Phiona Mutesi: A história de superação no filme Rainha de Katwe

A história real de uma menina preta que superou obstáculos como pobreza, racismo e se tornou uma das melhores jogadoras de xadrez do mundo.

666

Com uma narrativa inspiradora e representativa, conheça a história de Phiona Mutesi. Menina nascida em uma das favelas mais pobres e miseráveis da África, que se tornou a primeira mulher de seu país a receber o título de Mestre nas Olimpíadas de Xadrez.

Produzido por Mira Nair, o filme recebeu grande destaque não só pelo enredo da cineasta, como também pela sua nobre atitude com a morte de Nikita Waligwa – que interpretou Gloria, a melhor amiga de Phiona. A diretora arrecadou dinheiro para o tratamento da menina, mas infelizmente a atriz veio a falecer.

O elenco contou com atores como Lupita Nyong’o e recebeu diversas premiações. Confira o trailer:

Quem é Phiona Mutesi?

Phiona mutesi rainha de katwe
Foto/Reprodução

O filme trás um misto de emoções ao mostrar o cotidiano de Phiona e sua convivência com a família e seus esforços para estudar. A vitória da garota nos comove não só pelo talento, mas pela garra e determinação para alcançar grandes objetivos mesmo em meio a realidade de Katwe.

Aos 9 anos de idade, a jovem africana despertou sua curiosidade para o jogo, sentindo o desejo de se juntar e aprender. Mutesi recebia críticas por praticar um desporto “de brancos”, mas isso não a fez perder o foco e dominar os adversários no tabuleiro, garantindo vitórias em diversas competições.

Phiona jogando xadrez rainha de katwe
Foto/Reprodução
Você também pode gostar!

Aos 11 anos, Phiona Mutesi era campeã de xadrez júnior da Uganda. Logo depois, aos 14 anos já estava competindo nas Olimpíadas. Por conta de seu desempenho nas competições, ela se tornou candidata a Mestre e começou a viajar pelo mundo por conta da especialidade no jogo.

 

Questões abordadas no filme Rainha de Katwe

Katwe, localizado na Uganda – capital da África, mostra a triste realidade de pessoas que não tem esperança, extremamente pobres e sem opções além desta favela. Essa falta perspectiva era passado as crianças do local, principalmente, para as meninas.

O treinador e missionário Robert Katende tinha o desejo de ajudar essas crianças. Dessa forma, passou a ensina-lás a jogar xadrez.

“Era mais uma plataforma para me conectar as crianças e tentar inspirá-las a terem coragem para seguirem a vida como no conceito do xadrez. Nos ensina a ter habilidades que precisamos diariamente na vida”, comentou professor em entrevista.

Isso releva a importância que o voluntariado e o papel de mentor possui na vida de alguém. Phiona Mutesi recebeu muito mais apoio e incentivo para crescer de seu treinador do que de sua família.

Além disso, o filme também levanta a subjugação que existe entre a população negra. Por serem uma das comunidades mais pobres, o povo de Katwe viviam sendo ameaçados por outras comunidades negras com maiores condições.

“Não é apenas para nós. Muitas outras pessoas se encontram em situações sem esperança e acho que o filme anima todo mundo, mostra que por mais que as coisas não estejam indo bem, sempre existe um caminho, você apenas tem que aguentar e ter esperança” diz Phiona nos incentivando a assistir.

Phiona comemorando premio rainha de katwe
Photo/Reprodução

Por fim, para quem quer conferir a produção, veja através da iTunes Store (R$ 24,90) ou no Youtube (34,90).

 

você pode gostar também