4 coisas que as mulheres não podiam fazer no meio do século 20

A próxima geração de mulheres pode se beneficiar voluntariamente e quase sem obstáculos dos ganhos do movimento feminista. Descubra 4 coisas que as mulheres não podiam fazer no meio do século 20.

  • 16
    Shares

- Continue depois da Publicidade -

Acredite ou não, na década de 1950, muitas das coisas que consideramos normais hoje estavam fora do alcance das mulheres.

Apesar de, ao longo de um século, as ativistas terem alcançado grande parte de seus objetivos, ainda hoje algumas questões em relação à igualdade de gênero permanecem em aberto.

Nos últimos anos, uma onda de escândalos de assédio varreu Hollywood e, depois disso, o mundo. As mulheres na indústria do cinema começaram a se opor ativamente ao assédio masculino, e essas revelações ousadas não passaram despercebidas.

Assim, as mulheres declararam em voz alta que não pretendem mais suportar e silenciar sobre as humilhações dos homens no trabalho, que usam sua posição para satisfazer as necessidades sexuais.

Parece que a metade do século 20 não foi há muito tempo – mas na realidade era um mundo completamente diferente quando se trata de sexismo e direitos das mulheres.

- Continue depois da Publicidade -

Nossas avós e mesmo, talvez, nossas mães não podiam se dar ao luxo de fazer muito do que nós, no século 21, consideramos natural. Agora, descubra coisas simples que eram inacessíveis para as representantes da bela metade da humanidade a partir da década de 1950!

 

 

  • Leia as frases de otimismo das mulheres empoderadas e mais influentes do mundo. Aprenda, reflita e mencione grandes nomes. Além da fascinante história das Sufragistas: do direito ao voto à emancipação da mulher. O que grupo que revolucionou o mundo ao alcançar o direito ao voto feminino e foi precursor do movimento feminista.

 

 

- Continue depois da Publicidade -

1 – Pagar com cartão de crédito

 

 

mulheres de 1950
Foto: iphotochannel

 

 

Dado o número atual de bancos, você não precisa ir muito longe para encontrar alguém disposto a lhe dar um cartão de crédito, mesmo que seu histórico de crédito esteja longe de ser perfeito. Mas pergunte a uma mulher que tentou conseguir um na segunda metade do século 20 e ela provavelmente terá uma história muito diferente.

- Continue depois da Publicidade -

Naquela época, as mulheres que solicitavam cartões de crédito nos Estados Unidos podiam ser inundadas com muitas perguntas pessoais, incluindo se eram casadas, planejavam ter filhos e assim por diante.

Até Hillary Clinton se lembra de ter o cartão de crédito negado na década de 1970. “Recebi uma carta dizendo que não podia pedir o meu cartão de crédito, tinha que usar o cartão do meu marido. E esta não é uma história antiga, ela disse em uma entrevista no The Ellen DeGeneres Show (The Ellen DeGeneres Show).

 

“Eu estava ganhando mais dinheiro do que ele e estava realmente pronta para receber meu cartão de crédito.”

 

  • Por falar em mulheres empoderadas e à  frente do seu tempo,  depois, veja também Coco Chanel: biografia, estilo e frases famosas da estilista. Além de Diane von Furstenberg: biografia da estilista que lutava pela emancipação feminina e também criou o vestido envelope.

 

 

2 – Uma das coisas que as mulheres não podiam fazer era

tomar pílulas anticoncepcionais

 

 

mulher em 1950
Foto: iphotochannel

 

 

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos aprovou anticoncepcionais em 1960. Mas muitos estados, incluindo Connecticut, não permitiam realmente que os médicos o prescrevessem.

Foi nessa época que Estelle Griswold, uma ativista dos direitos civis das mulheres e então diretora executiva do Planejamento Familiar de Connecticut, abriu um centro médico de controle de natalidade, e isso a levou à prisão imediata.

Você também pode gostar!

- Continue depois da Publicidade -

Ela ganhou um caso na Suprema Corte (que mais tarde ficou conhecido como Griswold v. Connecticut) e, em 1965, o controle da natalidade se tornou legal para mulheres casadas.

Já dois anos após a vitória de Griswold, a grande mídia impressa entrou na luta. Por exemplo, a TIME apoiou o movimento ativista exibindo pílulas anticoncepcionais em sua capa em 1967.

 

 

3 – Casar com um cidadão de outro país

 

 

mulheres em 1950
Foto: iphotochannel

 

 

Essa proibição afetou precisamente os habitantes da União Soviética. Em 1947, foi emitido um decreto, segundo o qual não só o casamento com um estrangeiro, mas até mesmo o relacionamento amoroso com um cidadão de outro país era proibido.

Claro, a possibilidade de se tornar a esposa de um homem de um país estrangeiro permaneceu. Mas, neste caso, a mulher teve que renunciar à cidadania soviética, o que era equivalente a traição.

Além disso, todos os casamentos com residentes de outros países, celebrados antes da promulgação da proibição, foram anulados.

Qual foi a razão para uma decisão tão intransigente dos líderes do país em relação aos casamentos? Houve duas razões principais:

 

  • Primeiro, a URSS precisava urgentemente de recursos humanos para reconstruir o estado após uma guerra horrível. Portanto, mulheres e homens jovens e fortes eram necessários em casa.
  • Em segundo lugar, o fator demográfico desempenhou um papel. Naquela época, tudo era feito no país para melhorar a situação do parto. Além da proibição do casamento com cidadãos de outros estados, havia a proibição do aborto e condições mais rígidas para o divórcio.

 

Em 1957, Moscou sediou o VI Festival Mundial de Jovens e Estudantes, com a participação de 34.000 pessoas de 131 países. Nove meses após sua conclusão, houve um baby boom “colorido” na capital.

 

 

 

 

4 – Uma das coisas que as mulheres não podiam fazer era se divorciar devido à violência doméstica

 

mulher do ano de 1950
Foto: universoretrô

 

 

Embora espancamentos e coerção em atos sexuais já fossem puníveis por lei na maioria dos países desenvolvidos no século 20, não havia explicação nos documentos governamentais sobre violência doméstica.

Assim, por exemplo, se uma mulher se recusasse a aceitar a intimidade do marido, ele poderia levantar a mão para ela e obrigá-la a fazer o que ele queria. Ou seja, a violência doméstica, em princípio, não era considerada um caso criminal.

De acordo com TIME, até a década de 1970 na América, a maioria dos códigos criminais estaduais tinha uma definição de “estupro” que impedia a inclusão de violência doméstica. Embora, em certo sentido, as relações familiares ainda estivessem registradas lá.

Em primeiro lugar, mesmo que a esposa respondesse “não” à oferta do homem de fazer sexo, isso não permitia chamar o que aconteceu depois daquilo de “estupro”. Em segundo lugar, a recusa da esposa em intimidade poderia servir de base para o divórcio – por parte do marido.

Para finalizar, destacando o empoderamento feminino veja Kamala Harris – A 1ª mulher negra vice-presidente dos EUA. Além de

  • 16
    Shares

- Continue depois da Publicidade -

você pode gostar também

“Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda.” Tudo bem Mais detalhes