao sexo, surge a denominação cisgênero. Em situações de discordância, os indivíduos são considerados pessoas transgênero.

Nessa categoria, estão presentes as pessoas não identificadas ao sexo biológico ou oposto.

Portanto, elas preferem não se definir, adotando identidades fluidas.

 

 

Identidade de gênero

 

Fonte: Canva.

 

A identidade de gênero é totalmente subjetiva, em que diz respeito à forma como a pessoa se sente em relação ao próprio gênero.

Além disso, também são parte da identidade de gênero a forma como a pessoa se percebe em sociedade e a forma como ela se expressa, seja através do vestuário ou aparência.

As situações de conflito surgem quando uma determinada pessoa destoa do que é imposto ao seu sexo biológico.

Como resultado, passa a performar com outra identidade de gênero, que, por vezes, pode ser interpretada como não condizente ao que é socialmente aceito.

 

Orientação sexual

 

Fonte: Canva.

 

Outro conceito importante para compreender o que é Queer é a orientação sexual.  Em resumo, ela está relacionada à forma de se relacionamento afetivo e sexual de cada indivíduo.

O motivo para essa troca é que o termo “opção” passava a ideia de escolha da sexualidade, reforçando alguns aspectos bastante nocivos ao gênero Queer e à comunidade LGBTQIA+.

Entre eles, a ideia de que a homossexualidade poderia ser revertida através de tratamentos médicos.

 

  • Siga o Fashion Bubbles no Google News para para saber tudo sobre Moda, Beleza, Famosos, Dercoração e muito mais. É só clicar aqui, depois na estrelinha 🌟 lá no News.

 

O que é o Movimento Queer?

 

Fonte: Canva.

 

O Movimento Queer é uma ramificação do movimento LGBTQIA+, mas que acrescenta a cultura, a arte e a Academia em seu escopo.

Portanto, além dos direitos políticos e sociais da população LGBTQIA+, o Movimento Queer também visa a inserção cultural e o reconhecimento de manifestações artísticas feitas por e para pessoas Queer.

Além disso, deseja ampliar as discussões a respeito do significado de Queer enquanto algo que se desvia da norma cisgênera socialmente imposta.

Por este viés, o movimento se faz muito presente em ambientes acadêmicos.

 

Como surgiu o movimento Queer?

 

Fonte: Canva.

 

O Movimento Queer surgiu durante a década de 1980. Na época, estudiosos presentes em ambientes acadêmicos passaram a olhar para a população LGBTQIA+ e se dedicaram a entender o que é Queer.

Quando se pensa teoria Queer na educação, um dos nomes mais importantes é Judith Butler, autora de Problemas de Gênero ,e atualmente, uma das escritoras mais lidas por estudiosos do assunto.

Na obra, Butler delimita algumas características Queer, mas deixa claro que o termo serve para designar tudo o que destoa dos padrões sociais.

Logo, não existe uma única forma de ser uma pessoa Queer na visão da autora.

 

Quem são as pessoas que fazem parte do Movimento Queer?

 

Fonte: Canva.

 

Devido à abrangência do termo Queer, qualquer pessoa que se desvie da heteronormatividade pode fazer parte do movimento.

Como resultado, passou-se a considerar a palavra Queer como algo “estranho” socialmente.

Atualmente, o significado de Queer está fortemente ligado à ideia de choque ou surpresa.

Portanto, tudo o que desafia o conservadorismo através da sua expressão de gênero e sexualidade pode ser categorizado enquanto Queer, independente da orientação sexual.

 

  • Veja também A Cultura TRANS e seu impacto em uma sociedade de Transição: Será que estamos vivendo em uma cultura TRANS? Nossos alimentos são TRANSgênicos, nossos brinquedos são TRANSformers. Pessoas TRANSitam entre os gêneros e sexos e até mesmo entre as cores das raças, como diria, Michael Jackson. Entenda este fenômeno da sociedade contemporânea em TRANsição sob o olhar do filósofo Jean Baudrillard e da socióloga Melinda Davis.

 

Qual a relação do movimento Queer com a política?

 

Fonte: Canva.

 

Assim, as características Queer enquanto movimento são de contestação por um lugar na sociedade equiparável ao das pessoas heterossexuais.

Portanto, direitos políticos também fazem parte das suas lutas.

Inclusive, caso a faceta politizada e social do movimento não existisse, não haveria a necessidade de agrupá-lo em torno de uma sigla e de criar símbolos.

 

Como é se identificar como integrante do Movimento Queer?

 

Fonte: Canva.

 

Trata-se de um processo interno de autodescoberta, que pode ser amparado por pesquisas e conceitos tratrados até aqui.

Também devemos destacar que é algo mais marcado pela subjetividade. Ou seja, questões sociais que vão desde o vestuário até envolvimentos afetivos.

Mais do que procurar um guia de “como saber se é Queer”, cada indivíduo deve se conhecer.

 

Queer Art

 

Fonte: Artsy.

 

É possível descrever a Queer Art como um movimento não oficial que surgiu nos Estados Unidos e na Europa durante os anos 80.

Nota: essa expressão artística é bastante marcada pelo erotismo. Entretanto, existem artistas Queer que optam por se alinhar a uma arte mais conceitual.

Uma década após seu surgimento, a Queer Art já chamava a atenção da crítica especializada internacional.

Como resultado, houve sua popularização em várias frentes, como as artes plásticas, fotografia, música, cinema e teatro.

 

Movimento Queer nas artes plásticas 

 

Fonte: Canva.

 

Após a Queer Art conquistar seu espaço nos anos 90, além de funcionar como uma ferramenta de expressão da homossexualidade, se transformou em instrumento de denúncia.

Assim, vários artistas passaram a abordar questões pertinentes ao contexto sociohistórico da época em seus trabalhos.

Além disso, usaram a arte para questionar a negligência do Estado no combate à AIDS, doença que assolava o mundo durante os anos 90.

Além disso, era ignorada pela OMS por sua associação com a comunidade gay, visão estreita e preconceituosa.

 

 

Principais características da Queer Art

 

Fonte: Etsy.

 

Primeiramente, a arte politicamente engajada (também chamada de contextual ou conceitual) e os trabalhos homoeróticos.

Assim, vale expor as características de ambos:

Politicamente engajados

  • Abordam a homofobia e o preconceito;
  • Usam sangue e excreções humanas em sua composição;
  • Fazem uso de objetos fálicos e bizarros;
  • Incluem instrumentos de tortura nas obras pra representar a dor.

Homoeróticos

  • Retratam cenas que podem despertar o desejo sexual em quem vê;
  • Podem ser explícitos ou delicados, voltados a subjetividade.

Luta contra o preconceito – Queermuseu

 

Fonte: Gay.blog.br.

 

O Queermuseu foi uma exposição de arte que ocupou o Santander Cultural de Porto Alegre e gerou polêmica.

Na época, uma série de acusações de pedofilia, ofensas à religião e zoofilia surgiram.

Tais acusações ocorreram pela internet e foram encabeçadas pelo Movimento Brasil Livre (MBL), cujo discurso foi o suficiente para gerar uma espécie de pânico moral na educação de crianças e jovens.

Em 2018, um financiamento coletivo resgatou a exposição, sendo reinaugurada no Parque Lage, no Rio de Janeiro.

 

Conclusão

 

A sua importância se faz notar devido à necessidade latente de normatizar o que é Queer, visto que essa é mais uma maneira de quebrar preconceitos sociais e garantir a segurança de pessoas LGBTQIA+.

Portanto, as abordagens sobre o Movimento Queer e o reconhecimento da sua importância são fundamentais para garantir uma sociedade mais igualitária.

Lucas Gercel: Redator responsável pela elaboração de pauta, pesquisa de persona, adequação de linguagem, palavras-chave e referências no nicho. Além disso, responsável pela revisão e diagramação no WordPress, utilizando mecanismos de otimização de pesquisa para WordPress. Contato: redatornorma@gmail.com