A Páscoa acontecerá no dia 17 de abril de 2022. O Dia de Páscoa é sempre em um domingo, embora a data exata varie de ano para ano, conforme a posição da lua no início do outono.

Quer saber o que define a data da Páscoa, seu significado cristão e as datas do evento nos próximos anos? O Fashion Bubbles te conta tudo em seguida. Leia mais!

O que define a data da Páscoa?

Foto de menina com coelhos.

Páscoa e outros feriados religiosos a ela associados — Quarta-feira de Cinzas, Domingo de Ramos e Sexta-feira Santa — são conhecidos como “festas móveis”. Isso significa não haver datas fixas no calendário.

Em vez disso, esses feriados são atribuídos conforme o calendário lunissolar, que alinha as fases da lua com a posição do sol no céu. (Páscoa e outros feriados judaicos também seguem o calendário lunissolar.)

Entenda melhor no vídeo abaixo:

As datas da comemoração nos próximos anos

Foto de ovos no gramado.
Fonte: Canva

Assim sendo, confira as datas da Páscoa nos próximos anos:

  • 2022: 17 de abril;
  • 2023: 9 de abril;
  • 2024: 31 de março;
  • 2025: 20 de abril.

Quantos dias faltam para a Páscoa de 2022?

Hoje é segunda-feira, 11 de abril. Com isso, levará exatamente 6 dias para comemorar a Páscoa de 2022. Afinal, a data cairá no dia 17 do quarto mês do ano.

Qual o verdadeiro significado da Páscoa segundo a Bíblia?

Foto de imagem de Jesus Cristo ressuscitado, Páscoa.
Fonte: Canva

O que é exatamente a Páscoa? Páscoa é, sem dúvida, uma das festas cristãs mais importantes, é um evento que comemora a ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo. Três dias depois de sua crucificação, morte e sepultamento, Ele acordou de seu sono. Como resultado, Ele venceu a morte e fomos absolvidos do pecado.

O significado de Páscoa é a vitória de Jesus Cristo sobre a morte. Sua ressurreição significa vida eterna, que é concedida a todo aquele que nEle crê. O propósito da Páscoa também envolve uma confirmação completa de tudo o que Jesus ensinou e orou durante Seu ministério de três anos.

Se Ele não tivesse ressuscitado dos mortos, se tivesse simplesmente morrido e não ressuscitado, não teria sido considerado nada mais que um mestre ou profeta. A sua ressurreição, todavia, tudo confirmava e dava provas irrefutáveis ​​de que Ele era, de fato, o Filho de Deus que havia triunfado sobre a morte de uma vez por todas.

A ressurreição estabelece Jesus de Nazaré não apenas como o Messias profetizado de Israel, mas também como o Rei e Senhor de uma nova Jerusalém: um novo céu e uma nova terra.