Economia afetiva – Propósito é a chave para os negócios do futuro

382

 

A economia afetiva está em pauta no mundo dos negócios. Propósito, empatia e inovação são palavras-chave cada vez mais presentes mas, na prática, o que isso significa para as empresas?

Para entender melhor esse cenário, conversamos com Manoela Hoffmann, CEO da Move Design, trazendo dicas imperdíveis para os empreendedores.

O que é Economia Afetiva?

Economia afetiva é a estratégia desenvolvida para criar vínculo emocional entre empresa e cliente, buscando que os consumidores se tornem fãs e promotores da marca.

A ideia é ir além do consumo de produtos, fazendo com que seus consumidores tornem-se também divulgadores de suas estratégias, gerando audiência para sua marca através de demonstrações de emoções que extrapolam os limites físicos do produto.

 

Propósito: a razão de existir de cada negócio. Arte: Move Design via Instagram

 

Você também pode gostar!

Enquanto estratégia, a economia afetiva busca criar vínculos entre empresa e cliente, gerando identificação. Na prática, é uma ideia que estimula as empresas a pensarem além do produto, criando experiências e valores que criam fortes ligações emocionais em seu público.

Compreenda a economia afetiva

A economia afetiva é um processo criativo e justo, uma forma de se relacionar, de desenhar oportunidades, criando novos caminhos e novas relações de horizontalidade na economia*, e no desenvolvimento colaborativo para a criação de novos produtos através de parcerias.

É sobre repensar o jeito de fazer. Dando novos valores e significados aos produtos e às relações de produção.

Juntos podemos criar coisas novas, fazer com os outros e para os outros, potencializando a importância da cooperação, e dos conhecimentos coletivos e individuais.

É um compartilhamento de ganhos que não procuram lucro somente, mas sim impacto na sociedade. É um trabalho cheio de afeto, educação e despertar de causa.

Transformando emoção em produto, potencializando o coletivo, a autoestima, a dignidade, a harmonia e a cura. ( Via Design Afetivo)

  • Horizontalidade é uma estratégia aplicada a organizações, caracterizada por haver poucos níveis hierárquicos. … Neste tipo de organização, as decisões normalmente são tiradas em assembleias, de forma que todas as decisões sejam coletivas, podendo se dar através do voto ou do consenso

Economia afetiva: propósito e empatia como caminho para os negócios

“A mudança é um esporte em equipe” – Propaganda da Adidas em 2020

 

Sua empresa tem lugar no futuro? Esse questionamento, levantado pela Move Design, é mais pertinente do que nunca no mundo pós COVID-19.

Um case bem interessante é o trabalho do estilista Ivanildo Nunes, que transforma rendas artesanais, com técnicas complexas que estavam fadados ao esquecimento, em maravilhosos vestidos de festa, trazendo valor ao artesanato local, além de sustentabilidade e possibilidades às artesãs. O trabalho é tão especial que vem tendo reconhecimento internacional com direito a diplomação em Paris: Ivanildo Nunes – Luxo e exclusividade na moda festa brasileira, é homenageado em Paris

View this post on Instagram

A carreira do estilista Ivanildo Nunes começou aos 13 anos, no interior do Maranhão. Inspirado pela novela global Ti Ti Ti, o adolescente costurava vestidos de festa para bonecas, que depois eram vendidas pela sua mãe. Ivanildo mistura técnicas artesanais como crochê, richilieu, rendas francesas e de bilro em vestidos elegantes, femininos e super cobiçados. Hoje, ele é um dos mais renomados estilistas de moda festa do Brasil e, em breve, desfilará em Paris. Suas criações exclusivas carregam amor e bom gosto em cada detalhe, inspirando noivas e sonhos. Saiba tudo sobre a carreira desse brasileiro que é pura sofisticação! #vestidosartesanais #ivanildonunes #paris @ivanildonunes @rozzeangel #artesanato #modaceará #dragaofashion #modacearense #richilieu #croche #rendas #vestidosderendasartesanais #rendadebilro #bilro #fashionbrazil #fashionbrazillianj #fashionbubbles #blogsdemoda #denisepitta #denisepittaentrevista

A post shared by Fashion Bubbles – Denise Pitta (@fashionbubblesoficial) on

 

A Move Design é uma consultoria de branding que alia metodologias de design à inteligência de mercado. “Usamos design de negócios com propósito para buscar nas empresas o impacto que o mundo precisa”, explica Manoela Hoffman, que explicou para a gente tudo sobre economia afetiva e o seu papel dentro das empresas.

 

1. A curto e médio prazo, quais os prováveis impactos da pandemia sobre o consumidor?

Ao longo do tempo os consumidores passaram a exigir muito mais do que produtos das empresas, passaram a exigir posicionamentos a respeito dos impactos que as empresas têm sobre o mundo.

Com a pandemia, os consumidores vão ser ainda mais exigentes, vão lembrar de marcas que fizeram a diferença durante a luta contra o COVID-19 e também vão exigir as ações para melhorias efetivas no entorno para um futuro mais saudável e com menos riscos.

O consumo tende a ser ainda mais consciente e muito ligado a sustentabilidade a alimentação saudável. 

 

 

2. Como a economia afetiva se encaixa nesse novo mundo?

Muito se fala em propósito, mas poucas empresas efetivamente trabalham sob esse guarda-chuva. Chegou a hora de colocar o propósito à frente da estratégia do negócio e propósito nada mais é do que entender o por que da existência de um negócio e que problemas reais das pessoas elas resolvem.

Todas as marcas terão que repensar seus produtos, rever sua relação com os colaboradores e, principalmente, entender o real impacto do mundo.

Isso porque a pandemia fez com que o ser humano se sentisse mais sensível a problemas globais e por isso vai buscar agora valores a serem compartilhados, aprendizados que o ajudem a compreender o presente e seguir apenas quem no momento de maior dificuldade mostrou-se empático.

Para exemplificar o case da Nannacay, com DNA voltado para cidadania,  que também procura divulgar e preservar culturas, unindo moda e contribuição social:

 

View this post on Instagram

Marcia Kemp sempre teve um DNA voltado para cidadania com enorme vontade de ajudar as pessoas. Após viajar muito e conhecer culturas exóticas, ela ficou com vontade de divulgar e preservar culturas, unindo moda e contribuição social. Determinada a escrever outra história, resolveu correr atrás de seu sonho! Nasceu então a @nannacay, nome de origem Quechua Aimara, que significa irmandade de mulheres. Muito mais do que uma marca, trata-se de um novo projeto de moda social; Creative Hands Transforming Lives. #fashionbubbles #modaconsciente #sustentabilidade #modasocial #nannacay #modacomconteúdo #bolsas #trabalhosartesanais #handmade #modabrasileira #modabrasil

A post shared by Fashion Bubbles – Denise Pitta (@fashionbubblesoficial) on

3. Dentro desse cenário, como integrar essas práticas dentro de um plano de negócios já existente?

Nesse caso entender o propósito é peça-chave. É preciso entender a importância de cada empresa para o mundo,  a partir daí é possível se adaptar.

Muitas pessoas pensar que inovação é ligada à tecnologia, mas não necessariamente: inovar é inventar novos processos, ferramentas ou produtos que auxiliem uma empresa a seguir adiante. O futuro das empresas está em entender seu propósito e inovar a partir dele. 

 

View this post on Instagram

Em menos de uma década o modo como a gente se relaciona com as pessoas mudou (Facebook, WhatsApp, Tinder), o entretenimento mudou (tv, youtube) e a forma como consumimos também. Lidar com os desafios, cada vez mais complexos, da nossa sociedade que é diversa, global, conectada e informada exige muita empatia. As marcas mais valiosas do mundo já descobriram que propósito é a base para a construção de uma proposta de valor relevante para as pessoas. O propósito permite que a empresa, colaboradores, clientes e sociedade trabalhem, juntos, na conquista de melhores resultados e na construção de um futuro melhor. Talvez mudar o mundo seja realmente uma tarefa difícil. Mas todos somos capazes de mudar o nosso entorno, mudar os negócios, melhorar a vida das pessoas que estão ao nosso redor e ajudar os clientes a se tornarem uma melhor versão deles mesmos.

A post shared by MOVE (@designmove) on

 

4. O que não pode faltar nos negócios do futuro?  

Empatia. A economia do futuro será baseada em consumidores exigentes e empresas que resolvem problemas reais das pessoas.

Para que essa conexão aconteça, os gestores precisarão estar dispostos a conhecer muito mais o ser humano e pensar em uma relação significativa entre negócios e pessoas. 

Imagem: DAMON DAHLEN/HUFFPOST.

5. E para pequenas empresas que estão começando agora, como se preparar para essa nova realidade?

Pense sempre nas pessoas – marcas são feitas de pessoas para pessoas! O empreendedor entender qual problema a empresa resolve, depois pensar no impacto social desse negócio e, por último, não menos importante, adaptar sua ideia para um mundo conectado e cada vez mais digital.

Para finalizar, seja humano, seja digital e seja honesto com a missão do seu negócio!

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

✨✨Pensando o futuro✨✨ A história da humanidade é feita de grandes ciclos, estamos vivendo um período TRANSITÓRIO, onde tudo é LÍQUIDO. Velhos códigos e mandamentos tornaram-se inúteis e novos padrões ainda não se estabeleceram. Este é, portanto, um período onde grandes mudanças podem ocorrer, novos rumos podem ser tomados e toda a humanidade está se dando conta disso. Sua vida pode mudar, sua vida vai mudar… O que tem gerado medo e angústia … . Como antídoto, buscamos novamente um sentido, um PROPÓSITO, conceitos considerados essenciais, pois são como uma espécie de lastro, que nos servirá de bússola em meio ao furacão de mudanças. . Assim pergunto: Qual o propósito da sua vida? Do seu trabalho? Da sua marca? Essas respostas, que geralmente não estão prontas, mas vão sendo aos poucos construídas, farão a diferença entre o fracasso e o sucesso, entre um mar de angústias e um pouco mais de paz… . Somos uma sociedade TRANS, em transformação. E para não ficar pra trás, é hora de experimentar, misturar, ousar, ter coragem de ser Trans também! . Sair do conforto e ir pra batalha, deixar de ficar parado, apenas julgando tudo e todos. . Para começar, que tal tomar consciência de valores ultrapassados e ir em busca de novos padrões e estilos de vida mais saudáveis? Ao se transformar, você também estará transformando o universo, pelo menos o que está ao seu redor. . Lembrando que água parada dá dengue e que a vida é feita de movimento…. . Assim fica a questão: Que mudanças de vida, ou novos aprendizados, você pretende fazer em 2020? . Veja mais no Fashion Bubbles em Cultura Trans. . 👉🏻Make da maravilhosa @betahmakeup indicação do querido @lucasbelido . 👉🏻Dica de filme inspirador sobre mudanças: Dois Papas. PS. Faz parte da minha transformação explorar o universo da beleza. Pode não parecer, mas sempre morri de medo de tudo do universo feminino, incluindo a beleza. • • #denisepitta #culturatrans #macrotendências #reflexõesdp #transitorio #sociedade #sociedadetrans #pensandoofuturo #sociedadelíquida #reflexoes #modacomconteudo #fashionbubbles #filosofando #conteudodemoda #modacomoespíritodotempo #proposito #conteudodemoda #blogsdemoda #influencers #influencer

Uma publicação compartilhada por Fashion Bubbles – Denise Pitta (@fashionbubblesoficial) em

você pode gostar também