Entenda a abstenção e como isso afeta diretamente a eleição de 2022

Com as Eleições de 2022 a todo o vapor, entenda melhor o conceito de abstenção e como isso afeta diretamente os resultados durante este período…

Compartilhe

Com as Eleições de 2022 a todo o vapor, entenda melhor o conceito de abstenção e como isso afeta diretamente os resultados durante este período tão importante. Continue a leitura para saber mais!

Quando estamos falando de política brasileira, abstenção é o termo dado ao ato de se negar a votar ou de não realizar opções políticas.

Geralmente, muitos acreditam que se abster do processo eleitoral é uma forma de participação passiva, pois, embora não haja o registro do voto, a ausência de confirmar em algum candidato pode beneficiar o concorrente que estiver adiante em um cenário, por exemplo. 

Eleitora realiza biometria durante votação na Escola Municipal de Ensino Fundamental - EMEF Celso Leite Ribeiro Filho, em Bela Vista.
Rovena Rosa/Agência Brasil

Além disso, a abstenção eleitoral pode ser vista como uma atitude aceita por grupos anarquistas, que não querem se engajar politicamente e, visto que nosso sistema conta com a obrigatoriedade do voto, isso seria uma maneira de não dar o braço a torcer.

Mas além de não votar, existem algumas causas e cenários que ajudam a explicar melhor a abstenção. Na próxima seção, você vai entender alguns dos tipos de abstenção mais comuns na política brasileira. 

Leia também: Quanto ganha o presidente? Confira salário e benefícios do cargo mais importante da nação

Tipos de abstenção na política brasileira

Na maior parte dos sistemas que adotam a democracia e, especialmente, no Brasil, existem duas maneiras distintas de manifestar abstenção durante o período eleitoral.

  • Presencial: na forma presencial de se abster durante as eleições, um eleitor utiliza o instrumento de voto, neste caso, a urna eleitoral, para expressar a atitude de se abster. 
  • Não-presencial: na forma não-presencial de se abster durante as eleições, um eleitor simplesmente se ausenta do instrumento de votação, neste caso, não comparece ao local das urnas.

No Brasil, o ato de votar nulo ou votar em branco pode ser incluído na lista de atos que determinam uma decisão abstencionista para além de outras formas de manifestações desta linha de pensamento.

Eleitores justificam a ausência na votação em posto montado em shopping de Brasília.
Eleitores justificam a ausência na votação em posto montado em shopping de Brasília.
Créditos: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Uma maneira de distinguir os tipos de abstenção é correndo a uma analogia às pesquisas populares, em que a abstenção não-presencial, neste caso, o não comparecimento no dia de votação, correspondem à alternativa “não quer responder”. Já a abstenção presencial corresponde à opção “Não responde/não sabe/outra resposta”, por exemplo.

Quais as principais causas que levam à abstenção de voto?

Existem muitas causas que podem levar ao eleitorado a se abster de uma decisão política. Abaixo, você confere as principais. Confira:

Causas externas e de fácil ou média resolução

  • Erro na contagem de eleitores nos cadernos eleitorais, fenômeno também conhecido como “eleitores fantasmas” (passar o direito de voto para nomes de pessoas proibidas de votar ou manter como ativos eleitores já falecidos);
  • Barreiras sociais que impedem o acesso ao voto, como incapacidade de custear deslocamento ao local das urnas ou de mobilidade no local do voto, inexistências de tecnologia que auxiliem o acesso à informação, como internet ou telefone, entre outros;
  • Falta de esclarecimento eleitoral: seja por desinformação sobre os programas políticos do período vigente, dados pormenorizados sobre os candidatos elegíveis, desconhecimento de regras eleitorais;
  • Recandidatura dos mesmos candidatos;
  • Falhas de ordem técnica nos instrumentos de votação, como no caso de falhas nas urnas ou falta de eletricidade no local de voto; 
  • Divulgação de enquetes ou pesquisas que desfavorecem o candidato de preferência do eleitor.

Causas estruturais e de dificultada resolução

  • Falta de identificação com os programas dos partidos políticos ou com candidatos ao posto de Presidente da República;
  • Desagrado com a qualidade das campanhas eleitorais durante o período de votação, como clima de violência verbal, arremesso partidário ou de caráter dos candidatos. Alguns debates, por exemplo, também podem corroborar com o clima de desagrado político no âmbito das eleições;
  • Desagrado pelo sistema de votação ou no modelo de Democracia vigente em um país;
  • Abstenção como forma de protesto contra leis ou alguma lei específica que originam descontentamento da população, por exemplo, muitos deles associados a boicotes eleitorais, como o anarquismo.

Na próxima seção, veja como foram os dados de abstenção no primeiro turno das eleições de 2022.

Qual o estado com maior grau de abstenção nas Eleições 2022?

Em taxas de porcentagem, o estado com maior grau de abstenção nas Eleições 2022 foi Rondônia. Ao todo, o estado teve 24,7% de eleitores elegíveis que não registraram seu voto no primeiro turno. Em seguida, Mato Grosso ficou em segundo lugar com 23,4% de abstenção. E finalizando o pódio, o Rio de Janeiro, com 22,7% de abstenção de eleitores.

Rondônia teve teve 24,7% de eleitores elegíveis que não registraram seu voto no primeiro turno

Já os estados com o menor índice percentual de abstenção foram Roraima (16,7%), Paraíba (17,3%) e o Ceará (17,4%). No segundo turno, existe uma previsão de que a taxa de abstenção seja ainda maior que a do primeiro turno, considerando que esse cenário foi o mesmo nas eleições dos anos de 2002, 2006, 2010, 2014 e 2018.

Confira o ranking de abstenções das Eleições de 2022

  1. Rondônia: 24,7%
  2. Mato Grosso: 23,4%
  3. Rio de Janeiro: 22,7%
  4. Alagoas: 22,4%
  5. Acre: 22,4%
  6. Minas Gerais: 22,3%
  7. Maranhão: 22,2%
  8. Mato Grosso do Sul: 22,1%
  9. Goiás: 21,7%
  10. São Paulo: 21,6%
  11. Bahia: 21,3%
  12. Pará: 21,2%
  13. Espírito Santo: 20,8%
  14. Amazonas: 20,1%
  15. Rio Grande do Sul: 19,8%
  16. Paraná: 19,5%
  17. Amapá: 19,5%
  18. Tocantins: 18,5%
  19. Santa Catarina: 18,4%
  20. Sergipe: 18,4%
  21. Pernambuco: 18,2%
  22. Rio Grande do Norte: 18,2%
  23. Piauí: 17,7%
  24. Distrito Federal: 17,5%
  25. Ceará: 17,4%
  26. Paraíba: 17,3%
  27. Roraima: 16,7%

Os dados desse ranking foram divulgados pelo TSE.

Índice de abstenção nos últimos pleitos

2022
  • Primeiro turno: 20,95%

2018

  • Primeiro turno: 20,32%
  • Segundo turno: 21,29%

2014

  • Primeiro turno: 19,39%
  • Segundo turno: 21,10%

2010

  • Primeiro turno: 18,12%
  • Segundo turno: 21,50%

2006

  • Primeiro turno: 16,75%
  • Segundo turno: 18,99%

2002

  • Primeiro turno: 17,74%
  • Segundo turno: 20,47%

1998

  • Primeiro turno: 21,49%

1994

  • Primeiro turno: 17,77%

1989

  • Primeiro turno: 11,93%
  • Segundo turno: 14,39%

Agora que você entendeu mais sobre abstenção, o Fashion Bubbles montou um especial para te deixar antenado nas notícias sobre o governo nacional e internacional. Fique por dentro de tudo sobre o período eleitoral aqui!

Compartilhe

Notícias em Alta

Últimas Notícias