Quem são os consumidores do futuro? Saiba como preparar sua marca para conquistá-los

Descubra os perfis dos consumidores do futuro e estratégias para conquistar estas pessoas com produtos, serviços e experiências de compras.

Não foram só as tendências de moda que sofreram uma reviravolta nos últimos meses, mas o perfil dos consumidores do futuro também mudou com o novo coronavírus.

Esse artigo nasceu das inquietações e discussões sobre o futuro do consumo, com nossa apoiadora Vanessa Cainelli, idealizadora da marca VistaMiv. Uma vez que a rotina, os sentimentos e as escolhas de quem compra se transformou mais em quatro meses do que em anos e anos por causa do isolamento social. E se por um lado com o “novo normal” muitos negócios tiveram que fechar as portas, na contramão estão empresas que mudaram a forma de pensar para conquistar estes consumidores do futuro.

Dessa forma, no estudo “Consumidor do futuro 2022”, a diretora geral da WGSN, Carla Buzasi, afirma que a pandemia foi o maior propulsor global de mudanças dos últimos tempos, resultando em novos hábitos de consumo e em um novo cenário para a indústria. Especialmente nesta nova década com a sociedade totalmente conectada. “E, mesmo enquanto nos apoiamos na conectividade digital para sobreviver a este momento de turbulência, é o nosso anseio por conexão humana que moldará as nossas vidas a partir de agora”, escreveu.

Consumidores do futuro

Para quem não sabe, a Worth Global Style Net pode ser considerada a autoridade global em tendências de consumo e design.  Nesta pesquisa, os experts  da WGSN apontam uma análise de sentimentos que permeiam o mindset das pessoas e que interferem diretamente nas tendências de consumo em um futuro nada distante. Veja quais são:

Otimismo radical

Mesmo com tantas tragédias em 2020 e o negativismo que só cresce para o início de 2021, ainda há muita gente com esperança no futuro. De acordo com o WGSN, em 2022 um otimismo radical tomará conta dos consumidores, que vão priorizar sensações positivas e alegrias – e valorizar o que é verdadeiro.

Resiliência equitativa

Dessincronização social

Com a pandemia, a rotina das pessoas mudou. Assim, houve uma dessincronização social. A é que em 2022 esse cenário fique mais visível, com indivíduos realizando ações diferentes, em horários diferentes. E, consequentemente, isso acarreta uma falta de interação entre as pessoas que leva a comportamentos de fragmentação das comunidades.

Related Post

Medo

Quem são os consumidores do futuro?

“Agora com essa nova fase (imposta) mundialmente, os sentimentos polares serão necessários para se criar espaços  mais segmentados de tipos de pessoas e coisas, ou seja,  uma sociedade fragmentada onde cada um poderá escolher, sem regras impostas, onde quer estar”, acredita Vanessa Cainelli, da marca @vistamiv.

De acordo com dois reports publicados pelo WGSN nos meses de julho e agosto, são seis os perfis de consumidores do futuro em 2021 e 2022:

Confira ainda: Moda do futuro, como a tecnologia está mudando o universo fashion?

Guardiões da empatia

Na contramão dos haters estão estas pessoas solidárias, generosas e que valorizam umas as outras. Para falar com este público não basta ter o melhor produto ou um marketing lacrador: é preciso investir em estratégias para colocar as pessoas acima do lucro.

Compressionalistas

Pessoas cansadas, ansiosas e estressadas, que querem resolver tudo na hora =- e precisam de marcas que ajudam a organizar suas vidas. Uma maneira de engajá-los é apostar em e-commerce simples e organizado.

Criadores de mercado

São os empreendedores criativos que buscam seu próprio lugar ao sol. Investir em cocriação e collabs pode ser boas alternativas para engajar este consumidor.

Estabilizadores

Grupo formado principalmente por millennials e geração X. Indivíduos que estão começando a deixar de lado o culto à produtividade e passando a aceitar a vida de forma mais simples. Para atingir este público, é necessário apostar em serviços e experiências que inspiram tranquilidade e good feelings.

Consumidores do futuro: comunitários

Pessoas que valorizam a comunidade ao redor e querem fincar raízes, estabelecendo limites entre a vida pessoal e profissional Estes indivíduos podem ser engajados com investimentos em negócios locais, resgatando boas histórias.

Fotos: Reprodução/Pixabay

Novos otimistas

Indivíduos que buscam a felicidade acima de tudo e exigem a representação de todos. Nada de estereótipos de raça, cultura ou beleza. E, como abordam pessoas de divers idade – de jovens aos mais velhos, as marcas precisam abraças o poder do coletivo para atingir este público, com produtos e serviços que casem com este estilo de vida otimista.

 

Jessica Krieger: Jornalista apaixonada por moda, beleza e comportamento de consumo. Não dispensa uma boa viagem, dicas de maternidade e todas as delícias que envolvem o universo feminino.
Posts Relacionados