“Cancelamento” vai das redes sociais para vida real

Quais consequências de ser “cancelado”, como agir se formos “cancelados”, como evitar isso. São perguntas que as pessoas estão se fazendo, em especial, devido às polêmicas do BBB21. Especialistas orientam!

- Continue depois da Publicidade -

Novamente, o BBB21 polemizou. O programa trouxe á tona a expressão “cancelar” e o “cancelamento”.

O termo já viralizava no meio das redes sociais. No entanto, com as polêmicas, a audiência e atitudes de participantes nada da casa do BBB21, o “cancelamento” está fazendo parte, agora, do dia a dia de muita gente.

Saiba mais sobre o que é o “cancelar”, quando o “cancelamento” surgiu, como agir se você for “cancelado” e muito mais!

 

O que significa “cancelar” alguém?

 

O termo tem como significados: punir, excluir, extinguir e outros.

- Continue depois da Publicidade -

Por exemplo: uma pessoa ou um perfil faz comentários a respeito de algo. A postagem não é aceita por muitas pessoas.

Assim, o comentário acaba por gerar uma “revolta coletiva”. O responsável pela postagem, então, é excluído, punido.

- Continue depois da Publicidade -

Algumas das consequências do “cancelar”são:

  • Perda de popularidade nas redes sociais, no caso de pessoas e perfil públicos;
  • Perda de campanhas e contratos de trabalhos;
  • Expulsão de comunidades virtuais;
  • Bloqueios, etc;
  • Demissões;
  • E até o fim de uma carreira promissora.

Em alguns casos mais extremos, mesmo que a pessoa ou perfil “cancelado” tente se explicar, se desculpar ou divulgar outra interpretação pelo que lhe causou o cancelamento, os “canceladores” não consideram.

- Continue depois da Publicidade -

Ou seja, quem sofreu um “cancelar” fica à margem, perde o “lugar de fala”, ente outras espécies de punição.

 

  • Depois, confira também A cultura do cancelamento precisa ser cancelada? Em belíssimo artigo, psicanalista explica como surgiu a ideia do cancelamento, sua evolução diante os conceitos do que é errado ou certo e como a Internet trata essa cultura atualmente.

 

Quais as consequências de ser cancelado?

 

Bem, não é nada agradável ser “cancelado”. Prova disso, são as pessoas que foram “canceladas” no BBB21.

Por exemplo, o ex-participante Lucas Penteado que fez alguns comentários que não agradaram pessoas da casa. Assim, muitos dos brother’s dentro do confinamento aderiram ao “cancelamento” do participante.

Já nas redes sociais, a sister do BBB21, Karol Conká, foi “cancelada”. Isto por milhares de internautas que acompanham o reality da Globo. No caso, em virtude das exclusões e isolamento que ela vem promovendo contra alguns brother’s dentro da casa. Inclusive a Forbes estima que Karol pode perder cerca de  milhões devido as polêmicas e cancelamentos gerados no Big Brother Brasil.

Aliás, ser alvo desta punição e exclusão foi um dos motivos que fez  Lucas Penteado optar por desistir do jogo. Assim, o brother saiu do reality, no dia 07/02, potencializando na vida real o cancelamento da própria Karol.

 

 

Apesar disto, as redes sociais não “cancelaram” Lucas Penteado aqui fora, na vida real. Pelo contrário, o participante ganhou a simpatia de milhões de pessoas.

Karol Conká perdeu mais de 500 mil seguidores em seu Instagram.

Portanto, quem é alvo desta punição costuma ter muitos transtornos e trabalho extra na tentativa de recuperar a imagem.

 

Como devo agir se eu for “cancelado” no meio virtual? Especialistas dão dicas

 

De acordo com a Race Comunicação, empresa de comunicação, alguns dos passos ao sofrer um “cancelamento” são:

  1. Reconhecer publicamente o erro e as responsabilidades sobre o posicionamento problemático – sejam comentários no meio virtual, público ou comportamentos.
  2. Desculpe-se pelo que aconteceu, mas de forma realmente sincera. Tentar atacar pessoas ou perfis, mesmo que tenha recebido ofensas, não é uma boa.
  3. Reserve um tempo para refletir sobre os motivos pelos quais acorreram a sua “sanção”. Embora, em alguns casos há exageros nestes “cancelamentos”, isso não exime o “punido” da responsabilidade.
  4. Por outro lado, não se atormente pelo o que o que você falou ou fez –  mesmo que tenha sido uma postura não aceitável. Lembre-se de que para aprender com as situações problemáticas da vida é preciso ter serenidade para refletir e mudar conceitos.
  5. É possível tentar reconquistar as pessoas que lhe “cancelaram”. Tente isto, mas não “force a barra”, pois isso pode ser pior ainda.
  6. Vale também se afastar um pouco dos meios que lhe excluíram, puniram. Isto não é necessariamente fugir, mas sim, se preservar para colocar as ideias “no lugar”.

 

Afinal, é correto “cancelar” alguém ou um perfil?

 

Não é possível controlar o ato de “cancelar”, ainda mais se ele acontece nas redes sociais.

Neste caso, antes de “cancelar” alguém, é preciso avaliar o que o “cancelamento” pode trazer à vida da pessoa.

É justo, por um erro ou atitudes erradas acabar com a carreira de alguém que levou anos para construí-la?

Por exemplo, vale “cancelar” alguém e impedir que o “cancelado”, pelo menos,  tente rever e divulgar sua nova postura perante à problemática que se sucedeu?

O motivo da “punição’ e da “exclusão” é algo realmente inaceitável ou imperdoável?

Você também pode gostar!

- Continue depois da Publicidade -

Por exemplo: existem comentários equivocados inaceitáveis realmente outros nem tanto…

Comentários que incitem o racismo, a homofobia, a violência são alguns tipos de posicionamentos, realmente, difíceis das pessoas deixarem “passar em branco”…

Já outras opiniões podem ter sido mal expressadas pela pessoa alvo do “cancelar”. Neste caso, pode caber um esclarecimento de quem fez o comentário infeliz.

Enfim…

Tudo depende muito do contexto, da situação, de quem deu opiniões equivocadas, etc.

Conforme já mencionado, há questões em que comentários infelizes não podem, realmente, ser aceitos. Mas, outros, podem dar, sim, a chance do “cancelado” se explicar melhor.

 

O que está por trás do Cancelamento?

 

Para nossa editora, Denise Pitta, se algo tocou as pessoas a ponto de gerar um “Cancelamento”, entre as causas pode estar uma reflexão mais profunda sobre os valores da sociedade. Trazendo de forma implícita angústias e questões sobre novos padrões morais que passam a se estabelecer, isto é, ponderações sobre o que é permitido e o que não é…

Desta forma, comportamentos antes aceitos pela sociedade, passam a ser julgados e considerados abusivos e execráveis. Assim, nesse contexto, cabe a cada um de nós estar abertos ao novo, e, tentar compreender o que está por trás desse fenômeno.

 

Não julgarás… O que diz a Bíblia?

 

Denise ressalta ainda, que não nos cabe julgar. Refletir e questionar sobre padrões morais vigentes, isto sim, se faz necessário, pois apenas desta forma haverá a evolução dos sistemas. Entretanto, essa é uma questão delicada, uma vez que percebemos apenas, uma pequena parcela da realidade, que ainda é permeada pelos filtros da cultura, reflete a editora.

Até que ponto, cabe aos indivíduos, organizados pelo efeito manada, julgar, culpar e condenar? Quais as consequências disto? E quem tem a vida destruída, como fica? Esses são alguns questionamentos essenciais sobre a cultura do Cancelamento.

Em contrapartida, algo que pode nos parecer errado no presente, quando visto pelo crivo da história, se tratava de evolução e rompimento com padrões morais ultrapassados. Ou ainda, traziam em si, questionamentos que necessitavam vir de uma forma mais consciente.

Seguindo este raciocínio, vale a leitura do trecho da Bíblia:

 

Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio Senhor ele está em pé ou cai; mas estará firme; porque poderoso é Deus para o firmar.

Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em seu próprio ânimo. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus.

Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivemos ou morramos, somos do Senhor.

Foi para isto que morreu Cristo, e tornou a viver; para ser Senhor, tanto dos mortos, como dos vivos. Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão?

Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo. Porque está escrito: pela minha vida, diz o Senhor: que todo joelho se dobrará diante mim, e toda língua confessará a Deus. De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.

A liberdade e a caridade.

Assim que não nos julguemos mais uns aos outros; antes seja o vosso propósito não pôr tropeço ou escândalo ao irmão. Eu sei, e estou certo no Senhor Jesus, que nenhuma coisa é de si mesma imunda, a não ser para aquele que a tem por imunda; para esse é imunda.

Mas, se por causa da comida se contrista teu irmão, já não andas conforme o amor. Não destruas por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu. (Bíblia – Novo Testamento – Romanos 12-14 e 14-15)

 

Mas, afinal, quando surgiu a “cultura do cancelamento”?

 

A cultura do “cancelamento” surgiu em 2019. Mas, ela veio à tona e ganhou ainda mais força, com alguns acontecimentos em 2020.

Um exemplo foi o caso que ocorreu com a influenciadora digital, Gabriela Pugliesi. De acordo com internautas, a influenciadora teria dados motivos para a “punição”.

A influenciadora conhecida por propagar uma vida fitness mais saudável, postou fotos em sua rede social de pessoas aglomeradas e uma festa sem máscara de proteção facial, dizendo “f*da-se a vida”. Isto, mesmo diante da pandemia da Covid-19.

Assim, em questão de minutos, o “cancelar” bombou nas redes de Gabriela. O motivo foi a irresponsabilidade frente à calamidade de saúde pública que o país enfrenta.

Ou seja, a figura pública recebeu repreensões, críticas, perda de seguidores.

Também, parece que Gabriela Pugliesi acabou por perder contratos com patrocinadores devido à repercussão de sua “punição” por seu ato.

 

Conclusão…

 

Por fim, a “cultura do cancelamento” parece que continuará – mesmo que não leve este nome.

Portanto, não basta só termos atenção com o que postamos no meio digital ou como nos comportamos.

Ou seja, a questão é mais complexa. Assim, é preciso rever posturas que hoje não são mais aceitas, como homofobia, psicofobia, machismo, racismo, falta de responsabilidade social, etc.

Dessa forma, se por um lado este tipo de “sanção” tira o direito de alguém se desculpar, por outro ele evita posicionamentos que, realmente, não são aceitos mais.

Além disso, a cultura do “cancelamento”, em especial motivada pelo BBB21, saiu da internet e chegou á vida real.

Reflita sobre isso… Mesmo porque em tempo que intolerância e preconceitos não são admitidos, informe-se sobre isto, antes de se posicionar ou agir de forma nada adequada…

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

“Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda.” Tudo bem Mais detalhes