Traje de Alfaiataria: o poder do terno X a frivolidade da Moda

Conheça mais sobre o traje de alfaiataria, o divisor de águas que distingue a roupa do período moderno da moda do mundo contemporâneo.

Ternos de alfaiataria. Crédito: Andrea Piacquadio. Fonte: Pexels.

O traje de alfaiataria tem um papel de destaque na História da Moda. Acima de tudo, ele deve ser entendido como o maior marco de distinção entre a roupa da época moderna da do mundo contemporâneo.

Ao longo da história, o vestuário masculino foi sempre mais avançado que o feminino. Afinal, o traje  ele sempre apontou às mudanças na imagem do provedor, do guerreiro, do político e do religioso.

Contudo, quando se fala no fenômeno da moda é o traje feminino que toma a dianteira. Ou seja, é a roupa das mulheres que predomina dentro dos estudos de moda ou mesmo fenomenológicos.

 

Modelo em traje de alfaiataria. Crédito: Emre Keshavarz. Fonte: Pexels.

 

A Moda, expressão individual

 

Ao tempo em que a roupa feminina carrega um apelo visual mais teatral, a roupa masculina marca o padrão real do vestir socializado.

Nesse padrão também se incluiem as suas versões informais: a roupa esportiva, a roupa de férias, de fim de semana e o traje urbano usado para o trabalho ou diversão.

O conjunto calça-paletó-camisa, formal ou informal, que no Brasil é conhecido como “Terno Masculino”, forma o que se entende por alfaiataria.

 

Related Post
Alfaiate a preparar um traje. Crédito: Tima Miroshnichenko. Fonte: Pexels.

 

O Traje de Alfaiataria está ultrapassado?

 

Apesar disso, num mundo onde a efemeridade dá o tom na cultura das aparências, o que se questiona é: porque o terno continua sendo o traje civil clássico em grande parte do mundo?

 

Homem em terno de alfaiataria. Crédito: Andrew Neel. Fonte: Pexels.

 

Em sua obra O Sexo e as Roupas (1996), Anne Hollander define que a moda é um fenômeno social assim como o são as mudanças no vestuário. Para a autora, a alfaiataria mostra o poder da autoridade, a força simbólica e emocional dos valores de perpetuação.

 

Modelo com terno de alfaiataria moderno. Crédito: The Lazy Artist. Fonte: Pexels.

 

A Alfaiataria: poder e continuidade

 

Nesse sentido, o terno tem um caráter abstrato que traz uma mensagem de continuidade formal que é satisfatória no mundo contemporâneo.

Como tal, a sua sobrevivência e adaptação para o armário feminino e trajes mais casuais trouxeram profundas mudanças no seu significado social e sexual.

A princípio, o terno relação com o ofício do alfaiate e à tradição da roupa feita sob medida. Portanto, a alfaiataria agregava um valor de luxo e requinte à roupa que era maior que o da boa aparência.

 

Terno de alfaiataria. Crédito: Tima Miroshnichenko. Fonte: Pexels.

 

Assim, os avanços tecnológicos da indústria da moda serviram para ajudar a preservar a boa aparência do terno masculino. Isso, acima de tudo, como resposta à fantasias coletivas que até hoje têm força.

Em outras palavras, de um produto exclusivo ele se tornou um artigo feito em série. Como resultado, o terno passou a ser oferecido no comércio varejista, em diferentes tamanhos, formas, volumes e padrões têxteis.

A base estética do ideal moderno masculino se inspirou na elegância e eficiência da natureza. Ou seja, esta ordem define que os seres humanos sejam complementados por roupas.

Relacionado ao vocabulário visual e estilístico da arte abstrata moderna, o terno mantêm o vigoroso apelo erótico que o fez nascer. Afinal, o traje de alfaiataria, assim como os carros, são sexy.

 

Homem em terno de alfaiataria. Crédito: R Fera. Fonte: Pexels.

 

O Traje de Alfaiataria, do século XIX ao XX

 

O padrão da alfaiataria surgiu no século XIX no Ocidente. Ele então surgia após o declínio do estilo Rococó, estando relacionado ao Iluminismo e à estética neoclássica.

O ideal neoclásssico tornou-se erótico, politicamente correto e atraente. Dessa maneira, se tornou a forma de expressar as novas aspirações emocionais e sociais da contemporaneidade.

A mesma ordem estética foi repetida na arte e no design moderno e abstrato do século XX, que surgiu após a queda do gosto romântico, vitoriano e da art-nouveau.

A partir de então, a principal mudança na alfaiataria se deu na na forma de produzir-la: ante era feita sob medida, posteriormente  em série pela produção industrializada.

 

Ternos de alfaiataria masculinos. Crédito: Pixabay. Fonte: Pexels.

 

Muito além da questão de gênero

 

Modelo com terno de alfaiataria feminino. Crédito: Godisable Jacob. Fonte: Pexels.

 

Outro dado importante sobre a permanência da alfaiataria vem da própria história do vestuário. Afinal, a sua evolução é entendida a partir de um dueto entre o traje masculino e feminino.

Desse modo, a extensão do traje de alfaiataria para as mulheres mostra uma trégua na relação dos papéis entre os gêneros, trazendo à tona a discussão sobre a androginia na moda.

Nesse sentid, a alfaiataria usada pelas mulheres é o grande marco da história do vestuário no século XX.

E é esta a condição que mantêm a alfaiataria no topo dos estudos sobre a história do vestuário, mostrando-se mais importante do que as questões sobre a moda e o seu caráter efêmero.

 

Por Queila Ferraz.

 

Queila Ferraz: Queila Ferraz é historiadora de moda e arte, especialista em processos tecnológicos para confecção e consultora de implantação para modelos industriais para a área de vestuário. Trabalhou como coordenadora Geral do Curso de Design de Moda da UNIP, professora da Universidade Anhembi Morumbi e dos cursos de pós-graduação de Moda do Senac e da Belas Artes.
Posts Relacionados