Descoberta científica: vinho e queijo ajudam a reduzir o risco de demência

Os cientistas descobriram que vinho e queijo reduzem o risco de demência

Os cientistas descobriram que vinho e queijo podem ajudar a reduzir o risco de demência.

Pesquisadores da Iowa State University descobriram que esses alimentos podem melhorar a função cognitiva do cérebro.

Descobriu-se que as pessoas que costumam comer queijo correm menos risco de perda de memória. Os pesquisadores descobriram que o consumo diário de vinho tinto melhora as funções cognitivas, mas a ingestão excessiva de sal, ao contrário, piora.

 

Como foi feita a pesquisa?

 

 

Pela primeira vez, cientistas americanos realizaram uma análise em grande escala da relação entre dieta e declínio cognitivo na velhice.

Eles estudaram dados de 1.787 pessoas de 46 a 77 anos, que retiraram da base médica britânica UK Biobank. Ele contém informações sobre as características genéticas e outras características de 500.000 pacientes do Reino Unido.

Os especialistas selecionaram participantes que passaram no Teste de Inteligência (FIT) três vezes: em 2006, 2012 e 2016. O declínio da mobilidade mental é causado pelo envelhecimento e os testes mostram como uma pessoa pensa rapidamente.

 

 

Além disso, os voluntários falaram sobre sua dieta alimentar. No questionário, eles indicaram a frequência com que comem frutas e verduras frescas, peixes gordurosos e magros, carnes e aves processadas, queijos, cereais e pão.

As bebidas também foram consideradas: chá e café, vinho tinto e branco, cerveja e sidra, champanhe e licor.

Como resultado, os cientistas identificaram quatro relações principais:

  • beber vinho tinto melhora as habilidades cognitivas;
  • o queijo, mais do que outros produtos, protege a pessoa de danos cognitivos causados ​​pela idade.

O desempenho cognitivo a longo prazo é melhorado comendo cordeiro semanalmente sem outra carne da dieta. A ingestão excessiva de sal só prejudica aqueles que já têm deficiências cognitivas.

 

 

 

O autor do estudo, Brandon Klinedinst, observou que:

“dependendo de fatores genéticos, algumas pessoas parecem estar mais protegidas da doença de Alzheimer, enquanto outras parecem estar em maior risco. No entanto, acredito que as escolhas alimentares certas podem prevenir doenças e declínio cognitivo em geral.”

 

Existe diferença em termos de calorias e propriedades nutricionais entre o vinho tinto e o branco?

 

A maioria dos vinhos brancos contém menos taninos e antioxidantes do que os vinhos tintos.

 

 

Além disso, para prevenir a oxidação, os vinhos brancos geralmente contêm uma dose maior de sulfitos, que acredita serem os responsáveis ​​pela “famosa” enxaqueca.

As calorias do vinho tinto e do vinho branco são quase iguais, ou seja, 7 kcal para cada grama de álcool. A concentração do álcool, que é um produto derivado da fermentação dos açúcares, determina as calorias, portanto, quanto mais aumenta a porcentagem de álcool, mais aumentam as calorias.

 

 

Quais são as quantidades recomendadas e como devem ser consumidas?

 

Para um adulto saudável que não segue uma dieta de baixa caloria, a quantidade recomendada é 2-3 copos por dia se for homem e 1-2 copos por dia se for mulher.

Alimentos CurativosBenefícios dos alimentosdemênciaMemóriaqueijoSaúde Mentalvinho