A TRADŪE é alternativa ecológica de bolsas de couro sem origem animal. Seus acessórios são feitos de materiais à base de bambu e são desenvolvidos e fabricados em Firenze, na Itália. As fábricas que fabricam as bolsas da TRADŪE são as mesmas que fabricam os produtos da Celine, Gucci e Prada, todas grandes marcas internacionais.

Em seguida, conheça mais sobre a marca, confira a coleção de estreia e veja como são feitas as bolsas:

O que é bolsa vegana?

São bolsas inteiramente produzidas com nenhum produto de origem animal. Isso significa que todas as partes dela, desde o material que a reveste por fora até a cola usada por dentro, são produzidos sem crueldade com os animais.

O que é a TRADŪE?

Foto de bolsa vegana da TRADŪE.
Descubra em seguida sobre a marca de bolsas veganas sustentáveis. Fonte: Divulgação TRADŪE

  • Logo depois, nos siga no Google News e acompanhe as novidades direto do seu smartphone. Basta clicar aqui, depois na estrelinha 🌟 lá no News.

Uma marca de bolsas veganas e sustentáveis produzidas com materiais à base de bambu. A empresa nasceu em 2021, sendo criada por Katharina Tess & Marina Bragança.

A TRADŪE surgiu do simbolismo da dualidade e do estar “entre dois”: entre dois países, duas amigas e duas culturas. Neste contexto, a dualidade é uma fonte de inspiração e um modo de vida que combina uma visão moderna do ambientalmente sustentável com uma tradição centenária da arte italiana.

  • Em seguida, leia também Flores Astrais: Upcycling marca coleção da Trama Afetiva no BEFW

Coleção inaugural da marca

Foto de Maju Trindade com bolsa da TRADŪE.
Atriz Maju Trindade participa da campanha de inauguração da marca. Fonte: Divulgação TRADŪE

A coleção de estreia da TRADŪE traz três modelos de bolsas e foi fotografada junto da atriz Maju Trindade. As peças refletem a identidade da marca: elegância, versatilidade e consciência universal. Elas são apropriados para todas as horas e estilos.

O selo “Made in Italy” auxilia no reconhecimento imediato do produto. Assim, ele garante ao cliente a origem e qualidade italiana do item, que é feito manualmente em algumas das fábricas mais conceituadas do mundo, em Firenze, Itália. Celine, Gucci e Prada são marcas internacionais de bolsas que produzem seus produtos nas mesmas fábricas.

Fonte: Divulgação TRADŪE

A cofundadora da TRADŪE Katharina Tess explica: “Criamos a TRADŪE com o objetivo de despertar o desejo nas pessoas pela estética e qualidade, com o plus da sensação de estar fazendo uma escolha consciente pelo meio ambiente”.

  • Enquanto isso, leia Bulgari e Casablanca: marcas romana e parisiense lançam coleção-cápsula de bolsas

Como as bolsas da marca são feitas?

A TRADŪE está focada no futuro. Ela não utiliza nenhum material de origem animal em sua composição. Tendo passado por um longo processo de pesquisa e testado inúmeros protótipos em busca de um material sustentável.

Acima de tudo, a pesquisa visa demostrar a possibilidade de criar produtos desejáveis, de alta qualidade e melhores para todos — animais, pessoas e meio ambiente.

A marca, como resultado, é o fruto de uma nova sociedade: aquela que busca inexplicavelmente a harmonia coletiva e o prazer estético de prestar atenção nos mínimos detalhes.

Dessa forma, após meses de pesquisa pelo mundo em busca de couro vegano sustentável de alta qualidade, Katharina e Marina encontraram nas colinas da Toscana um desenvolvedor dedicado à inovação deste material.

Foto das fundadoras da marca, Marina Bragança e Katharina Maclnnes Tess
Essas são as fundadoras da TRADŪE, Marina Bragança e Katharina Maclnnes Tess. Fonte: TRADŪE.

Todos os fornecedores das matérias-primas são de origem italiana, o que reduz significativamente as emissões de carbono. Além disso, é possível que toda a cadeia de produção seja rastreada. Isto é, Katharina e Marina visitaram pessoalmente cada fábrica para certificar boas condições de trabalho e princípios ambientais.

“Queremos construir a história da TRADŪE de forma transparente e justa, sempre buscando inovação, assim como o constante aprimoramento do pilar de sustentabilidade”, ressalta e finaliza a cofundadora Marina Bragança.