Apendicite: o que é, sintomas e tratamento

Saiba mais sobre a apendicite, uma doença inflamatória que causa fortes dores abdominais e que precisa de cirurgia de emergência

Fonte: Canva

Portanto, para saber mais sobre a enfermidade, separamos as perguntas mais feitas pelos internautas:

  • O que é ?
  • Como identificar se está com apendicite?
  • O que causa a pessoa ter apendicite?
  • O que é começo de apendicite?
  • Como é feito o diagnóstico?
  • Tratamentos
  • É possível morrer de apendicite?

Para saber isso e muito mais, continue lendo!

O que é apendicite?

Fonte: Canva

Apendicite é o nome dado à inflamação de um órgão chamado apêndice, que, basicamente, é uma extensão do intestino grosso.

Portanto, trata-se de uma inflamatória-infeccionar. Afinal, ela ocorre quando o há uma retenção de restos fecais preso nessa área.

Normalmente, a apendicite ocorre em pessoas com idade entre 20 e 30 anos. Além disso, se não tratada o mais rápido possível, o paciente pode evoluir para um caso grave da doença, podendo chegar à morte.

Related Post
  • Veja também Endometriose: o que é, quais os sintomas e como tratar a doença

Como identificar se está com apendicite?

Se você conhece alguém que teve apendicite, provavelmente ouviu dizer que a dor abdominal é o principal sintoma. Porém, ele não aparece sozinho.

  • Dor abdominal na parte baixa do abdômen, localizada do lado direito, que é contínua e aumenta de intensidade conforme o tempo;
  • Dor ao redor do umbigo ou na parte de cima do estômago;
  • Perda de apetite;
  • Febre;
  • Náuseas;
  • Vômito;
  • Mal-estar;
  • Pausa no funcionamento do intestino, podendo causar constipação ou diarreia.

Então, ao perceber tais sintomas, deve-se procurar um médico imediatamente.

O que causa a pessoa ter apendicite?

Fonte: Canva

Qualquer pessoa pode ser apendicite. No geral, existem várias causas para a doença, porém existem duas que são as mais comuns.

Em primeiro lugar, a apendicite ocorre quando restos fecais entram no órgão, causando irritação e inflamação.

O que é começo de apendicite?

O princípio da doença é marcado pelo aparecimento dos primeiros sintomas. Isso quer dizer que o apêndice está inflamado e que precisa ser tratado.

  • Confira ainda Prosopagnosia: conheça a doença rara que Brad Pitt diz ter

Como é feito o diagnóstico?

Fonte: Canva

O diagnóstico da doença é feita de forma clínica. Ou seja, o médico deverá levar em consideração um exame de palpação do abdômen, avaliação do histórico do paciente e exames de imagem – como tomografia e ultrassom.

Os sintomas da apendicite são bastante similares aos das anexites, que são inflamações no útero, tubas uterinas e ovários. Por isso, o diagnóstico das mulheres é ainda mais delicado.

Logo após a confirmação da doença, é comum que o paciente seja encaminhado diretamente ao centro cirúrgico, como forma de remediar contra o agravamento do quadro.

Tratamento

Fonte: Canva

Na maioria dos casos, a apendicite é tratada por meio de uma cirurgia de emergência de remoção do apêndice.

Portanto, remover o apêndice é a forma mais segura de prevenir esse quadro grave.

É possível morrer de apendicite?

Sim. Se a inflamação não for tratada corretamente o mais rápido possível e o órgão se romper, os restos fecais irão se espalhar por toda a cavidade do abdômen.

Por consequência, as bactérias que seriam eliminadas nas fezes se espalham e acabam contaminando os demais órgãos. Assim, em casos graves, haverá uma infecção generalizada que pode resultar na falha dos órgãos e até na morte.

Conclusão

Apesar de ser comum, a apendicite é uma doença séria que precisa ser tratada com pressa. Embora a inflamação ocorra sem aviso prévio, é importante ficar atento aos sintomas.

Além disso, é essencial destacar que apenas um médico especialista pode dar o diagnóstico correto da enfermidade e indicar o tratamento cirúrgico.

Diana Diniz: Diana Diniz é jornalista apaixonada por novas experiências. Possui uma bagagem de conhecimento adquirido na Universidade do Algarve, em Portugal. Através do MBA em Marketing Digital e Especialização em Saúde pôde se aperfeiçoar na redação de artigos para blogs com embasamento científico e unir a experiência da profissão com sua paixão: a escrita.
Posts Relacionados