Ácidos para a pele: os 12 principais, para que servem e como usar

Tire todas as suas dúvidas sobre ácidos para a pele, incluindo as dicas para usar, os benefícios e os cuidados!

- Continue depois da Publicidade -

Existem ácidos para a pele que servem para rejuvenescer, desinflamar e até mesmo clarear manchas. Mas nem todo mundo sabe quais são esses ácidos e como incluí-los na rotina de skincare.

Antes de mais nada, vale ressaltar que o uso desses ativos deve sempre ser indicado e acompanhado por um dermatologista. Dessa forma, você vai conseguir aproveitar ao máximo as vantagens de cada substância.

Ao longo desse artigo, vamos entender melhor o que são, como funcionam e como devem ser usados os mais variados ácidos para a pele. Então, não deixe de ler até o final!

 

O que são ácidos para a pele?

 

mulher fazendo skincare
Fonte: Pexels

 

- Continue depois da Publicidade -

 

Em resumo, os ácidos são ativos que servem para acelerar a renovação da pele. Para que você entenda melhor, a pele tem um processo de reestruturação natural que dura 21 dias.

- Continue depois da Publicidade -

Ou seja, durante esse período, nossas células estão se regenerando, trocando as “velhas” pelas novas e mais saudáveis. A renovação celular é o que garante a aparência firme, hidratada e uniforme da pele.

O objetivo dos ácidos é, justamente, acelerar esse processo. Com uma renovação mais rápida, é possível alcançar uma boa aparência cutânea em menos tempo. Dentre os principais motivos para usar os ativos, destacam-se:

  • Tratamento de cicatrizes;
  • Redução de manchas;
  • Rejuvenescimento da pele.

- Continue depois da Publicidade -

No vídeo abaixo, a esteticista Talita Rodrigues contou tudo sobre o que são os ácidos. Confira:

 

 

 

Como funcionam os ácidos para a pele?

 

A ação do ácido vai depender de cada ativo utilizado. Afinal, existem diferentes tipos de ácido: hialurônico, ascórbico, retinóico, etc. Porém, em suma, eles vão penetrar na pele e incentivar o processo de renovação natural. Tudo de acordo com os objetivos determinados pelo paciente e o dermatologista.

Esse tipo de substância pode causar alguns efeitos colaterais. Por isso, o acompanhamento médico é essencial. Os mais comuns são a descamação, a ardência e a vermelhidão. Afinal, a sua pele está se regenerando!

 

Como funcionam os ácidos
Fonte: Pexels

 

Além disso, a sensibilidade também é muito comum durante o tratamento com ácidos. Por esse motivo, o uso costuma ser combinado com hidratantes calmantes e cosméticos refrescantes. É o caso da água termal, por exemplo.

O tratamento com ácido também deve envolver sempre o uso do protetor solar. A aplicação deve ser feita a cada 2 ou 3 horas, sempre com um FPS 50 ou maior. Caso contrário, você corre o risco de machucar a pele ou de formar novas manchas.

 

  • Logo depois, saiba mais sobre Cleansing oil: hidrata e preserva a oleosidade natural da pele

 

Quais são os benefícios de usar ácidos?

 

Os principais benefícios do tratamento com ácidos para a pele incluem:

  • Clareamento de manchas;
  • Redução da aparência dos poros dilatados;
  • Diminuição da acne e da oleosidade;
  • Estímulo da produção natural de colágeno;
  • Uniformização do tom da pele;
  • Rejuvenescimento.

Vale ressaltar que os objetivos do tratamento são sempre definidos na consulta do paciente com o dermatologista. Nesse momento, o profissional vai fazer a avaliação da pele. Assim, verifica quais são as melhores substâncias para serem utilizadas.

 

 

Como é feito o tratamento com ácidos?

 

Como é feito o tratamento
Fonte: Pexels

 

O tratamento com ácidos pode ser feito via oral – como é o caso do medicamento Roacutan -, em dermocosméticos ou com a aplicação da substância em altas concentrações diretamente na pele. Nesse último caso, o procedimento é conhecido como peeling.

Nesse procedimento estético, a concentração chega a ser até 100 vezes mais potente do que a utilizada em cosméticos. Por isso, o peeling oferece resultados imediatos. No entanto, deve sempre ser feito por um profissional capacitado.

Em contrapartida, o tratamento contínuo conta com concentrações mais seguras dos ativos. Desse modo, deve fazer parte da sua rotina de skincare. Embora os resultados sejam mais lentos, eles são, também, mais duradouros do que o peeling – que precisa ser feito com uma certa periodicidade.

 

  • Nesse sentido, confira também Sérum x hidratante: qual o melhor tratamento antienvelhecimento?

 

O que são AHAs?

 

Quando falamos em ácidos para a pele, é muito comum ouvir falar sobre os AHAs. A sigla significa alfa-hidroxiácido e engloba os ativos derivados de substâncias naturais.

Ou seja, são os ácidos encontrados em fontes alimentares e produtos orgânicos. Por exemplo, é o caso do ácido glicólico, derivado da cana-de-açúcar. Esse ativo é um dos mais potentes a fim de tratar manchas.

 

O que são AHAs?
Fonte: Pexels

 

Com a popularização da natural beauty, os AHAs ganham cada vez mais destaque. Isso porque o movimento incentiva a produção de produtos de beleza com fontes naturais, veganas e livres de crueldade.

Para saber mais sobre os AHAs, confira o vídeo a seguir do canal OF (Oil Free):

 

 

Uma das vantagens dos AHAs é sua estrutura molecular. Afinal, as substâncias contam com moléculas de tamanhos diferentes. Dessa forma, elas conseguem penetrar melhor em camadas mais profundas da pele, potencializando o uso do cosmético.

Agora que você já conheceu melhor a função dos ácidos e como é feita a sua utilização na dermatologia, vamos entender melhor cada tipo de substância e os seus benefícios.

 

 

Quais são os ácidos para a pele?

 

1. Ácido ascórbico

 

Fonte: Pinterest

 

Sem dúvida, um dos ácidos mais populares e sempre presente na rotina de skincare de beauty lovers é o ácido ascórbico. Isto é, a famosa vitamina C! O ativo tem ação antioxidante, que suaviza os primeiros sinais do tempo ao mesmo tempo que ajuda a uniformizar o tom da pele.

O ácido ascórbico é reparador, renovador e também consegue devolver o viço natural da pele. Assim sendo, especialistas recomendam a concentração máxima de 10% para uso diário.

Vale lembrar ainda que o ácido ascórbico é uma substância que oxida facilmente. Ou seja, ao entrar em contato com a água, luz e ar, ele pode perder as suas propriedades. Então, opte por produtos recomendados pelo dermatologista e com a eficácia comprovada.

 

 

2. Ácido azeláico

 

Por sua vez, o ácido azeláico é encontrado principalmente no trigo e na cevada. Ele se enquadra na categoria de ativos antibacterianos. Sendo assim, é capaz de reduzir a acne, clarear manchas e também reduzir a inflamação cutânea.

Um ponto de atenção deste ácido é que ele não pode constar na formulação de cosméticos industrializados. Portanto, seu uso é feito apenas com fórmulas manipuladas com receita médica.

Além disso, deve ter uma concentração máxima de 20%. No Brasil, ele é comercializado principalmente sob o nome Azelan, em creme ou em gel.

 

Ácido azelaico
Fonte: Pinterest Juro Valendo

 

3. Ácido ferúlico

 

O ácido ferúlico é encontrado principalmente no farelo de arroz e de milho. Serve, então, para o tratamento de manchas e a uniformização tom da pele.

Trata-se não só de um antioxidante, mas também de um estabilizador e reparador. Quando combinado com o protetor solar, o ativo aumenta a proteção da pele. Como resultado, garante uma cútis muito mais saudável.

 

Ácido ferúlico
Fonte: Pinterest

 

  • Logo depois, aproveite K-beauty: a fórmula da beleza coreana para a pele perfeita

 

4. Ácido glicólico

 

Como já mencionamos anteriormente, é um dos mais populares ácidos para a pele. Encontrado em plantas açucareiras, principalmente a cana-de-açúcar, ele recebe também o nome de ácido hidroxiacético.

Seu uso é indicado principalmente para o tratamento de cicatrizes da acne e para melhorar a aparência da pele. O ácido incentiva a renovação celular, melhorando a textura e suavizando manchas.

É muito comum encontrar o ácido glicólico em cosméticos esfoliantes. Veja como ele funciona no vídeo da Dra. Joyce Rodrigues:

 

 

5. Ácido hialurônico

 

Conhecido por suas propriedades hidratantes, o ácido hialurônico é a substância queridinha de quem ama cuidar não apenas da pele, como também da saúde.

Esse ativo é produzido naturalmente pelo corpo humano. Só que, com o tempo, a produção começa a ser cada vez menor.

Geralmente, a partir dos 25 anos de idade, já não temos mais a mesma concentração de ácido hialurônico no organismo. É então que começam a surgir os primeiros sinais do tempo.

Você também pode gostar!

- Continue depois da Publicidade -

O especialista Maurizio Pupo aproveitou para tirar as principais dúvidas sobre o ácido hialurônico e a sua aplicação. Confira abaixo:

 

 

Nos cosméticos, o ácido hialurônico funciona como um hidratante potente, além de incentivar a regeneração das células e combater o envelhecimento precoce. Então, dá para entender por que ele é tão amado, não é mesmo?

Embora seja um ácido, não precisa de recomendação médica para ser utilizado. Afinal, ele já é produzido pelo nosso corpo e seu uso em cosméticos funciona como um complemento!

 

6. Ácido kójico

 

O ácido kójico é derivado de espécies de fungos como o Aspergillus e o Penicillium. O ativo funciona como um agente despigmentante de origem natural. Por isso, é usado principalmente no tratamento de manchas.

Uma das vantagens de seu uso é o fato de que ele não causa alergias, nem é fotossensível. Logo, é possível usá-lo durante o dia. Porém, nunca se esqueça de complementar o tratamento com o protetor solar!

 

Ácido kójico
Fonte: Pexels

 

 

7. Ácido lático

 

Produzido naturalmente pelos músculos, o ácido lático é um AHA. Na biotecnologia, é obtido por meio da fermentação de açúcar do leite (lactose), uvas (glicose), ou açúcar de cana (sacarose) e amido.

Esse é um dos ácidos para a pele mais eficientes para a higienização profunda dos poros, pois reduz a sua aparência. Além disso, ele é também um esfoliante superficial, removendo a pele morta sem irritar a cútis. É mais indicado para pessoas com pele mista e sensível.

Veja o antes e depois do uso de um produto com ácido lático (os registros foram feitos ao longo do tratamento):

 

Ácido lático antes e depois
Fonte: Resenha Nutrição e Beleza

 

8. Ácido málico

 

Encontrado na maçã, o málico é um AHA com função de antisséptico. Funciona ainda como um esfoliante, promovendo a renovação celular, hidratando e dando luminosidade.

 

 

9. Ácido mandélico

 

O ácido mandélico surge a partir da combinação do ácido clorídrico com amêndoas amargas. Como resultado, temos uma substância com grandes moléculas.

Isso significa que a pele absorve o ácido de uma forma mais lenta. Portanto, menos agressiva. Por isso, o ácido mandélico é um dos melhores amigos de quem tem a pele sensível.

Quer saber mais sobre o ácido mandélico? Então, confira o vídeo abaixo, preparado pela Dra. Katia Haranaka:

 

 

Recomenda-se o uso do ácido mandélico principalmente para o tratamento da acne. No entanto, também serve para o tratamento de melasmas.

10. Ácido retinóico

 

Cada vez mais popular entre beauty lovers, o ácido retinóico é muito importante para quem quer tratar a acne, os cravos e garantir a regeneração da pele.

Seus ingredientes são uma forma potente e sintética da vitamina A. Como o ácido retinóico é um dos mais potentes, pode ser agressivo para a pele. Desse modo, seu uso requer receita médica e o dermatologista deve fazer o acompanhamento de todo o tratamento.

Em cosméticos, ele costuma vir em versões mais naturais e menos agressivas, como o Sytenol A e o Revinage. Seu uso continua sendo muito eficiente, mas em uma concentração menor para evitar qualquer tipo de dano à pele.

No vídeo abaixo, a YouTuber Karen Bachini compartilhou sua experiência com o uso do Vitanol A, um dos medicamentos de uso tópico feitos com o ácido retinóico. Confira:

 

 

11. Ácido salicílico

 

O ácido salicílico é o melhor amigo da pele oleosa! Derivado da salacina, encontrada na casca de salgueiros, esse ativo é anti-inflamatório e se enquadra na categoria dos beta-hidroxiácidos (BHA).

Sendo muito poderoso e multifuncional, o ativo ajuda a tratar a pele acneica e reduzir a oleosidade. Além disso, também ajuda a remover as células mortas da pele e incentiva o processo de regeneração natural.

 

Ácido salicílico
Fonte: Pinterest

12. Ácido tranexâmico

 

Enquanto isso, o ácido tranexâmico é uma das soluções mais eficientes para quem sofre com a formação de manchas da pele. Afinal, ele é capaz de alterar a melanogênese, isto é, a formação do pigmento acastanhado.

Quando presente em excesso, o pigmento vai causar as manchas. Nesse sentido, o ácido tranexâmico é excelente para alterar a melanogênese e garantir a aparência uniforme da pele.

 

  • Em complemento, confira 8 erros a não cometer usando o protetor solar

 

Dúvidas mais comuns sobre os ácidos para a pele

 

Qualquer pessoa pode usar ácidos?

 

De forma geral, a resposta é sim. Porém, existem alguns fatores para levar em conta. Afinal, nem todo ácido funciona para qualquer tipo de pele.

Só para ilustrar, imagine que uma pessoa com a pele seca faça uso do ácido salicílico. Já que a substância é responsável por reduzir a oleosidade, ela pode causar um ressecamento ainda maior da cútis. Então, podem surgir problemas como as inflamações e vermelhidões, além de lesões sérias na pele.

 

Quem pode usar ácidos?
Fonte: Pexels

 

Sendo assim, a decisão de introduzir os ácidos na rotina de skincare nunca deve ser feita de forma leviana. Pelo contrário, ela deve partir da recomendação médica!

Somente o dermatologista é capaz de analisar as particularidades da sua pele para recomendar os melhores ácidos de acordo com os seus objetivos.

 

Se eu não tiver prescrição médica, posso usar ácidos para a pele?

 

Mais uma vez, tudo vai depender do tipo de ácido.

O ácido hialurônico, por exemplo, é uma substância hidratante e já produzida pelo corpo humano. Logo, seu uso não precisa de prescrição médica. O mesmo vale para o ácido ascórbico, embora o acompanhamento seja uma forma excelente de rastrear os resultados.

Em contrapartida, ácidos mais agressivos, como o salicílico e o retinóico, podem causar danos à pele quando usados de forma inadequada. Portanto, o ideal mesmo é que você consulte o seu médico para construir uma rotina de cuidados que funciona para você.

Como introduzir o ácido na rotina?

 

A introdução de ácidos na rotina de skincare deve seguir as instruções passadas pelo dermatologista. Geralmente, recomenda-se utilizar o ácido de 2 a 3 vezes por semana, sempre à noite, até que a pele se acostume com a substância.

Confira abaixo as dicas da Dra. Helga Clementino para começar a aplicação:

 

 

Precisa usar protetor solar com os ácidos?

 

Uma vez que esses ativos podem sensibilizar a pele, o uso deve sempre ser combinado com o protetor solar. A radiação solar é um dos fatores mais agressivos para a pele. Se os raios do sol agem em uma pele já sensibilizada pelos ácidos, há o risco de sofrer queimaduras e outros tipos de lesões.

Na verdade, o filtro solar é sempre a etapa mais importante do skincare. Então, é um passo essencial mesmo que você não faça uso de ácidos! Porém, ao introduzir esses ativos, é ainda mais importante prezar pela aplicação correta do protetor.

A Dra. Gisele Siqueira preparou um vídeo muito informativo sobre o uso correto dos ácidos para a pele e a importância do filtro solar. Assista agora:

 

 

Qual é o melhor ácido para a pele?

 

Tudo depende dos seus objetivos! Se você quer tratar a oleosidade e melhorar a textura da pele, vale a pena investir no ácido salicílico ou glicólico. Em contrapartida, quem quer uma renovação mais potente pode se beneficiar do ácido retinóico.

É por isso que o dermatologista é o profissional mais indicado para montar uma rotina de skincare personalizada. Afinal, ele te ajuda a descobrir quais são os ácidos que mais farão bem para você. Ao mesmo tempo, você vai encontrar produtos que, combinados, vão garantir a melhor aparência para a pele!

 

Conclusão

 

Como você pode ver, os ácidos para a pele trazem inúmeros benefícios quando utilizados da forma correta. Ao introduzir esses ativos, você vai conseguir transformar a sua saúde cutânea e conquistar a pele dos seus sonhos!

Porém, lembre-se de sempre seguir as recomendações do seu dermatologista para fazer um uso seguro das substâncias.

Enquanto isso, aproveite também para conferir os demais artigos da categoria de beleza. Ao mesmo tempo, compartilhe o artigo nas redes sociais!

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

“Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda.” Tudo bem Mais detalhes