O que é o nim e por que é um problema para as abelhas?

O que é o nim e por que é um problema para as abelhas?

O neem indiano, ou simplesmente nim, é denominado cientificamente como Azadirachta indica e, é uma espécie de árvore nativa do sudeste da Ásia e do subcontinente indiano.

Essa árvore é de clima tropical, que prefere locais de clima quente onde o solo tenha uma drenagem eficiente. Isso porque essa espécie tem uma excelente resistência à seca.

Além disso, ela é capaz de suportar condições extremas de temperatura e também de poluição da água.

Com crescimento rápido e uma copa bastante densa, essa árvore chega rapidamente aos 20 metros de altura.

Por ser uma espécie vegetal de grande porte, essa árvore ajuda a controlar a erosão do solo, a salinização e, ainda contribui para a reabilitação de terras degradadas.

Apesar de ser de origem asiática, o nim tem sido amplamente disseminada no Brasil, sobretudo na agricultura familiar por gerar frutos.

Existem diversas plantações dessa árvore espalhadas pela América do Sul, de maneira geral.

 

 

Mas por que o nim é um problema para as abelhas?

 

 

Sabe-se que essa planta possui propriedades eficientes contra o crescimento de fungos, ácaros, nematelmintos e, também, insetos.

Por isso, os pesquisadores estão intrigados que a espécie possa causar danos aos insetos, principalmente aos maiores polinizadores do planeta, as abelhas, o que é um grande problema.

Diante desse risco, o cultivo do nim deveria ser eliminado, mas a espécie é muito importante para a humanidade.

Isso porque serve como fonte de madeira (mogno), é muito resistente, pode ser usado na produção de medicamentos, repelentes e pesticidas.

Além disso, a casca e as folhas podem ser utilizadas na fabricação de utensílios. Tudo com a enorme vantagem do baixo custo de manutenção dessa cultura.

 

 

O que é a polinização e qual é a sua importância?

 

 

Nim. Fonte: tipsforlives

 

 

O grupo dos insetos representa a maioria dos polinizadores que existem no planeta atualmente. E as abelhas são muito importantes dentro desse grupo.

O nim é um problema para as abelhas porque ele funciona como inseticida, eliminando esses animais tão importantes.

Mas para entender melhor tudo isso, é preciso compreender bem o processo de polinização.

 

 

O que é polinização?

 

 

Sementes de nim. Fonte: ecomaria

 

 

Basicamente, a polinização consiste na transferência de pólen entre a as anteras (parte masculina) da flor, até o estigma (parte feminina).

Isso pode acontecer na mesma flor (autopolinização), ou ocorrer entre indivíduos diferentes (fecundação cruzada), separados geograficamente.

Para que ocorra a formação de sementes e frutos, os gametas precisam se encontrar, completando o que é chamado de fecundação.

Para que a fecundação aconteça, os gametas precisam se encontrar, o que requer o auxílio de fatores bióticos e abióticos.

A polinização por fatores bióticos inclui a presença de animais, como é o caso das abelhas, morcegos e aves.

Enquanto que os fatores ambientais, considerados abióticos, são: água e vento, por exemplo.

Dentro desse pacote de polinizadores, as abelhas possuem importância fundamental. E para atraírem esses e outros animais, as plantas oferecem em troca pólen, néctar e óleos vegetais.

Foram necessários anos de evolução conjunta entre as plantas e os seus agentes polinizadores para que houvesse a garantia de sobrevivência de ambas espécies envolvidas.

Se por um lado essa relação de dependência é muito bonita e importante, por outro, a extinção de uma espécie faz com que a outra também não sobreviva.

 

 

  • Veja também: Jambu em oito benefícios: para que serve e como consumir a PANC da Amazônia

 

 

As abelhas e a polinização

 

 

Quando são analisados os principais ecossistemas ao redor do planeta, percebe-se que os maiores polinizadores são as abelhas.

Existem atualmente muitos estudos que comprovam a contribuição impressionante que esses insetos possuem para o mundo e as espécies vegetais.

Elas são imprescindíveis para que as plantas sobrevivam e para que a variabilidade genética seja mantida.

De acordo com estudos, existem aproximadamente 20 mil espécies de abelhas em todo o planeta atualmente. Mas é possível que esse número seja bem superior a isso.

Entretanto, essas populações vêm sendo eliminadas pela diminuição da oferta de alimento, uso de defensivos agrícolas e ocupação dos ecossistemas pelo homem.

Essa diminuição do número de indivíduos e espécies está colocando a diversidade vegetal em risco de extinção.

E o primeiro passo para que se possa evitar que isso ocorra é conhecer esses animais com mais detalhes.

 

 

  • Siga o Fashion Bubbles no Google News para poder acompanhar tudo sobre saúde direto no seu smartphone. É só clicar aqui, depois na estrelinha 🌟 lá no News.

 

 

O que acontece se as abelhas desaparecerem?

 

 

Abelha. Fonte:

 

 

Muita gente não sabe disso, mas as abelhas são bastante semelhantes às formigas, pertencendo à ordem Hymenoptera da superfamília Apoidea, subgrupo Anthophila.

A espécie Apis mellifera é a principal representante considerando-se todas as espécies provenientes do Velho Mundo.

Elas constituem comunidades, nas quais existem papéis diferentes sendo desempenhados. A abelha rainha é a mãe de todas.

E estima-se que existam em uma mesma colmeia, mais de 15 mil abelhas operárias. Essas trabalham incessantemente para a construção de favos a partir de cera.

É nele que elas armazenam o mel e o pólen usado na alimentação das larvas e animais adultos. Há ainda em torno de 1500 zangões, que fecundam a rainha para gerar novas operárias.

O ciclo de vida delas gira em torno de 18 a 48 dias, mas a rainha chega a viver por até cinco anos.

Manter essa estrutura funcionando em todos os lugares do planeta, garante o equilíbrio dos ecossistemas.

As abelhas são as maiores polinizadoras, tendo assim papel essencial para a manutenção de culturas naturais de frutas, legumes e grãos.

E o que acontece se elas desaparecerem? Bom, se isso ocorrer, é possível que toda a vida na Terra desapareça junto.

No ambiente natural, sem as abelhas não ocorre a polinização e, consequentemente, não há produção de alimentos. Isso levaria à extinção dos animais.

 

 

  • Confira também: Chá de alface: benefícios e como fazer a bebida poderosa no combate à insônia

 

 

O uso de pesticidas e inseticidas e a extinção das abelhas

 

 

Mais do que nunca, o mundo moderno se utiliza de defensivos agrícolas para garantir o sucesso das colheitas na agricultura.

A proposta é de que o uso desses compostos contribua positivamente para a manutenção dos índices elevados de produtividade, para garantir a alimentação de todas as pessoas na Terra.

No entanto, esses compostos são venenos, que ao mesmo tempo em que promovem a saúde das plantas como o nim, também matam muitas espécies de insetos, como é o caso das abelhas.

Até mesmo a própria apicultura pode ocasionar a morte das abelhas. Isso porque estimula a competição das espécies, levando-as à morte.

Para impedir que isso ocorra, é preciso identificar espécies como o neem indiano, que é um problema para as abelhas e limitar as formas de uso.

Também deve-se controlar melhor os defensivos agrícolas, bem como os inseticidas de uso comum.

 

 

  • Confira também: Calmante natural: opções para reduzir a ansiedade e o estresse

 

 

Nim e o meio ambiente

 

 

No Brasil, o nim está presente sobretudo no Nordeste, visto que consegue se adaptar muito bem às condições climáticas locais.

A árvore vive muito bem em locais de clima semiárido, onde a temperatura é elevada e há pouco volume de chuva.

Os primeiros frutos nascem depois de 2 a 5 anos do plantio e, depois que isso acontece, as abelhas iniciam o processo de polinização delas.

É sabido que o óleo de neem possui importantes propriedades fungicidas e pesticidas e, os pesquisadores encontram-se bem intrigados em relação ao risco que pode ocasionar para as abelhas.

Pesquisas foram feitas em locais onde se encontravam plantas de nim em fase de florescimento.

Ao que tudo indica, em locais onde as árvores de neem florescem as abelhas morrem dentro das colmeias.

Isso levou os pesquisadores a concluírem que o pólen ou néctar que elas carregam para a casa, é ingerido por larvas e adultos, impedindo o desenvolvimento e levando à morte.

Sabe-se ainda que isso se torna ainda mais evidente durante o período de chuvas, mas não se tem certeza dos motivos.

 

 

  • Confira também: Aranto: planta para decoração que ajuda no tratamento da rinite

 

 

Os diversos usos do nim

 

 

Folhas de nim. Fonte: blueberriesconsulting

 

 

O neem indiano é um problema para as abelhas, mas existem muitos motivos que levam os seres humanos a continuarem usando a espécie. Veja quais são os principais usos:

  • Medicinal: propriedades antissépticas, antiúlcera, anti-inflamatória, hepatoprotetora, e de redução dos níveis de colesterol do organismo;
  • Cosmético: usa-se o óleo na produção de sabonetes, shampoo, tônicos capilares e até óleos fortalecedores para as unhas;
  • Agropecuária: usa-se a pasta de nim em plantio de cana-de-açúcar e arroz, no combate a pragas, inclusive insetos;
  • Benefícios sociais: aplicação nos setores industrial, farmacêutico e químico. Tudo isso gera muitos empregos e rendas para a população.

 

 

Conclusão

 

 

Por mais que a espécie possua uma série de benefícios para a humanidade, é inegável que o nim é um problema para as abelhas.

Por isso, precisa-se encontrar uma solução para equilibrar essa cultura e ao mesmo tempo garantir a sobrevivência dos insetos e garantir a biodiversidade.

abelhaabelhasárvoreárvoresnimplantaplantas