Anitta desabafa sobre pressão de posicionamento político nas eleições de 2018: “Muito pesado”

Anitta participou do programa da amiga Gabriel Prioli, na CNN, e falou sobre a pressão política que sofreu em 2018 diante da cobrança de em ter que optar por um candidato publicamente

- Continue depois da Publicidade -

Anitta é uma cantora com um grande poder de influenciar, principalmente os mais jovens. Só no Instagram, por exemplo, a artista possui mais de 56 milhões de seguidores.

Esse sucesso foi alcançado pela artista no início da década passada. Em 2013, veio a explosão com o hit “O Show das Poderosas”. Como resultado, Anitta participou de praticamente todos os programas de TV da época.

Além disso, a influencer é amiga de outras celebridades relevantes nas redes sociais, como Neymar e Juliette. Ou seja, seu poder de influência como artista é indiscutível.

Contudo, em 2018, a cantora não estava à vontade em dar palpites, nem se arriscou a “defender” um candidato à presidência da república. Na época, o embate era entre os, então, presidenciáveis Jair Bolsonaro e Fernando Haddad.

Um grande movimento nas redes surgiu, o “Ele Não”.  Algumas personalidades aderiram à campanha, entre elas Bruna Marquezine, Rachel Sheherazade, Xuxa e Claudia Raia. No exterior, Dua Lipa e até Madonna participaram do movimento.

O público cobrou o posicionamento de Anitta que, assim como outras personalidades brasileiras, preferiu ficar de fora.

Todavia, essa experiência serviu para a estrela se dedicar aos estudos sobre a política. Atualmente, durante entrevistas, a cantora fala com segurança sobre o quadro político nacional em entrevistas para o Brasil e outros países.

Vem saber o que Anitta disse em entrevista à sua amiga Gabriela Prioli na CNN.

 

 

Anitta declarou seu voto em 2018?

 

Anitta, Gabriela Prioli, CNN
Anitta conversa com sua amiga Gabriela Prioli na estreia do programa de entrevistas da jornalista na CNN. Fonte: YouTube

 

Não. Na época, Anitta decidiu por não se posicionar politicamente e se meteu em uma grande polêmica na mídia por isso. Afinal, alguns fãs e artistas faziam questão de sua fala.

 

“Foi horrível na época, mas necessário [sobre as cobranças]. Tinha várias ideias distorcidas de política, pensava tudo muito errado. Não tinha muita sabedoria nesse assunto. Fui obrigada a ir estudar e gostei! Gostei de ter sido obrigada” , disse Anitta em entrevista à Gabriela Prioli, na CNN Brasil.

 

Gabriela Prioli, que é amiga pessoal da cantora, a questionou quanto a essa cobrança escancarada sobre o voto, que é secreto: “Mas você gostou de se sentir obrigada ou poderia ter sido mais sutil?”

 

“Não! O fato de me sentir obrigada quase que me fez falar assim: ‘Ah, que se dane todo mundo! Vou fazer o contrário do que o povo quer’. Sou muito assim, se você quer me obrigar alguma coisa, vou para o outro lado só de ódio” , disse Anitta.

 

  • Veja também Met Gala 2021: o look de Anitta será escolhido por Anna Wintour

 

Você também pode gostar!

- Continue depois da Publicidade -

“Muito pesado”

 

Anitta, Gabriela Prioli, CNN
Anitta revela que optou por entender mais sobre política após as eleições de 2018. Fonte: YouTube

 

Ainda durante a explicação, Anitta confessou que foi pesado essa obrigação de expor seu voto (que por lei é secreto). No entanto, toda essa exposição a levou aos estudos sobre política.

 

“O fato de ter sido obrigada foi muito pesado. Realmente, me dava raiva. Ia estudar com raiva, não porque eu queria. Acho que existe muito uma outra forma de você dar um approach [um toque], de falar assim: ‘Olha, você tem um poder de influenciar as pessoas, você pode mudar muitas coisas’. É um discurso diferente”, explicou Anitta à Priolli.

 

“Você viu o quanto que fiquei devastada. Meu Deus, foi horrível, queria desaparecer. O povo, hoje em dia, não aceita que ninguém erre, ninguém pode errar. Meu Deus, você faz dez coisas incríveis, mas fez uma ruim, o povo esquece as dez coisas incríveis e você vira um lixo de ser humano porque, um dia, errou”, analisou a cantora no bate-papo com Prioli.

 

 

Trauma com celular

 

Anitta, Gabriela Prioli, CNN
A cantora disse que desde as eleições de 2018 parou de usar tanto o celular. Fonte: YouTube

 

Essa experiência deixou traumas em Anitta. A cantora revelou que desde então não fica mais tão presa ao celular.

 

“Até hoje, nem uso mais tanta internet, não fico mais tanto no telefone. Os meus amigos do Brasil até reclamam que não me veem tanto, que não falam tanto comigo. Gente, não pego mais! No Instagram, tenho um fake que só sigo coisa de comédia e fico só rindo o dia todo com isso”, disse a cantora.

 

Por fim, Anitta ainda contou sobre as diferenças das carreiras artísticas no Brasil e nos Estados Unidos.

Por lá, a cantora revelou que os famosos estranham quando conta que fazia show todos os finais de semana no Brasil. Ela também admira o grupo de artistas latinos que se apoiam, a fim de alavancarem as carreiras internacionais uns dos outros.

 

 

Veja um trecho do programa À Prioli:

 

 

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

“Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda.” Tudo bem Mais detalhes