Vogue Brasil é acusada de assédio e humilhações

Matéria do BuzzFeed News revela rotina de ex-funcionários

1.344

- Continue depois da Publicidade -

Vogue Brasil é acusada de assédio e humilhações – O jornalista Chico Felitti, em matéria especial para o BuzzFeed News, ouviu 27 pessoas que trabalharam no grupo que edita a revista de moda mais importante do país.

Antes de mais nada, segundo a matéria, na revista, a príncipio o clima é tão pesado na revista que há anos corre a anedota: os banheiros da redação são feitos para chorar.

Vogue Brasil é acusada de assédio e humilhações 2
Daniela Falcão / Foto: Divulgação

Drama – Colaboradores confirmam assédio e humilhações

“Humilhação lá era uma coisa que rolava o tempo todo. Toda hora alguém voltava do banheiro com cara de choro”, contou uma estagiária na revista em 2016. “Eu mesma fiz isso muitas vezes, chorava muito”, relatou ao Buzzfeed.

Veja também: Vogue Brasil comemora 35 anos em grande estilo

Só para ilustrar, todas as fontes relatam de tal forma que as situações de abuso e ter presenciado gritos e xingamentos, dessa maneira, muitas vezes durante jornadas de 24 horas ininterruptas antes do fechamento de cada edição.

Vogue Brasil é acusada de assédio e humilhações 4
Meryl Streep viveu Anna Wintour no cinema / Fotos: Reprodução

Hollywood? – O Diabo Veste Prada é aqui!

Ao mesmo tempo o relato dessas dezenas de funcionários aponta um nome por trás dessa cultura corporativa: a jornalista Daniela Falcão, diretora-geral das Edições Globo Condé Nast – Vogue Brasil é acusada de assédio e humilhações

Você também pode gostar!

- Continue depois da Publicidade -

Veja também: Marcas de moda mais procuradas em 2020: confira o ranking

Daniela foi comparada a Miranda Priestly, assim como a editora de revista que abusava de seus funcionários no filme ‘O Diabo Veste Prada‘ (2006). Meryl Streep se inspirou em Wintour para desenvolver a personagem.

Responsabilidade – Vogue Brasil é acusada de assédio e humilhações

Vogue Brasil é acusada de assédio e humilhações 3
Daniela Falcão / Foto: Divulgação

“Não toleramos comportamentos abusivos ou qualquer forma de assédio em nossas equipes”. A empresa não negou nem confirmou as alegações de abuso.

Veja também: Minimalismo – Conheça o estilo de vida que acredita que menos é mais

Em outras palavras da matéria oficial, a empresa Edições Globo Condé Nast, no entanto, não respondeu a nenhuma das alegações específicas de abuso, apesar de terem sido enviados detalhes dos casos mencionados.

Íntegra – Edições Globo Condé Nast se manifesta

Daniela Falcão / Foto: Divulgação
Daniela Falcão / Foto: Divulgação

“A Edições Globo Condé Nast oferece a seus colaboradores e a quaisquer terceiros, um canal de Ouvidoria do Grupo Globo”, diz o comunicado oficial.

Ao mesmo tempo, completam: “Não toleramos comportamentos abusivos ou qualquer forma de assédio em nossas equipes com a garantia completa de sigilo de todos os envolvidos no processo”.

“A Editora Globo Condé Nast (EGCN) reafirma o seu compromisso em combater práticas que estejam desalinhadas com seus princípios éticos.”

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

- Continue depois da Publicidade -